Porquê um tão longo silêncio (II) – Clericalismo, abuso do poder e ausência de debate

| 13 Ago 19

Foto: Os casos de abuso sexual na Igreja Católica. Ilustração © Christian Seebauer/Wikimedia Commons

Tradução: Florbela Gomes 

Na segunda parte do seu texto (cujo primeiro capítulo se pode ler aqui), Ignace Berten analisa as causas do manto de silêncio com que a hierarquia da Igreja Católica tentou esconder as práticas de abusos sexuais.

A Igreja, por meio dos seus atores institucionais, faz questão de manter a sua imagem de guardiã da ordem moral da sociedade e da influência que deseja ter nesse campo.

O autor, padre dominicano belga e teólogo, aponta o clericalismo católico como um dos elementos mais decisivos da atual conjuntura eclesial e traça um percurso para enfrentar a crise.

 

A Igreja, a todos os níveis, é uma instituição e, como qualquer instituição, protege-se:

  • sabemos, mas não queremos dizer nada, não queremos saber,
  • porque isso prejudicaria a imagem da instituição, neste caso, a imagem da Igreja,
  • tanto entre os fiéis como na sociedade em geral.

Esse silêncio é baseado em redes internas de cumplicidade: isso ficou muito claro no Chile. Mas a Igreja, por meio dos seus atores institucionais, faz questão de manter a sua imagem de guardiã da ordem moral da sociedade e da influência que deseja ter nesse campo. Ela tem medo de perder o seu crédito social e cultural, e faz questão de manter a sua autoridade sobre os fiéis. Mas este medo de ver o problema e reconhecê-lo, medo de torná-lo público, colocando um manto sobre a realidade, tem um efeito exatamente oposto ao desejado.

Quando as coisas vêm à luz do dia por causa de processos externos à própria Igreja, especialmente quando a justiça civil e os jornalistas se envolvem, o descrédito é maior e mais brutal. Isso é evidente hoje.

  • Essas práticas gravemente imorais, que envolvem não só padres e religiosos, mas também bispos e cardeais,
  • desacreditam profundamente na opinião pública e entre os fiéis o rigoroso discurso da Igreja, especialmente no domínio sexual.
  • E, mais amplamente, esta revelação quebra a confiança na Igreja e leva alguns católicos a distanciarem-se publicamente.

Nos últimos tempos e em determinados países tem havido um considerável aumento no número de pessoas que pedem que os seus nomes sejam riscados dos registros batismais (fenómeno de “desbatismo”). O silêncio desejado e organizado desacredita talvez mais a Igreja como instituição do que as próprias práticas criminosas.

  • Essa preocupação com a imagem teve consequências dramáticas,
  • em particular o facto de não levar a sério o sofrimento das vítimas,
  • a incapacidade de realmente ouvirem o que se passa.

Isso também resultou na incapacidade de tomar as decisões necessárias:

  • os padres ou os clérigos foram discretamente transferidos sem qualquer preocupação com o que fariam na sua nova posição e sem aplicar sanções reais,
  • e acima de tudo evitamos ouvir rumores sem denunciar os culpados à justiça civil.

Sem dúvida também, muitos bispos ou superiores religiosos não estavam cientes (não mais do que os fiéis) da extensão do problema (era apenas um caso lamentável para nós, mas não falamos sobre isso com outros bispos ou superiores). E quando as coisas chegavam a Roma (em que proporção?): especialmente sem barulho!

Ninguém imaginou a real extensão do drama tal como ele é hoje.

O caráter propriamente eclesial da crise

Há uma outra dimensão institucional, uma dimensão propriamente eclesial, que reforça o problema da gestão da pedofilia e dos crimes sexuais na Igreja. Penso que devemos destacar três aspetos desse problema institucional propriamente eclesial.

