Cardeal ‘Fix It’: o trabalho de Esmoler é modelar a caridade diretamente

Uma placa no centro “Uma Família Feliz” para refugiados na ilha grega de Lesbos aponta para um pequeno barraco  onde as pessoas podem consertar bicicletas ou outros itens. 

O cardeal Konrad Krajewski visitou o centro e os homens que trabalhavam no barraco, em 9 de maio de 2019.

(CNS photo / Cindy Wooden) Ver VATICANO-CARTA-CARIDADE 14 de maio de 2019.

 

CIDADE DO VATICANO (CNS) – Durante a sua visita a um centro que oferecia asilo e comida aos refugiados na ilha grega de Lesbos, o cardeal Konrad Krajewski seguiu uma placa que dizia: “Quebrado, conserte-o aqui”.

A placa levava a um barraco onde vários refugiados trabalhavam juntos para consertar uma bicicleta, e um deles tentava construir o que parecia um fogão a carvão com grandes latas.

O cardeal polonês de 55 anos detém o título de esmoler papal, um antigo departamento dedicado a pequenos e diretos atos de caridade.

“Conserte-o” poderia ser o lema do brasão do cardeal Krajewski. (Em vez disso, é ‘misericórdia’.)

Vinte e quatro horas depois de voltar da Grécia a Roma, o cardeal visitou um prédio do governo ocupado por cerca de 450 pessoas, incluindo cerca de 100 crianças. A companhia de energia elétrica tinha cortado a ligação para o prédio porque ninguém estava pagando a conta.

O cardeal Krajewski

 

Embora ele não tenha admitido explicitamente ter entrado no bueiro para reconectar a energia, ele assumiu total responsabilidade por ter ignorado a decisão da empresa de cortar o serviço de eletricidade do prédio. E ele sabe que isso pode ter consequências legais.

A função de esmoler papal existe desde o início do século XIII. Enquanto o Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral e a ‘Caritas Internationalis’, juntamente com seus parceiros nacionais, são responsáveis ​​por projetos de desenvolvimento, assistência e defesa em larga escala, a função do esmoler é focada na caridade pessoa a pessoa.

O contato direto com os pobres é tão importante para a Igreja Católica que o de esmoler papal é um dos poucos cargos de nível superior do Vaticano que não é suspenso quando um papa morre. Como um sinal do constante amor da igreja pelos pobres, o esmoler deve continuar o seu trabalho de distribuição da caridade “de acordo com os critérios seguidos durante a vida do papa”, dizem as normas que regulamentam o interregno, ou período entre papas.

Pôr lado a lado as abordagens de pequena e de grande escala em relação à caridade faz parte da tradição católica há séculos.

Como escreveu o então Papa Bento XVI na sua carta encíclica de 2005, “Deus Caritas Est” (“Deus é Amor”), “seguindo o exemplo dado na parábola do Bom Samaritano, a caridade cristã é, antes de tudo, a resposta simples a necessidades imediatas e situações específicas: alimentar os famintos, vestir os nus, cuidar e curar os doentes, visitar os que estão na prisão, etc”.

Embora as organizações de caridade da igreja devam ser profissionalmente competentes, disse ele, o profissionalismo não é suficiente. “Estamos lidando com seres humanos, e seres humanos precisam sempre de algo mais do que um cuidado tecnicamente adequado. Eles precisam da humanidade. Eles precisam de preocupação sincera”.

O cardeal Krajewski não é ingênuo. Ele passou horas com funcionários do governo na Grécia nos dias 8 e 9 de maio tentando promover vistos humanitários para alguns dos 70 mil requerentes de asilo no país.

Mas passou mais tempo em três campos de refugiados em Lesbos e em três pequenos centros privados que oferecem aos migrantes e refugiados um lugar para relaxar, para conseguir roupas novas, tomar chá ou café com seus amigos, assistir a um filme ou pegar um livro emprestado e tomar conta dos seus filhos num parque infantil.

Ele deu pacotinhos de doces para as crianças e rosários para os adultos, embora a maioria deles fosse muçulmana. Ele também distribuiu caixinhas com tâmaras e nozes, que os adultos iriam comer quando terminassem o jejum do Ramadã naquela noite.

O Papa Francisco enviou-o a Lesbos com mais de 100 mil dólares, a maior parte destinados à Cáritas Hellas, a instituição de caridade greco-católica. Mas ele também tinha dinheiro no bolso e fez discretamente doações para as pequenas instituições de caridade que ajudam os refugiados. Um dos presentes foi recebido com surpresa, de boca aberta. Outro provocou uma explosão espontânea de lágrimas.

