2019, o ano mais tóxico do Brasil

Resultado de imagem para 2019, o ano mais tóxico do Brasil

Greenpeace Brasil – 20 Dezembro 2019

Foto: PxHere

 O ano de 2019 se encerra como o mais tóxico em mais de uma década e um trágico capítulo para a agricultura brasileira e para a população. Em apenas 12 meses, foram aprovados 467 novos agrotóxicos, que vão parar no nosso prato, contaminar trabalhadores rurais, o solo e a água que bebemos e destruir a biodiversidade.

A reportagem é publicada por Greenpeace Brasil, 19-12-2019.

 

Se, em 2018, pressionávamos parlamentares para que não votassem em favor de absurdos como o Pacote do Veneno, em 2019 essa situação mudou bruscamente. Com o governo de Jair Bolsonaro,

  • vivemos a experiência amarga de agrotóxicos serem empurrados goela abaixo da população,
  • sem consulta, sem debate, apenas com canetadas feitas diretamente por Tereza Cristina,
  • a Ministra do Veneno que milita em favor de agrotóxicos já há bastante tempo.

Listamos neste blog os maiores retrocessos cometidos pelo governo Bolsonaro em 2019 e alguns graves acontecimentos que reforçam a importância de investirmos em uma agricultura sem veneno.

Resultado de imagem para 2019, o ano mais tóxico do Brasil

Eles obedecem ao agronegócio e liberam agrtóxicos vetados em outros países /Almanaque SOS

O patrão pirou

Entre 1º de janeiro até hoje (19/12), foram liberados 467 novos produtos, um recorde! O ritmo de liberações de agrotóxicos foi tão intenso que 2019 já pode ser considerado o ano mais tóxico dos últimos 15 anos para a agricultura e alimentação no Brasil. Só não podemos dizer que esse é o ano mais tóxico de todos os tempos porque os dados mostrando as aprovações por ano só estão disponíveis a partir de 2005.

O discurso do Ministério da Agricultura (Mapa) de que

  • é preciso aprovar produtos mais seguros e menos nocivos à saúde humana
  • não passa de um disfarce para justificar tamanho contrassenso.

Isso porque o órgão segue apostando em peças de museu quando o assunto é veneno. O total de produtos realmente novos é extremamente baixo (6%), e se pensarmos em produtos melhores, como os biológicos, essa proporção também é baixíssima (8%).

É veneno e o rótulo importa

Em julho, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) adotou um novo sistema de análise toxicológica. A medida

  • deixou os trabalhadores do campo ainda mais vulneráveis aos efeitos nocivos dos agrotóxicos,
  • porque riscos importantes como cegueira e corrosão na pele não entram mais na categoria de “alta toxicidade”,
  • que passa a incluir somente produtos que podem levar à morte por ingestão ou contato.

Outro ponto que não faz sentido é a justificativa da Anvisa para adotarmos uma análise ligada ao Sistema Harmonizado Global (GHS). O argumento é o de que a mudança moderniza o Brasil em relação a outros países; no entanto, o órgão não adota o mesmo rigor na análise e na restrição ou banimento de alguns produtos.

Continuamos sendo destino de agrotóxicos proibidos na União Europeia:

  •  34% dos produtos aprovados em 2019 não são permitidos por lá.
  • Por que cidadãos europeus são protegidos de determinadas substâncias tóxicas, mas os brasileiros não?

 

Olá 2019, adeus Consea

Os fogos de artifício mal haviam anunciado a virada do ano quando Bolsonaro começou a colocar a segurança alimentar dos brasileiros sob ameaça,extinguindo o Consea(Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional). O órgão funcionava como uma ponte entre a sociedade civil e a Presidência da República, para debater políticas ligadas à alimentação, saúde e nutrição.

  • A inclusão do direito à alimentação na Constituição Federal
  • e a luta contra o Pacote do Veneno no Congresso são exemplos dessa atuação.

