Declaração de apoio dos cientistas ao movimento ‘Rebelião ou Extinção’

José Eustáquio Diniz  Alves  – 02/11/2019Ver a imagem de origem

Foto: Na Alemanha, protestos contra desmatamento / portalamazonia.com

  “O movimento “Rebelião ou Extinção”, inspirado nas ideias de Henry Thoreau (1817-1862), utiliza a resistência pacífica (não-violenta) e a desobediência civil para engajar as pessoas na luta contra o colapso climático e ambiental, evitando o holocausto ecológico e o risco de extinção da raça humana e demais espécies”, escreve José Eustáquio DinizAlves, doutor em demografia, em artigo publicado por EcoDebate, 01-11-2019.

 

Eis o artigo.

“Estamos em um carro gigante, acelerando na direção de uma parede de tijolos e todo mundo fica discutindo sobre onde cada um vai sentar” (David Suzuki)

O mundo vive uma emergência climática e ecológica. Nunca, no Holoceno (últimos 12 mil anos), a humanidade enfrentou uma ameaça global tão significativa. E o pior é que a ameaça existencial atual é provocada pelo estilo de vida e as formas de produção e consumo predominantes na sociedade. A humanidade está na iminência de se tornar o agente de um novo evento ambiental cataclísmico, sendo desta vez, simultaneamente, o asteroide e os dinossauros.

A vida selvagem (não humana) está em perigo diante do crescimento das atividades antrópicas e o aquecimento global e a 6ª extinção em massa das espécies coloca em perigo a civilização e suas conquistas. Existe uma urgência para se adotar ações imediatas para evitar o colapso ecológico e civilizacional.

Diante da dimensão das duas grandes ameaças vitais (Alves, 2019), todos os problemas particulares e específicos serão subsumidos pela emergência climática e ambiental. Desta forma, a contradição central do século XXI será, cada vez mais, a oposição entre “capital antrópico” e o “capital natural” (Alves, 2015).

marxismo foi construído sobre o pilar da contradição “capital versus trabalho”. Por conta disto, Rosa Luxemburgo lançou a palavra de ordem “Socialismo ou Barbárie”. Acontece que o capitalismo e as forças do progresso civilizacional foram capazes de ampliar o bem-estar da população mundial (aumento e diversificação da cesta de consumo, avanço da educação, redução da mortalidade infantil, aumento da esperança de vida, etc.), evitando a barbárie, enquanto “selvageria social”. O próprio “socialismo de mercado” da China e do Vietnã segue a mesma linha de aumento das forças produtivas às custas do empobrecimento do meio ambiente.

Assim, existe um paralelo entre os lemas: “Socialismo ou Barbárie” e “Rebelião ou Extinção”. A diferença é que o contraponto antropológico e social entre barbárie e civilização – inspirada na obra de Lewis Morgan e propagada por Friedrich Engels – ficou superada pela contradição entre civilização (capitalismo ou socialismo real) e extinção da vida na Terra. Portanto, o movimento “Rebelião ou Extinção” foca na emergência climática e ambiental e mostra que precisamos adotar novos estilos de vida que sejam compatíveis com o equilíbrio homeostático do Planeta.

A primeira tarefa é a rebelião contra o imperativo do crescimento econômico sustentado e infinito em um Planeta finito e contra o estilo de vida que degrada a saúde dos ecossistemas e provoca a 6ª extinção em massa das espécies. A rebelião vai além e engloba as questões das lutas de classes, das lutas identitárias e da oposição entre mercado e Estado. Trata-se de um movimento global para resistir contra uma ameaça existencial que é cada vez mais iminente. Rebelar a favor da vida (humana e não humana) e contra a extinção, conjugando direitos humanos, direitos dos animais e direitos da natureza.

O movimento “Rebelião ou Extinção”, inspirado nas ideias de Henry Thoreau (1817-1862), utiliza a resistência pacífica (não-violenta) e a desobediência civil para engajar as pessoas na luta contra o colapso climático e ambiental, evitando o holocausto ecológico e o risco de extinção da raça humana e demais espécies. O objetivo do movimento “Rebelião ou Extinção” é exercer pressão sobre os governantes e fortalecer a sociedade civil no sentido de enfrentar a maior crise ambiental do Holoceno.

A “Rebelião ou Extinção” se baseia no fato, cientificamente estabelecido, de que a humanidade não está apenas destruindo o ambiente natural, mas também, na trajetória atual, caminhando para a extinção em um futuro não muito distante. Assim, urge conscientizar as autoridades a tomar ações drásticas e mudar de rumo do desenvolvimento enquanto ainda seja possível.

