Gigante da energia verde de Taiwan pretende lançar luz sobre a Laudato Si’ do Papa

 

Taiwan’s green energy giant aims to shed light on Pope’s ‘Laudato Si”

Elise Harris, Correspondente Sénior – 01/11;2019

Foto: O Papa Francisco posa com um grupo de monges taiwaneses, parte de um grupo inter-religioso durante a sua audiência geral semanal na Praça de São Pedro no Vaticano, quarta-feira, 22 de maio de 2019. – (Crédito: AP Photo / Alessandra Tarantino)

 

TAIPEI – Considerando que Taiwan está subindo na lista de países que estão ficando verdes, não é surpresa que uma de suas principais empresas de energia solar tenha encontrado um aliado natural no Vaticano sob o papa Francisco, amplamente conhecido pela sua defesa do meio ambiente.

Como um sinal dessa parceria, a empresa está produzindo um lote de pequenas lâmpadas solares com o logotipo do Vaticano, uma maneira com a qual espera lançar luz sobre o apelo do papa à ação pró-ambiente.

  • Fundada em 2002 com o objetivo de se tornar a principal fornecedora de energia solar de Taiwan,
  • a empresa SpeedTech Energy faz pressão não apenas para implementar o uso de energia limpa em casa,
  • mas também para implementar novas tecnologias verdes para ajudar os pobres e desprivilegiados.

Entre as diferentes tecnologias que a empresa produz, destacam-se

  • inéditas lanternas impermeáveis ​​para os pescadores,
  • rádios alimentados por energia solar,
  • ventiladores esportivos e armadilhas para mosquitos.

Com presença na Ásia, África e América do Sul, a empresa instalou painéis solares às margens de estradas remotas que, estando fora dos caminhos batidos, seriam completamente invisíveis após o anoitecer.

Além de sistemas solares maiores instalados em empresas e universidades,

  • a cada ano centenas de mini-painéis solares são enviados pela empresa
  • para campos de refugiados
  • e para países em desenvolvimento
  • onde as crianças geralmente não têm acesso à eletricidade, tornando difícil para eles a tarefa de fazer a lição de casa.

Tudo o que as crianças precisam fazer é pôr para carregar o pequeno painel ao sol por algumas horas e acionar o interruptor quando escurecer, e deste modo poderão ler e concluir as tarefas de casa que, de outra forma, seria quase impossível serem concluídas.

Segundo Lucas Chiu, que trabalha com a SpeedTech Energy,

  • o objetivo dos equipamentos solares da empresa
  • “não é apenas fazer negócios, mas também ajudar as pessoas a melhorar a sua qualidade de vida”.

Algumas destas unidades portáteis ostentam o logotipo do Vaticano, escolhido em parte ao fato de Taiwan ter uma da Embaixada na Santa Sé. Atualmente,

  • o Vaticano é um dos únicos 15 países que mantêm relações diplomáticas com Taiwan
  • e é a única nação da Europa a fazê-lo.

 

Uma lâmpada solar produzida pela SpeedTech Energy, uma empresa de energia de Taiwan, com o logotipo do Vaticano. (Crédito: Crux / Elise Harris.)

Taiwan e a Santa Sé colaboram há muito tempo em projetos humanitários; portanto, todos os anos, quando a embaixada ordena que centenas de mini painéis solares sejam distribuídos por diferentes instituições de caridade, não é surpresa que o logotipo do Vaticano seja orgulhosamente exibido no estande que o acompanha.

Também não é surpreendente que

  • a colaboração deles no trabalho humanitário
  • também se misture com a pressão por formas de energia renováveis ​​e sustentáveis,
  • que têm sido uma prioridade para Taiwan e para Francisco.

Francisco

  • tem sido um ardente defensor da agenda do desenvolvimento sustentável de 2030
  • e do combate às mudanças climáticas,
  • que ele, seguindo as conclusões do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas,
  • diz que são causadas em grande parte pela humanidade.