— A sacralização do sacerdote mantida pela Igreja

(o simbolismo da liturgia da ordenação é muito expressivo a este respeito pelas suas referências ao culto do Templo, referências no entanto mitigadas, no ritual promulgado por Paulo VI em relação ao ritual pré-conciliar), como figura de autoridade intocável.

O sacerdote sacralizado é representante de Deus, ele é, diz o ritual da ordenação, “configurado a Cristo, sacerdote soberano e eterno”e, portanto, revestido da sua autoridade. Ele inspira confiança e respeito. O clero da Igreja Católica instituiu-se de facto como uma casta intocável, acumulando os privilégios de honra social e religiosa, do respeito e do poder.

Como resultado, a grande maioria dos envolvidos mantiveram-se calados:

  • não se atreviam a falar sobre isso, especialmente
  • porque temiam que a vergonha recaísse sobre eles.

Quando uma minoria tentava ser ouvida, não quiseram acreditar nela ou não quiseram ouvi-la.

E quando,

  • apesar de todos os factos serem comprovados,
  • procurámos que as vítimas se calassem,
  • até mesmo comprar o seu silêncio.

Isso contribuiu em grande parte para a ocultação do problema e do drama.

— O clericalismo denunciado por Francisco

(mas vai longe o suficiente?): o sistema de autoridade na Igreja

  • é exclusivamente exercido por padres solteiros,
  • exercendo a tempo inteiro e sendo de ordenação vitalícia,
  • contribuindo esse estatuto para a sua sacralização.

Sem dúvida, esse estatuto do padre colocado num pedestal está profundamente erodido, pelo menos nas nossas regiões, e a sua autoridade é questionada.

Mas acontece que ele ainda tem de facto o poder.

  • Há muitos exemplos de paróquias em que um padre inspirou uma equipa dinâmica de leigos no sentido de uma verdadeira corresponsabilidade,
  • e um novo padre é nomeado para declarar claramente que ele é o padre e que é o único a decidir.
  • Em poucos meses, praticamente todos os leigos envolvidos abandonaram a paróquia.

Há aqui um claro abuso de poder precisamente porque o padre local tem o poder e somente ele. E as queixas dirigidas ao responsável regional (decano ou outro) e ao bispo permanecem sem qualquer efeito.

  • Os leigos em geral, e as mulheres em particular,
  • estão excluídos da gestão do problema suscitado pela pedofilia ou abusos sexuais cometidos por padres,
  • como aliás estão excluídos de todas as questões importantes dentro da Igreja: a Humanae Vitae foi um exemplo eloquente.

Daí a incapacidade de medir a profundidade e a amplitude do drama. É, portanto, necessário restaurar radicalmente a questão da autoridade, do poder e, portanto, dos ministérios na Igreja: o drama revela os efeitos destrutivos para toda a comunidade cristã desta forma ossificada de ministério, seja qual for a qualidade humana e a santidade de muitos padres, religiosos ou bispos.

— O facto de que tudo o que diz respeito à sexualidade tem sido objeto de desconfiança e má reputação na Igreja.

  • Esta, apesar dos belos discursos (a teologia do corpo de João-Paulo II),
  • mostra a sua incapacidade de realmente levar em conta esta dimensão que toca toda a vida humana.

Este manto colocado sobre esta dimensão

  • foi favorecido pelo tabu desse tema na própria sociedade marcada por um certo puritanismo muito significativo no século XI e até há não muito tempo atrás.
  • Mas a sociedade mudou neste ponto!
  • É urgente que a Igreja abra um espaço de livre debate e reflexão neste campo ético fundamental, um debate em que todos tenham voz.

Está ligado a este assunto a questão do celibato imposto aos padres e a exclusão das mulheres do ministério e dos lugares reais de poder.

O celibato

  • não é a explicação ou a causa da pedofilia:
  • é um elemento de um todo e a questão deve ser aberta.

Mas também há questões em torno da homossexualidade. O Papa apela à sinodalidade, isto é, à participação de todos, para que todos possam ter voz no espírito de Vaticano II a que ele se refere constantemente.

