“É assustadora a bomba-relógio que temos pela frente”. 80% dos trabalhadores brasileiros são pobres e vivem com renda de até 1.700 reais

Entrevista especial com Waldir Quadros

 

Resultado de imagem para “É assustadora a bomba-relógio que temos pela frente”. 80% dos trabalhadores brasileiros são pobres e vivem com renda de até 1.700 reais. Entrevista especial com Waldir Quadros

Por: Patricia Fachin | 14 Junho 2019

Desempregados fazem fila por vaga | Foto: Portal Pebinha Cana de Açúcar

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Pnad Contínua, publicados recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, mostram que os estratos sociais mais pobres ainda estão sentindo os efeitos da recessão econômica que atingiu seu ponto mais alto em 2016.

Para medir e avaliar os impactos da crise, o economista Waldir Quadros analisa as condições de vida da população de baixa de renda divididas em três categorias gerais: “superior dos pobres”, que corresponde ao que alguns pesquisadores chamam de “baixa classe média”, “pobres” e “miseráveis”.

Segundo ele, “olhando os dados recentes, como o dado do último trimestre de 2018, percebe-se que 80% dos ocupados são classificados em alguma dessas categorias de pobres: 40% estão na camada ‘superior dos pobres’, 27% na camada dos ‘pobres’ e 13% na camada dos ‘miseráveis’”. Em termos de renda, informa, aqueles que estão na camada “superior dos pobres” têm uma renda média mensal de 1.700 reais, os “pobres” recebem 920 reais mensais e os “miseráveis”, 310 reais mensais.

Na entrevista a seguir, concedida por telefone para a IHU On-LineQuadrosmenciona que os dados da Pnad indicam que a crise econômica gerou ao menos três consequências: desempregoqueda da renda dos trabalhadores e aumento do número de desempregados com ensino superior completo.

“É assustadora a bomba-relógio que temos pela frente. Considerando os dados do quarto trimestre de 2018 da Pnad Contínua, é possível observar que dos 5,8 milhões de ocupados com ensino superior incompleto, 4,6 milhões são ‘pobres’. Mais grave ainda: 8,3 milhões de ocupados que estão classificados na categoria ‘pobres’ têm ensino superior completo.

Se juntarmos aqueles que têm ensino superior incompleto e aqueles que têm ensino superior completo, temos 12,9 milhões de trabalhadores ‘pobres’ com nível superior”, afirma. E adverte: “Isso significa confusão; esse pessoal não vai aceitar essa condição tranquilamente, porque eles foram fazer faculdade, boa parte pagando a mensalidade com o Fies, esperando uma melhora de vida, e agora não tem melhora”.

Segundo ele, os dados da Pnad Contínua revelam ainda que “tanto os desempregados quanto os ocupados que têm nível superior completo estão vivendo num nível social muito inferior, o qual é incompatível com o que se espera de alguém que tem ensino superior.

Waldir Quadros (Foto: Unicamp)

Waldir José de Quadros possui graduação em Economia pela Universidade de São Paulo – USP e mestrado e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, onde atualmente é professor associado do Instituto de Economia.

Todo mundo imagina que após concluir o curso superior é possível ao menos ir para a média classe média, mas não é o que está acontecendo no Brasil.

Então, o significado disso é uma profunda insatisfação. Aliás, esse quadro agrava a insatisfação e pode se encaminhar para uma revolta”.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Em 2017, o senhor informou que 5% da população, cerca de 11 milhões de pessoas, havia sofrido uma mobilidade descendente em 2015 por conta do aumento do desemprego e da queda da renda. Qual tem sido a situação de lá para cá? O que os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Pnad que o senhor monitora informam sobre a situação de desemprego, a queda da renda e o aumento da pobreza no Brasil?

Waldir Quadros – O IBGE mudou a metodologia da Pnad e desde 2012 está publicando a Pnad Contínua. Então, aquela série antiga de análises que eu fazia foi concluída em 2015, porque em 2016 o IBGE também mudou a metodologia que possibilita obter os dados sobre as famílias, e, sem agregar esses dados, não consigo analisar a mobilidade, como eu fazia antes.A Pnad Contínua melhorou muito, os dados estão melhores, mas há esse problema da quebra da série.

Diante disso, ainda não tenho o estudo de mobilidade social, mas com os dados disponíveis podemos caracterizar a crise que começa em 2015. Então, embora haja uma ruptura daquela série de análise, vou fazer uma estimativa aproximada dos dados de 2015.

IHU On-Line – O que os dados da Pnad Contínua mostram sobre a crise a partir de 2015?

Waldir Quadros – Os dados da Pnad Contínua desde 2012 mostram que o grande impacto no mercado de trabalho por causa da crise econômica ocorreu em 2016. O que acontece a partir de 2016?

