“Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

Chris Hughes ataca o controle unilateral sobre a liberdade de expressão que confere enorme poder a seu ex-sócio    Mark Zuckerberg, que pode monitorar, organizar e até censurar as conversas de dois bilhões de pessoa.

 

Foto:    Chris Hughes / IHU  / Max Souffriau flickr

 

Alfredo JalifeRahme – 16 Outubro 2019

Chris Hughes, cofundador do Facebook junto com o seu, hoje, onipotente e único patrão, Mark Zuckerberg – que controla 60% das ações -,
  • publicou um extenso artigo no jornal The New York Times,
  • onde pede ao governo que quebre seu monopólio
  • porque sua influência é assombrosa, muito além da de qualquer pessoa no setor privado ou no governo,
  • uma vez que “controla três plataformas essenciais de comunicação (FacebookInstagram e WhatsApp),
  • que bilhões de pessoas usam todos os dias”.

A reportagem é de Alfredo JalifeRahme, publicada por La Jornada, 12-10-2019. A tradução é do Cepat.

 

O apóstata Chris Hughes aborda a história da União Europeia contra os monopólios (leis antitruste), toca tangencialmente o escândalo da Cambridge Analytica (obrigada à sua autoextinção) e alerta sobre a ameaça à democracia representada pela tríade Facebook/Whatsapp/Instagram.

Coincidentemente, “Bajo la Lupa” havia abordado “Como vencer as eleições com o WhatsApp do Brasil à Índia”.

Chris Hughes dispara que seu ex-sócio sempre buscou o domínio nas redes e avalia que conseguiu majoritariamente, pois vale 500 bilhões de dólares e domina (sic) mais de 80% da renda das redes sociais no mundo. Constitui um poderoso monopólio que ofusca todos os seus rivais e apaga a concorrência nas redes sociais. Cita que 70% dos adultos nos Estados Unidos usam redes sociais, dos quais a grande maioria são produtos do Facebook.

 

Imagem : Facebook, Instagram e WhatsApp controlam comunicações de mais der dois bilhões de pessoas  / Daqui

 

Chris Hughes argumenta que a onipotência de seu ex-sócio Mark Zuckerberg

  •  é 8,35 vezes maior no restante do mundo que na própria União Europeia (51%).
  • Seu domínio afeta também a democracia incipiente de outros 420 milhões de usuários no restante do mundo (18,92% da população mundial, sem a União Europeia!).
  • A propósito, no México, onde não há regulamentação ou legislação a esse respeito, possui 63,7% de usuários inofensivos do Facebook.

O apóstata Chris Hughes confessa uma frase imperdível, que

  • o domínio do Facebook não é um acidente histórico,
  • mas, ao contrário, contou com a “aprovação tácita – e às vezes explícitas – do governo (super-sic!) e de seus reguladores”. Ufa!

No meio de sua opacidade, sua falta de prestação de contas à opinião pública e ao governo, e o crescente mal-estar coletivo pelo atentado à privacidade, Chris Hughes

  • ataca o controle unilateral sobre a liberdade de expressão
  • que confere enorme poder a seu ex-sócio Mark Zuckerberg,
  • que pode monitorar, organizar e até censurar as conversas de dois bilhões de pessoas,
  • graças aos algoritmos opacos (sic) escolhidos por seus engenheiros,
  • que selecionam os comentários e experiências de seus usuários e definem a liberdade de expressão ou o discurso de ódio.

Em minha avaliação, o mais grave é que

  • esses algoritmos opacos sejam criados ou censurados pelos conhecidos misantropos do planeta
  • fora da vigilância e/ou do controle cidadão e dos governos dos Estados Unidos e do mundo inteiro.

O mais dramático é que

  • a esmagadora maioria, se não todos, do Conselho Diretivo do onipotente Moloch tecnológico do GAFAT (GoogleAppleFacebookAmazonTwitter)
  • nunca teve um assento por eleição popular.

Um ponto transcendental abordado por Chris Hughes está na preocupação de alguns (sic) de que

  • a atomização do Facebook e de outras transnacionais de tecnologia dos Estados Unidos
  • possa ser um problema para a Segurança Nacional,
  • já que os avanços em Inteligência Artificial exigem imensas quantidades de dados e poder computacional,
  • quando apenas grandes empresas transnacionais, como FacebookGoogle e Amazon, podem procurar tais investimentos.

Se as transnacionais dos Estados Unidos ficarem menores, os chineses vão nos ultrapassar,

  • alega Chris Hughes, ligado a Obama e aos Clinton,
  • e que escapa de apontar que o megaespeculador George Soros foi sócio do Facebook
  •  e evita sequer tocar com uma pétala de rosa o apadrinhamento do Pentágono a todo o GAFAT
  • mediante sua invenção da Internet com seu setor DARPA,
  • que hoje se consolidou com o seu segmento Defense Innovation Board (DIB), presidido por Joshua Marcuse.

 

Imagem relacionada

 

Alfredo JalifeRahme 

Fonte:  http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/593488-facebook-ameaca-a-democracia-adverte-chris-hughes-cofundador-da-rede-social

 

Leia mais:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>