Esta grande crise é agravada

  • pelas lutas de poder na Igreja, na cúria (Francisco também a denunciou com rigor)
  • e em alguns episcopados nacionais (nos Estados Unidos, por exemplo).

Golpes baixos, declarações públicas incendiárias, manobras encobertas: tudo parece permissível para desestabilizar e desacreditar o Papa. A carta aberta de Viganò atesta isso, ao misturar factos reais, mentiras deliberadas, silêncios calculados, suspeitas sobre pessoas…

Certamente Francisco comete erros, a espontaneidade da sua palavra às vezes engana-o (quando afirma, por exemplo, que os pais que descobrem a homossexualidade de um dos seus filhos devem consultar um psiquiatra; o psiquiatra, por profissão, só trata de doenças…). Mas ele é uma das únicas grandes autoridades morais de hoje. E os seus erros podem contribuir a não idealizar a sua autoridade.

 

Enfrentar a crise

Como lidar com tal desmoronar,

  • quando somente a ponta do iceberg aparece hoje,
  • e é óbvio que outros factos virão à luz, que haverá outras revelações noutras dioceses, noutros países?

Como enfrentar o fenómeno de omertà que tem surgido em todos os níveis da Igreja, e que continua a existir em certos lugares?

É necessário querer ir ao final da análise deste cancro que atormenta a Igreja. Na sua carta ao povo de Deus, Francisco afirma explicitamente que “é impossível imaginar uma conversão da ação eclesial sem a participação ativa de todos os elementos do povo de Deus.”

Esta participação ativa tem muitas implicações.

  • No que diz respeito à questão específica da pedofilia ou outros abusos sexuais de que os padres são culpados,
  • é necessário encorajar as vítimas ou os seus parentes a recorrer aos tribunais o mais rápido possível.

Da sua parte,

  • os bispos ou superiores religiosos informados devem transmitir as informações ou acusações ao sistema de justiça civil;
  • respeitar e apoiar o trabalho da justiça e colaborar plenamente, sem procurar proteger-se.

Progressos significativos foram feitos neste sentido, com o apoio muito claro de Roma, mas este não é o caso em todos os lugares. A Igreja na Bélgica tem funcionado bem e hoje, felizmente, está clara neste assunto (há, porém, a mesma clareza em todas as ordens religiosas e congregações?):

  • a Comissão Parlamentar Adriaenssens

“sobre o tratamento de abusos sexuais e pedofilia num relacionamento de autoridade, especialmente dentro da Igreja” (2010-2011)

fez um excelente trabalho e a Igreja colaborou plenamente.

  • O mesmo é verdade noutros países como a Holanda,
  • mas isso está longe de ser o caso em todo o lado.

E devemo-nos perguntar: por que essas posições claras e corajosas são tão recentes? Por que não há trinta ou quarenta anos atrás?

Em relação à responsabilidade dos bispos e superiores religiosos, a verdadeira transparência deve ser implementada. O Papa Francisco é muito claro sobre esse requisito. A transparência é hoje um requisito ético para todos os lugares de poder na sociedade e, claro, na Igreja.

  • Deve enfrentar-se a difícil questão de abrir os arquivos das dioceses ou das ordens religiosas para que se possa analisar a forma como as queixas foram tratadas.
  • No presente contexto, a destruição de parte desses arquivos pode ser considerada uma falha grave,
  • mesmo que não se refira diretamente à pedofilia: o próprio facto do ato de destruição gera suspeitas.

Mas isso também implica um grande rigor deontológico:

  • esses arquivos contêm várias informações que dizem respeito à vida privada das pessoas,
  • com informações que nada têm a ver com a questão da pedofilia ou do abuso sexual.

