Padres casados espanhois, diante do Sínodo da Amazônia: entre a esperança e a decepção

 

El Papa, con un grupo de curas casados

Jesús Bastante – 22.06.2019  

Foto: O papa, com um grupo de padres casados nos arredores de Roma / RD

Tradução: Orlando Almeida

Ramón Alario, Tere e Andrés ou Julio Pinillos e Emília Robles, lideranças históricas doMovimento para Celibato Opcional (MOCEOP)  fazem reflexão sobre o celibato e os ‘viri probati’

Para nós tem sabor de pouco. Soa como remédios caseiros e pontuais”, lamentam Tere e Andrés, do MOCEOP.

 

“Esperança de baixa intensidade”.

É assim que Andrés e Tere, o Movimento para Celibato Opcional (MOCEOP), receberam o anúncio de que o Sínodo da Amazônia incluirá, pela primeira vez na história contemporânea da Igreja, um pedido explícito ao Papa: a ordenação sacerdotal de homens casados. Em princípio, um pedido muito específico para a Amazônia, mas que, se aprovado, não tardará a chegar a outros rincões da Igreja.

“Parece-nos que é um passo adiante, algo positivo pelo simples fato de ser apresentado. Nota-se o espírito de Francisco”,

 observa este casal, que há décadas luta para acabar com omuro intransponível”que ainda hoje considera que o sacerdócio é apenas para homens celibatários.

“Fazer com que a pesada engrenagem da organização eclesial saia da sua imobilidade tradicional é motivo de esperança, embora isso se dê por razões de necessidade e subsistência. Parece-nos que é

  • um começo de algo mais,
  • uma tentativa de abrir caminhos novos e necessários”,

ressaltam Tere e Andrés,que, no entanto, lamentam que a possível solução  “nos soe como recurso a remédios caseiros e pontuais.

 

Tere y Andrés, del MOCEOP

Andrés e Tere / Religión Digital

“Para nós tem sabor de pouco. Temos que ir mais longe”, acrescentam, para acabar com as “excepcionalidades”.

 Além disso,

“parece-nos  estridente e discriminatório

  • propor a ordenação de “viri probati”
  • e não de “mulieres probatae”
  • quando nas comunidades cristãs, não só nas “remotas” mas em todas, as mulheres são as grandes colaboradoras”.

 Por sua vez, no MOCEOP se perguntam se é necessário “ordenar”, ou seja, “conceder a ordem sacerdotal” a pessoas específicas.

“Parece-nos melhor que

  • as comunidades escolham e designem as pessoas idôneas para os diferentes ministérios de que precisam
  • e que, então, a autoridade eclesiástica (bispos, Papa) as habilite para essa missão.

 A ordenação traz consigo um adicional de casta e poder que não é necessário numa comunidade de iguais. Isso reforça o clericalismo, que o próprio Francisco denuncia”.

“Como membros do MOCEOP,

  • sentimo-nos igualmente esperançosos, de que algo da nossa longa luta tenha servido,
  • mas estamos desgostosos com o fato de que a obrigação do celibato continue sendo um muro intransponível. 

Do que terá tanto medo a hierarquia? Será que sem padres celibatários a Igreja entra em colapso?“,

perguntam Andrés e Tere, que no entanto acreditam que” o Espírito sopre mais e seja ouvido melhor”.

 

Julio Pinillos: A primazia da comunidade

Por sua parte, José Julio Pinillos, um histórico padre operário, casado e com filhos, que continua a exercer como sempre foi, um sacerdote da Igreja, vê indícios de que o Sínodo “vai recuperar a importância da comunidade, nascida e comprometida decididamente com seu hábitat e o seu ambiente”, com base em “um Evangelho vivo, meditado e celebrado com calor; acostumada a decidir em grupo e junto com líderes naturais”.

Pinillos

Foto: Julio Pinillos e Emilia Robles / Religion Digital

Pinillos está bastante mais otimista do que os seus companheiros, e augura uma “nova forma de ministros” na Igreja, organizados como “servidores da comunidade” por sua maneira de ser e de servir; “que ganham a vida com o seu trabalho, com as suas próprias família e casa – se o casal o vê assim”;

que vêm das suas  próprias comunidades, corresponsáveis com toda ela ​​e com capacidade de tomar decisões em equipe“.

Diante da Velha Europa, reflete:

  • “…teremos que esperar; e, enquanto isso,  procurar que se vá tornando realidade um tipo de comunidade onde haja diálogos e   consensos”,
  • e na qual “cada vez mais se sinta que a Igreja é toda ela ministerial-servidora e que nenhum ministério tem que estar ligado ao poder;
  • longe do clericalismo, em linha com o Vaticano II e o papa Francisco”.

 

Ramón Alario: Uma solução limitada e de curto prazo

Por fim, Ramón Alario, que foi padre durante 13 anos e agora vive, como padre casado, “felizmente secularizado”, recebeu o anúncio “com uma mistura de agrado e decepção”. Assim, ele considera que com o Instrumentum Laboris “se abre uma porta no fechamento que impera em torno do coletivo clerical (masculino e celibatário), isso sempre trará certo avanço”, mas “mais se perde uma grande oportunidade para abordar o tema da falta de servidores da comunidade de crentes em Jesus de Nazaré com toda a radicalidade que o problema merece”.

 

Ver a imagem de origemRamon Alario / Periodista Digital

A possibilidade de abrir o sacerdócio aos homens casados ​​na Amazônia é

uma solução de curto prazo e muito limitada: de uma igreja que continua a pensar e a viver em torno da hierarquia”,

e continua sem contar a comunidade. Por várias razões:

  • “Ignora-se toda a experiência crente acumulada pelos movimentos de padres casados ​​existentes no mundo todo. 
  • Nem fomos consultados nem se levou em conta a nossa contribuição, que vai muito mais a fundo questionando todo um  estilo de vida e de ministério mais focado na vida do que no culto” 

Em segundo lugar, porque

“não se rompe essa barreira gerada em torno do padre,

  • que o transforma num ser à parte,
  • selecionado e dedicado por toda a vida às coisas do espírito.

 Mantem-se, consequentemente,

  • esse status superior do padre, dotado de poder,
  • que dá lugar e fundamenta o clericalismo
  • e que tanto mal faz à comunidade eclesial (abusos, pedofilia, manipulação…)”.

 

Dois tipos de padres: ‘os de verdade’ e os da ‘Segunda Divisão’

Com muita probabilidade, prevê ele,

“vai abrir-se nas comunidades uma dupla categoria de presbíteros:

  • os de verdade, por toda a vida, os celibatários, os preparados,
  • frente aos escolhidos para sair de uma situação de emergência, os casados, os da segunda divisão”. 

E, enquanto isso,

“a mulher continuará novamente com toda a certeza relegada a serviços ministeriais não ordenados, de terceira e de quarta categoria, por assim dizer”.

 

Resultado de imagem para jesus bastante

 

 

 Jesús Bastante

https://www.religiondigital.org/mundo/Curas-Sinodo-Amazonia-esperanza-decepcion_0_2133386647.html

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>