O cardeal Krajewski não exigiu propostas de subvenção ou relatórios de despesas ou uma prestação de contas futura de como o dinheiro foi gasto. Ele viu pessoas ajudando outras pessoas necessitadas e, em nome do Papa Francisco, deu a elas recursos para fazer mais.

A justiça para os que  requerem asilo é um grande projeto, de longo prazo. Mostrar pessoalmente a eles que alguém de fora dos campos sabe que eles estão lá e os vê como seres humanos, não como números de casos, requer presença, que é a missão do Cardeal Krajewski e deveria ser um exemplo.

Como o Papa Francisco disse no primeiro Dia Mundial dos Pobres em 2017: “Aproximar-se dos pobres que estão no nosso meio tocará nossas vidas. Isso vai lembrar-nos o que realmente conta: amar a Deus e ao próximo. Somente isso dura para sempre, todo o resto desaparece. O que investimos no amor permanece, o resto se desvanece”.

O cardeal Konrad Krajewski, aliado papal, visita o Centro Esperança e Paz para refugiados perto do campo de refugiados de Moria, na ilha grega de Lesbos, em 8 de maio de 2019. O cardeal Krajewski se ofereceu para pagar a conta de eletricidade depois de aparentemente reconectar a eletricidade de um prédio habitado por migrantes em Roma. (Foto do CNS / Mídia Vaticana) Ver KRAJEWSKI-LESBOS-REFUGEES 9 de maio de 2019, KRAJEWSKI-LESBOS-MORADI, e KRAJEWSKI-LESBOS-POLITI 10 de maio de 2019, e KRAJEWSKI-SALVINI-ELECTRICITY 13 de maio de 2019.

Andreas Gougoulis, secretário-geral do governo grego para o acolhimento dos migrantes, gesticula quando o cardeal Konrad Krajewski, esmoler papal, visitou o campo de refugiados de Moria na ilha grega de Lesbos em 9 de maio de 2019. O cardeal Krajewski visitou os campos de 8 a 9 de maio para garantir aos refugiados e os moradores que o Papa Francisco seblembra deles, para distribuir doações financeiras para projetos que ajudam os refugiados e para tentar conseguir algo que ajude os que estão atualmente em acampamentos “a viver de novo, trabalhar e criar suas famílias”. (CNS Photo / Vatican Media) Ver KRAJEWSKI-LESBOS-POLITICS e KRAJEWSKI-LESBOS-MORADI 10 de maio de 2019.

O cardeal Konrad Krajewski, o esmoler papal, dá doces às crianças ao visitar o Centro de Esperança e Paz para refugiados perto do campo de refugiados de Moria, na ilha grega de Lesbos, em 8 de maio de 2019. O cardeal Krajewski se ofereceu para pagar a conta de eletricidade depois de religar a eletricidade em um prédio em que moram migrantes em Roma. (Foto do CNS / Mídia Vaticana) Ver KRAJEWSKI-LESBOS-REFUGEES 9 de maio de 2019, KRAJEWSKI-LESBOS-MORADI, e KRAJEWSKI-LESBOS-POLITI 10 de maio de 2019, e KRAJEWSKI-SALVINI-ELECTRICITY 13 de maio de 2019.

CNS / L’Osservatore Romano

O Papa Francisco escuta o arcebispo Konrad Krajewski, o esmoler papal, que lhe dá explicações durante a visita do papa a um novo abrigo para homens em Roma, em 15 de outubro. Instalado em um edifício de propriedade de jesuítas, o abrigo foi criado e é administrado com fundos da Esmolaria papal. (CNS foto / L’Osservatore Romano, folheto) Veja SHELTER-ROME 13 de outubro de 2015.

O cardeal Konrad Krajewski, esmoler papal, sai de uma tenda no acampamento informal de Moria, na ilha grega de Lesbos, em 9 de maio de 2019. O cardeal Krajewski se ofereceu para pagar a conta de eletricidade depois de supostamente ter religado a eletricidade em um prédio em que moram refugiados, em Roma . (Foto do CNS / Mídia Vaticana) Ver KRAJEWSKI-LESBOS-REFUGEES 9 de maio de 2019, KRAJEWSKI-LESBOS-MORADI, e KRAJEWSKI-LESBOS-POLITI 10 de maio de 2019, e KRAJEWSKI-SALVINI-ELECTRICITY 13 de maio de 2019.

https://www.catholicnews.com/services/englishnews/2019/cardinal-fix-it-almoners-job-is-to-model-direct-charity.cfm

Catholic News Service

Por Cindy Wooden

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>