  • Eu e vários outros professores estamos ajustando nosso olhar para analisar esse cenário de crise, porque até então trabalhávamos com uma perspectiva analítica daquele período anterior, que era de mobilidade ascendente e de progresso social.
  • Mas esse cenário mudou.

Por conta disso, a própria denominação da estrutura da minha pesquisa mudou:

  • não estou mais trabalhando com a categoria “baixa classe média”.
  • Estou chamando essa categoria de “camada superior dos pobres”, porque a crise está provocando um empobrecimento das estruturas sociais.
  • Porém continuo trabalhando com as categorias “alta classe média” e “média classe média”, que sempre foram os dois segmentos que de fato representam a classe média.

Além da categoria “camada superior dos pobres”, estou trabalhando com outras duas:

  • os pobres, que são a massa trabalhadora,
  • e os miseráveis.
  • Estamos analisando com mais atenção as camadas “superior dos pobres”, “pobres” e “miseráveis”.

Fazendo essa agregação e olhando os dados recentes, como os do último trimestre de 2018, percebe-se que

  • 80% dos ocupados são classificados em alguma dessas categorias:
  • 40% estão na camada superior dos pobres,
  • 27% na camada dos pobres
  • e 13% na camada dos miseráveis.

IHU On-Line – Qual é a renda média dos trabalhadores de cada um desses estratos?

Waldir Quadros – A camada “superior dos pobres” tem uma renda média mensal de 1.700 reais, os “pobres” recebem 920 reais mensais e os “miseráveis”, 310 reais mensais. Como se vê, a renda é consistente com a denominação.

 

 (Tabelas elaboradas pelo entrevistado)

 

O que aconteceu de 2015 para cá?

* Primeiro, o impacto imediato da crise foi em relação ao desemprego:

  • em 2015 houve um crescimento do desemprego de 26,5%. Esse desemprego imediato ocorreu após o ajuste do governo Dilma.
  • Em 2016, que foi o ano mais grave da crise, o aumento da taxa de desemprego foi de 37%,
  • em 2017 teve um crescimento de 13,5%
  • e em 2018 houve uma redução de 2,2%.

O grande fenômeno em termos de mercado de trabalho é o desemprego e este é o primeiro aspecto da crise.

* O segundo aspecto da crise no mercado de trabalho é o aumento da participação de trabalhadores autônomos, porque todo mundo que fica desempregado e vai procurar algum trabalho, acaba exercendo alguma atividade autônoma, como vendedor, motoboy etc. Esse percentual vem crescendo desde 2016.

 

*  Outro aspecto da crise mostra a estratificação social dos ocupados em família.

Se numa família há três ocupados, considero o membro que é mais bem remunerado, ou seja, a família é classificada a partir da situação do membro melhor remunerado.

  • Ao analisar a estratificação familiar dos ocupados, que é a visão mais ampla que temos,
  • fica claro que o grande baque para as famílias ocorreu em 2016,
  • quando houve uma grande retração na “alta classe média
  • e um crescimento de 2% nos “miseráveis”,
  • ou seja, nos dois extremos.

A estrutura piorou em 2016, que foi o grande ano da crise, e continua ruim até agora, já que não houve nenhuma melhora na economia.

Este é o cenário, mas há alguns agravantes:

  • quando olhamos os pobres ocupados — classificados nas três categorias que mencionei —,
  • observamos que existe uma grande parcela de trabalhadores com nível superior.

Então, é assustadora a bomba-relógio que temos pela frente. Considerando os dados do quarto trimestre de 2018 da Pnad Contínua, é possível observar que

  • dos 5,8 milhões de ocupados com ensino superior incompleto,
  • 4,6 milhões são “pobres”.
  • Mais grave ainda: 8,3 milhões de ocupados que estão classificados na categoria “pobres” têm ensino superior completo.

Se juntarmos

  • aqueles que têm ensino superior incompleto
  • e aqueles que têm ensino superior completo,
  • temos 12,9 milhões de trabalhadores “pobres” com nível superior.

Isso significa confusão; esse pessoal não vai aceitar essa condição tranquilamente, porque eles foram fazer faculdade, boa parte pagando a mensalidade com o Fies, esperando uma melhora de vida, e agora não tem melhora.

 

 

Na classe média pobre, há 9 milhões de pessoas que fizeram faculdade — concluíram ou estavam cursando — esperando passar para a média classe média, mas não terão essa oportunidade. Então, essa é uma situação que está represada e que tem um componente muito explosivo para a crise social. Entre todos os desempregados de todas as classes, 2 milhões têm nível superior; é muita gente, porque estamos falando de um número de 12,5 milhões de desempregados.