O grupo Rebelião ou Extinção tem três demandas centrais: 1) que o governo “conte a verdade à população declarando uma emergência climática e ecológica”; 2) que o governo “zere as emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2025”; 3) que o governo “crie uma assembleia popular, formada por cidadãos comuns e escolhidos aleatoriamente, e siga suas decisões sobre o meio ambiente”.

Abaixo segue a “Declaração de apoio dos cientistas à ação direta não violenta contra a inação dos governos diante das mudanças climáticas e da emergência ecológica”:

Eis a declaração.

“Esta declaração expõe o consenso científico atual relativo à emergência climática e ecológica e destaca a necessidade de ação urgente para evitar danos adicionais e irreversíveis à habilidade do nosso planeta.

Como cientistas, dedicamos nossas vidas ao estudo e compreensão do mundo e nosso lugar nele. Declaramos que as evidências científicas mostram, além de qualquer dúvida razoável, que as mudanças causadas por humanos nos solos, no mar e no ar da Terra estão ameaçando severamente a habitabilidade do nosso planeta. Declaramos ainda que evidências esmagadoras mostram que, se as emissões globais de gases de efeito estufa não forem reduzidas rapidamente para zero líquido e a perda de biodiversidade não for interrompida, corremos o risco de danos catastróficos e irreversíveis aos nossos sistemas planetários de suporte à vida, causando sofrimento humano incalculável e muitas mortes.

Observamos que, apesar de a comunidade científica ter soado o alarme do aquecimento global causado pelo ser humano há mais de quatro décadas, nenhuma ação dos governos até o momento foi suficiente para deter o aumento acentuado das emissões de gases de efeito estufa, nem abordar a perda cada vez maior da biodiversidade. Portanto, pedimos uma ação imediata e decisiva dos governos em todo o mundo para reduzir rapidamente as emissões globais de gases de efeito estufa para zero líquido, evitar mais perdas de biodiversidade e reparar, na máxima extensão possível, os danos que já foram causados. Apelamos ainda aos governos para que prestem apoio particular àqueles que serão mais afetados pelas mudanças climáticas e pela transição necessária para uma economia sustentável.

Como cientistas, temos uma obrigação que se estende além da simples descrição e compreensão do mundo natural, para participar ativamente da proteção. Observamos que a comunidade científica já tentou todos os métodos convencionais para chamar a atenção para a crise. Acreditamos que a contínua inação governamental sobre a crise climática e ecológica justifica agora protestos pacíficos e não-violentos e ação direta, mesmo que isso vá além dos limites da lei atual.

Portanto, apoiamos aqueles que se levantam pacificamente contra governos de todo o mundo que não conseguem agir, proporcionalmente, à escala da crise.

Acreditamos que é nosso dever moral agir agora e instamos outros cientistas a se juntarem a nós para ajudar a proteger o único lar da humanidade”.

Nota sobre o símbolo da “Extinction Rebellion”: O círculo significa o planeta, enquanto a ampulheta dentro serve como um aviso de que o tempo está se esgotando rapidamente para muitas espécies. Atualmente, o mundo está passando por um evento de extinção em massa e esse símbolo visa ajudar a aumentar a conscientização sobre a necessidade urgente de mudança, a fim de enfrentar esta crise.

Estima-se que entre 30.000 e 140.000 espécies sejam extintas a cada ano no que os cientistas denominaram Holoceno, ou Sexta Extinção em Massa. Esse processo contínuo de destruição está sendo causado pelo impacto da atividade humana. É provável que uma perda catastrófica de biodiversidade cause um colapso generalizado do ecossistema e, consequentemente, torne o planeta inabitável para os seres humanos.

 

Referências:

ALVES, JED. A crise do capital no século XXI: choque ambiental e choque marxista. Salvador, Revista Dialética Edição 7, vol 6, ano 5, junho de 2015. Leia aqui.

ALVES, JED. A vida na Terra tem duas ameaças vitais: mudanças climáticas e ecocídio, Ecodebate, 19/06/2019. Leia aqui.

Alice O’Keeffe. This Is Not a Drill review – an Extinction Rebellion handbook, The Guardian, 07/08/2019. Leia aqui.

Declaração de apoio dos cientistas à ação direta não violenta contra a inação do governo diante das mudanças climáticas e a emergência ecológica, 2019. Leia aqui.

Extinction Rebellion (XR)

Ver a imagem de origem

 

José Eustáquio Diniz  Alves

 

Fonte: IHU / Noticias/ http://www.ihu.unisinos.br/594014-declaracao-de-apoio-dos-cientistas-ao-movimento-rebeliao-ou-extincao

 

 

 

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>