Os temas relacionados a ambos os tópicos foram os principais pontos abordados na sua encíclica ambiental de 2015, Laudato Si’ , o primeiro documento papal desse tipo já dedicado inteiramente à ecologia.

No início deste ano, num discurso em 8 de março aos participantes de uma conferência internacional intitulada

“Religiões e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): ouvindo o clamor da terra e dos pobres”,

Francisco sustentou a importância de ir ao encontro dos objetivos do desenvolvimento sustentável de 2030 (ODS) e defendeu aque sejam buscadas soluções concretas.

Ele insistiu sobre

“respostas concretas ao clamor da terra e ao grito dos pobres, compromissos concretos de promover o desenvolvimento real de maneira sustentável por meio de processos abertos à participação das pessoas, [e] propostas concretas para facilitar o desenvolvimento dos necessitados”.

Ele pediu

  • políticas econômicas focadas na pessoa
  • que promovam “um mercado e uma sociedade mais humanos”
  • e que levem a sério a proteção ambiental.

Naquela ocasião, o papa também sublinhou a necessidade de um compromisso para

“promover e implementar as metas de desenvolvimento que são sustentadas por nossos mais profundos valores religiosos e éticos”,

e instou os participantes a buscar uma implementação criativa das metas.

Na Laudato Si’ , publicada em junho de 2015, pouco antes de várias reuniões importantes das Nações Unidas para discutir a agenda de Desenvolvimento Sustentável para 2030, Francisco elogiou as organizações que já lutam contra a degradação ambiental e reduzem o seu impacto sobre os pobres.

Ele também pressionou pelo abandono dos combustíveis fósseis, que ele disse que deveriam ser substituídos por fontes de energia renovável.

“Existe uma necessidade urgente de desenvolver políticas para que, nos próximos anos, a emissão de dióxido de carbono e de outros gases altamente poluentes possa ser drasticamente reduzida, por exemplo, substituindo os combustíveis fósseis e desenvolvendo fontes de energia renovável”,

afirmou, destacando a energia solar como tendo um enorme potencial para fornecer energia ao mundo em desenvolvimento.

Francisco apontou o crescimento de cooperativas de energia limpa como um sinal de esperança, dizendo: “…

enquanto a atual ordem mundial se mostra impotente para assumir as suas responsabilidades, indivíduos e grupos locais podem fazer uma diferença real”.

Falando à Crux , Chiu elogiou as iniciativas ambientais de Francisco, dizendo que “ele é um papa muito verde”.
Chiu fará parte de uma delegação da sua empresa que viajará para Roma em novembro para uma conferência sobre energias renováveis, durante a qual está programada uma audiência dos participantes com o papa.

“Para mim, é uma grande honra”, disse Chiu, insistindo que a visão de Francisco está alinhada com os objetivos da sua empresa de fazer a transição para a energia limpa. Durante a conferência de novembro, Chiu disse que espera

“aprender e entender mais sobre a orientação do papa acerca do desenvolvimento da energia sustentável”.

Além da agenda ambiental do papa, Taiwan, através de um fórum anual de saúde, também falou sobre outras questões próximas ao coração do papa, como

  • a urbanização;
  • o problema do envelhecimento da população com uma baixa taxa de natalidade;
  • a necessidade de cidades limpas;
  • agricultura sustentável

e questões da mulher, como saúde, igualdade e acesso à educação.

Com apenas 15 relações diplomáticas formais, Taiwan não participa de negociações no nível da ONU sobre nenhuma dessas questões.
No entanto, se eles estão procurando aliados para defendê-los no cenário global, o Vaticano pode ser o único ao qual eles podem dirigir-se dadas as muitas maneiras nas quais as suas prioridades parecem se sobrepor.

 

Elise Harris

 

Elise Harris

Fonte: Taiwan’s green energy giant aims to shed light on Pope’s ‘Laudato Si”

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>