Membros da CNBB criticam medidas do governo Bolsonaro

 

Patrik Camporez – 07/03/2019 – Foto: CNBB – Lilian Lima
Reunidos na manhã desta quarta-feira para o lançamento da Campanha da Fraternidade de 2019, integrantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB ) criticaram publicamente as políticas de governo anunciadas pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, dentre elas a liberação da posse de armas de fogo, a possível exploração de minério em áreas indígenas e a reforma da Previdência.

A reportagem é de Patrik Camporez, publicada por O Globo, 06-03-2019.

 

 

O tema da campanha católica para o período da quaresma é “Fraternidade e Políticas Públicas – Serás libertado pelo direito e pela Justiça”.

O Cardeal Sergio da Rocha, fez um chamado à defesa do

“direito à vida, à terra, à cultura dos povos indígenas”,

destacando que

“situações novas” não irão desviar a Igreja da defesa do “povo mais sofrido”.

– Nós reafirmamos, neste momento, que a igreja continua a insistir que

  • a construção da paz aconteça por meio da justiça social,
  • do respeito aos direitos do povo mais sofrido.
  • Continuamos a defender o direito à vida, à terra, à cultura dos povos indígenas.
  • Não é porque temos situações novas que nós vamos deixar de anunciar aquilo que tem sido critério orientador da ação e do pronunciamento da própria conferência episcopal

– disse o presidente da CNBB.

Oficialmente, a CNBB não se manifestou sobre medidas adotadas pelo atual governo, ressaltando que a igreja não se envolve em assuntos partidários. O presidente da CNBB ressaltou, porém, que

  • é papel dos católicos, enquanto parcela da população,
  • acompanhar a efetivação das políticas públicas
  • e avaliar seus resultados.

– A Igreja não pretende oferecer soluções técnicas, nem se deixa guiar por ideologias ou partidos, mas oferecendo o que tem de mais precioso, o evangelho, a fé. Tendo sempre como grande ponto a palavra de Deus.

  • A campanha exige sempre muito diálogo,
  • ações conjuntas e comunitárias.
  • A construção de políticas públicas devem ser tarefa coletiva numa sociedade democrática e participativa.

Além de defesa dos mais pobres, individualmente,

  • bispos membros da conferência criticaram outras medidas do governo Bolsonaro,
  • como a liberação da posse de armas de fogo.

Eles também prometeram atuar

  • contra o que chamaram de  “desmonte” do Sistema Único de Saúde (SUS)
  • e contra o “retrocesso” nos direitos sociais.

 

Crítica à liberação de posse de armas

Para o secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Ulrich Steiner, o governo Bolsonaro precisa rever algumas de suas decisões.

– Nós temos preocupação, por exemplo, com a questão de armar a população. Temos preocupação com as comunidades quilombolas, preocupação com as nossas periferias. São todos pensamentos que nos preocupam e fazem com que, quem sabe no futuro, passemos a discordar (oficialmente) de determinadas coisas. Realmente (o governo) precisa repensar algumas questões. Não é armando a sociedade que vamos diminuir a violência – disse.

Ainda segundo Ulrich, a CNBB tem destinado especial atenção à questão da exploração da mineração em áreas indígenas e quilombolas, assunto que mobiliza setores do governo Bolsonaro.

– Temos atenção à tentativa de abrir as terras indígenas para a mineração.

  • Isso preocupa a igreja porque nós estamos nessas comunidades.
  • Porque não estamos interessados, em primeiro lugar, no mercado, no dinheiro.
  • Nós estamos interessados, e assim Jesus nos obriga, a pensar nas pessoas

– disse.

 

Defesa do SUS

Entre janeiro e agosto, o Sistema Único de Saúde (SUS) entrará no calendário de debates da CNBB, por meio da XVI Conferência Nacional de Saúde. Membro da conferência e da Pastoral da CriançaVânia Lucia Ferreira Leite disse, durante o evento, que

  • SUS representa uma das maiores conquistas sociais do país.
  • Ela ressaltou, no entanto, que o Sistema Único
  • encontra-se fragilizado e sem condições de atender as demandas que estão postas.

