De um Chile desperto a um Brasil hibernando

Luís Alberto Gomez de Souza -24/10/2019 – Foto: Protesto em Santiago – Chile / Carlos Figueroa – Wikicommons – Daqui

“Onde estão as forças progressistas e os chamados movimentos sociais? Com isso, um governo sem rumo se mantém pela inércia e um presidente incapaz pode andar passeando pelo mundo sem que nada aconteça. Como sair da anomia? Desafio para partidos e entidades opositoras”, escreve Luiz Alberto Gomez de Souza, sociólogo.

“O PT e outras forças tendem a encerrar-se na miopia redutiva de “Lula livre“, outros pensam basicamente em vencer as próximas eleições municipais. Onde propostas de dimensões e ambições ao nível de um país que está sendo sucateado, do pré-sal a privatizações a rodo?”, pergunta o sociólogo, denunciando que “na ausência de alternativas a política parece vegetar numa calmaria anestesiada”.

 

Eis o artigo.

Impressionante a enorme multidão no centro de Santiago neste 23 de outubro. Para os que vivemos no Chile durante a Unidade Popular, não podemos deixar de recordar o entusiasmo do primeiro de maio de 1972 na Praça Itália. Trata-se agora de um plebiscito de fato, contra uma política neoliberal que foi apresentada entre nós como exemplo pela equipe de Guedes e que naufragou também na Argentina de Macri.

Um tremendo contraste: a reforma de previdência que castiga os mais pobres foi aprovada em Brasília com o assustador silêncio e indiferença das ruas brasileiras. Onde estão as forças progressistas e os chamados movimentos sociais? Com isso, um governo sem rumo se mantém pela inércia e um presidente incapaz pode andar passeando pelo mundo sem que nada aconteça. Como sair da anomia? Desafio para partidos e entidades opositoras.

PT e outras forças tendem a encerrar-se na miopia redutiva de “Lula livre“, outros pensam basicamente em vencer as próximas eleições municipais. Onde propostas de dimensões e ambições ao nível de um país que está sendo sucateado, do pré-sal a privatizações a rodo? Na ausência de alternativas a política parece vegetar numa calmaria anestesiada.

Na história, às vezes, basta uma fagulha concreta – do preço dos transportes à indignação por uma saúde em decomposição – para despertar forças aparentemente hibernando.

Sempre tratei de manter a esperança numa frente ampla nacional, popular e democrática. No momento atual não posso deixar de expressar uma certa perplexidade.

“A história não caminha ao ritmo de nossa impaciência”, escreveu o poeta espanhol Antonio Machado, ao partir para o exílio no final da guerra civil.

Mas é do Chile que vem o alento com Salvador Allende, em sua última e comovente alocução pelo rádio, despedindo-se de seu povo:

La historia es nuestra, la hacen los pueblos”.

E antevia então o que está acontecendo agora nas ruas de Santiago:

Volverá el pueblo a las grandes alamedas”.

Porém entre nós: quando?

Resultado de imagem para Luís Alberto Gomez de Souza

Luís Alberto Gomez de Souza

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/593749-de-um-chile-desperto-a-um-brasil-hibernando

 

Leia mais:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>