Poderia ter ficado calada

Ainda no fim de 2018, a ministra da Agricultura Tereza Cristina havia dito que o debate sobre agrotóxicos teria “muito espaço” em sua gestão. A pergunta que fazemos, um ano depois,

  • é a qual debate ela se referia,
  • porque a chuva de veneno lançada sobre os brasileiros não foi discutida com a sociedade.

Tereza Cristina também escorregou feio e desrespeitou a população em abril,

  • ao declarar em uma audiência pública, em Brasília, que
  • comer produtos orgânicos era coisa do “pessoal fitness”.

Na ocasião aproveitamos para lembrar à ministra que

  • alimentação justa, saudável e sem veneno deve ser direito de todos,
  • não privilégio de poucos,
  • e é por isso que precisamos de políticas públicas que garantam esse acesso.

 

Salve as abelhas

Fundamentais à produção de alimentos e à vida no planeta, as abelhas também são vítimas do veneno. Entre dezembro de 2018 e março de 2019, mais de meio bilhão de abelhas criadas por apicultores foram encontradas mortas no Brasil. Agrotóxicos usados na agricultura brasileira, como glifosatoneonicotinóides e fipronil estão entre os maiores vilões, todos presentes na lista das novas liberações. Em maio, lançamos o abaixo-assinado Salve As Abelhas, para pressionar por mudanças na forma como produzimos nossos alimentos.

 

“Tá” tudo dominado, incluindo a água

Uma reportagem da Agência Pública com base em dados do Ministério da Saúde mostrou que a água que bebemos está contaminada. A cada quatro cidades brasileiras, uma contém um coquetel que mistura diferentes agrotóxicos na água que abastece a população, isso sem contar que são pouquíssimos os ingredientes testados em comparação ao que temos aprovado.

Algumas das substâncias encontradas são consideradas

  • extremamente ou altamente tóxicas pela Anvisa,
  • e associadas a doenças como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas.

 

Justiça para quem?

Nem quando vira questão de Justiça a saúde e o meio ambiente têm mais valor que os agrotóxicos no país. No fim de novembro, uma decisão judicial havia revogado a liberação de 63 produtos, gerando uma grande comemoração. Mas a festa durou pouco porque, alguns dias depois, veio o combo:

  • Mapa autorizou uma nova leva de agrotóxicos
  • e um desembargador tornou sem efeito a decisão de revogação da Justiça.

Mais uma vez fica claro que no Brasil os interesses das empresas agroquímicas têm valido mais que a saúde da população e do meio ambiente.

 

O nome disso é maquiagem

Ao lançar o relatório parcial do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), em dezembro, a Anvisa caprichou no banho de maquiagem dos dados.

  • Falta de transparência,
  • mudanças de metodologia do monitoramento
  • e, principalmente, na forma de comunicar,
  • fizeram parte dessa atitude perversa.

Apesar de o levantamento apontar que

Segura para quem?! Estamos comendo comida com veneno diariamente e o primeiro passo para migrarmos para uma alimentação mais saudável é admitirmos que há um problema, não tentar enganar a população.

 

(Foto: Bárbara Veiga/Greenpeace)

Em 2020, desejamos…

Precisamos respirar fundo porque 2020 pode não ser muito diferente quanto o assunto é veneno.

  • Mas se houver mais liberações, haverá mais reação, em igual medida.
  • Não vamos parar de lutar por uma agricultura saudável de verdade,
  • justa para quem produz, saudável para quem consome e sustentável para o meio ambiente.

Precisamos urgentemente de uma Política Nacional de Redução de Agrotóxicos para o país, capaz de garantir uma transição equilibrada. Esse caminho já existe e precisa ser fortalecido com a mobilização da sociedade.

O seu papel é fundamental nessa briga: se informe e se envolva, pressione o governo, engaje as pessoas ao seu redor. Só uma sociedade mobilizada é capaz de alcançar as transformações que precisamos em prol do bem comum e de um futuro melhor. Até 2020!

 

Greenpeace Brasil

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/595320-2019-o-ano-mais-toxico-do-brasil

 

Leia mais:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>