 

Em linhas gerais, essa é a síntese da análise que fiz.

Depois, fiz uma análise por ocupações, por regiões, mas chamo a atenção para a proporção de pobres e sobre esse novo olhar para a baixa classe média, porque está claro que há uma camada superior de pobres que continua sendo pobre. É um cenário difícil, que começou em 2015, surgiu com intensidade em 2016 e já estamos em 2019 e nada indica que o cenário vai melhorar. Então, é um cenário preocupante e, com certeza, neste cenário a mobilidade também sofreu. No geral,

IHU On-Line – Qual é o impacto social e cultural de ter um número significativo de pessoas com nível superior completo desempregadas?

Waldir Quadros – Tanto os desempregados quanto os ocupados que têm nível superior completo estão vivendo num nível social muito inferior, o qual é incompatível com o que se espera de alguém que tem ensino superior.

  • Todo mundo imagina que após concluir o curso superior é possível ao menos ir para a média classe média, mas não é o que está acontecendo no Brasil.
  • Então, o significado disso é uma profunda insatisfação.
  • Aliás, esse quadro agrava a insatisfação e pode se encaminhar para uma revolta.
  • O que ocorreu em 2013 foi nesse sentido: o descontentamento virou revolta.

Essa crise social é muito séria e tem este componente de novidade:

  • o número de pessoas com nível superior cresceu muito por causa do progresso que ocorreu nos últimos anos, com cotas, ProUni, Fies,
  • mas agora há uma grande frustração.

Então, é um componente que pode se transformar numa coisa mais séria. Entre os desempregados a situação é ainda pior, porque eles têm nível superior e não conseguem emprego. Quando conversamos com os motoristas de Uber, percebemos que uma boa parte tem curso superior e está numa ocupação altamente precária.

IHU On-Line – Há dois anos o senhor atribuiu o quadro de desemprego e aumento da pobreza à crise econômica. As causas da situação atual continuam as mesmas ou há algum agravante de lá para cá, como a crise política ou até mesmo dificuldades por conta do novo governo?

Waldir Quadros – Veja bem, o novo governo começou agora.

  • A grande responsável por isso foi Dilma Rousseff em 2015. Foi ela quem jogou o país numa recessão brutal, que gerou uma queda de 8% da renda per capita. A responsabilidade maior é dela.
  • Depois, o Temer manteve esse quadro
  • e, agora, Bolsonaro e Guedes querem tripudiar.

Basta ver a quantidade de cortes que estão implementando e o tratamento que estão dando à reforma da Previdência, como se ela fosse a salvação da lavoura. Enquanto isso

  • o investimento não reage,
  • a produção não reage.

Então, a crise iniciou em 2015 com Dilma e [Joaquim] Levy, que colocaram o país na recessão. Nesse contexto, a esquerda ficou desmobilizada e quem entrou foi Bolsonaro, que explorou a raiva.

IHU On-Line – Qual tem sido o impacto da reforma trabalhista neste cenário? Já é possível avaliar se ela tem contribuído ou prejudicado os trabalhadores no atual contexto de crise e desemprego que o país vive?

Waldir Quadros –

reforma trabalhista ajudou a precarizar a situação, com o contrato temporário.

Tudo aquilo que “não pegava” na época de ascensão, agora está funcionando:

  • o trabalhador aceita qualquer oferta de trabalho porque está desempregado.
  • E a reforma trabalhista não protege, não ajuda o trabalhador.
  • O que reduz o desemprego é o crescimento econômico,
  • por isso, enquanto o país não sair desse buraco, não tem saída.

IHU On-Line – O governo e vários setores apostam na melhora da economia após a aprovação da reforma da Previdência. Como o senhor vê essa expectativa?

Waldir Quadros – Não há por que melhorar.

  • A economia está parada porque ninguém tem renda.
  • consumo está baixo, estagnado
  • e a reforma não vai mudar nada.

Por que os empresários vão investir?

  • Só porque agora tem uma reforma? Não
  • Essa é uma demanda do setor financeiro, dos rentistas
  • e o Guedes representa esse grupo.

É claro que é preciso uma reforma da Previdência, porque a atual é cheia de privilégios,

A reforma, se for levada ao limite, vai significar um alívio para os empresários no sentido de diminuir os custos, de tirar todos os direitos do trabalhador, mas não vai empregar mais. A reforma não é a salvação da lavoura.

 

 

Patricia Fachin

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/590032-e-assustadora-a-bomba-relogio-que-temos-pela-frente-80-dos-trabalhadores-brasileiros-sao-pobres-e-vivem-com-renda-de-ate-1-700-reais-entrevista-especial-com-waldir-quadros

 

 

Leia mais:

 

Fonte:

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>