O que é amplamente questionado hoje em dia

  • não é apenas o facto dramático da pedofilia e de outros abusos sexuais,
  • é a negação da responsabilidade de muitos bispos e de Roma,
  • é o silêncio sobre o que eles sabem, entre outras coisas sobre outros bispos irmãos:

sobre este assunto houve um verdadeiro omertà na Igreja.

Os bispos devem ser responsabilizados publicamente (accountability) pela forma como trataram as queixas que lhes foram dirigidas. Nestas circunstâncias,

  • é óbvio que não pode pertencer a uma comissão constituída única ou principalmente por bispos
  • para avaliar a responsabilidade ou a irresponsabilidade dos bispos envolvidos;
  • a presidência e os poderes legais devem necessariamente ser não-clericais.

Provavelmente não é suficiente obter a demissão dos bispos envolvidos:

  • não deveria haver um procedimento que pudesse “reduzi-los” ao simples estado presbiteral,
  • excluindo-os de qualquer responsabilidade ministerial
  • ou nos casos mais graves, pronunciar a privação do estado clerical (termo atualmente usado pela lei canónica em vez de redução ao estado leigo)?

O cardeal McCarrick foi privado do seu estatuto de cardeal, uma medida excecional na Igreja, mas será suficiente em relação à gravidade das acusações registadas contra ele? [Nota: em fevereiro de 2019, o ex-cardeal foi demitido do seu estado clerical]

(CONTINUA…)

 

1 comment to Porquê um tão longo silêncio (II) – Clericalismo, abuso do poder e ausência de debate

  • PEDRO NOGUEIRA MIRA

    A IGREJA, INSTITUIÇÃO, ESTÁ COMO BARCO À DERIVA. FRANCISCO, EMBORA SE ESFORCE POR MINORAR AS IMPERFEIÇÕES DA INSTITUIÇÃO, NÃO ENCONTRA APOIO DENTRO DO “GRUPO DE CARDEAIS’. PODE TER APOIO NA EQUIPE QUE O ASSESSORA. PODE SER EXAGERO, MAS VEJO FRANCISCO – BISPO DE ROMA – COMO ALGUÉM QUE ESTÁ TENDO SEU MOMENTO DE GETSEMANI. COMO DEVE SOFRER COM AS DEFICIÊNCIAS DA INSTITUIÇÃO. HÁ ALGUM TEMPO A IMPRENSA NOTICIOU QUE UM CARDEAL TERIA SE APOSSADO DE UM VOLUME SIGNIFICATIVO DE EUROS. QUE ELE TERIA DEVOLVIDO UMA PARTE. NÃO SE TEM NOTÍCIA DE QUE ESTE CARDEAL TENHA SIDO PUNIDO PELA INSTITUIÇÃO.
    O CELIBATO É FATO HISTÓRICO E NOTÓRIO É UMA IMPOSIÇÃO QUE ACONTECEU POR PARTE DA IGREJA INSTITUIÇÃO. NÃO É ALGO QUERIDO E DESEJADO PELO JESUS DE NAZARÉ. BASTA LERMOS COM DISPOSIÇÃO DE ACOLHER A PALAVRA A ESCOLHA FEITA POR JESUS, 72 DISCÍPULOS NO INÍCIO E DESTES 12 PARA SEREM PROPAGADORES DA MENSAGEM DO REINO.
    OREMOS PARA QUE DEUS POSSA DAR FORÇA E APOIO AO FRANCISCO. ESTE SABE DE SUA RESPONSABILIDADE. POR ISTO NA NOITE DE SUA ESCOLHA ELE PEDIU ÀS PESSOAS QUE SE ENCONTRAVAM NA PRAÇA SÃO PEDRO: “OREM POR MIM, ANTES DE DAR A BÊNÇÃO DE DEUS”. SEMPRE SE PERCEBE QUE ELE ACREDITA NO VALOR DA ORAÇÃO. POR ISTO ESTÁ SEMPRE A PEDIR: “REZEM POR MIM”

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>