– As emendas 86 e 95 ameaçam o SUS. Ou seja, autoridades querem promover afragilização do SUS. Isso acontece simultaneamente a um momento de redução da renda, de desemprego e aumento da pobreza e da miséria no país – disse.

 

Reforma da Previdência

reforma da Previdência apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro foi outro tema abordado. Alguns integrantes da CNBB classificaram a reforma como um “retrocesso“.

– É um retrocesso gravíssimo de direitos. A gente tem que refletir com muita calma, muita humildade e inteligência, sobre o seguinte: ‘Olha, a reforma da Previdência, se for isso que estão dizendo, a gente não pode aceitar nenhum desses pontos. São direitos adquiridos. Acho que é um recuo grave em relação ao processo civilizatório – destacou Geniberto Paiva Campos, membro da Comissão de Justiça e Paz da CNBB.

Geniberto disse que é papel, também da CNBB, esclarecer melhor à população todos os pontos da reforma.

– Temos que ir às instâncias de poder, como exemplo o legislativo, ou ao próprio judiciário, para dizer ‘olha, pense melhor nessa reforma, pois ela é um retrocesso que vai levar muito tempo para resolver’ -, disse ele, que ainda questiona:

– Quais são as vantagens econômicas das reforma dos direitos trabalhistas, previdenciários? Eu não vejo .

O Cardeal Sérgio da Rocha ressaltou que a igreja já se manifestou, em governos anteriores, a respeito do que ele considera “direitos fundamentais da população”.

– Vale aquilo que nós já temos afirmado anteriormente, isto é, que não se penalize aqueles que já são mais sofridos na própria sociedade. E que não haja perda de direito dos trabalhadores. Neste momento, na elaboração de uma proposta é necessário considerar esses trabalhadores – disse.

 

Sínodo sobre a Amazônia

Dom Leonardo Ulrich Steiner também se manifestou a respeito de nota divulgada pelo governo, no início de fevereiro, em que o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) diz ter

“preocupação (…) com alguns pontos da pauta do Sínodo sobre a Amazôniaque ocorrerá no Vaticano, em outubro deste ano”.

Questionado pelo GLOBO se os bispos veem com preocupação uma possívelinterferência do GSI nos assuntos da igreja, Dom Leonardo disse que ‘não’:

– Não nos preocupa. Nós continuaremos a trabalhar como trabalhamos até agora. Se quiserem nos ouvir, que ouçam. Nós não temos nada a esconder. É feito tudo publicamente, de maneira muito aberta. As discussões internas da CNBB não são questões escondidas . Se quiserem no ouvir, que ouçam, e vão aprender muito com isso também.

nota do GSI, comandado pelo general Augusto Heleno, afirmava que

“parte dos temas do referido evento tratam de aspectos que afetam, de certa forma, a soberania nacional. Por isso, reiteramos o entendimento do GSI de que cabe ao Brasil cuidar da Amazônia Brasileira”.

 

Dodge defende políticas que ‘não discriminem’

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que também esteve no evento, citou a Constituição para defender a importância da Campanha da Fraternidade.

– Essa campanha toca na esperança do povo brasileiro, em sua expectativa para solução para problemas do seu cotidiano. Segundo a Constituição, a prática da fraternidade é um dos objetivos da República, que visa construir uma sociedade livre, justa e solidária – disse.

Durante discurso aos bispos, a procuradora-geral disse que o Ministério Público está de olho em temas do presente, como a violação de direitos de populações pobres.

– As políticas públicas devem zelar por todos, de modo que ninguém esteja fora do seu alcance de proteção. O Ministério Público está incumbindo de zelar para que as políticas públicas não discriminem. São os mais pobres sempre as maiores vítimas do egoismo humano e a fraternidade seu maior antídoto – disse.

 

Imagem relacionada

 

 

Patrik Camporez

 

 

 

 

.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>