O “assassino silencioso” que pode levar à extinção da espécie humana

JN – 12 Novembro 2018

Na Foto: Perda da biodiversidade pode ser fatal para a espécie humana | Parque Nacional de Yellowstone, Estados Unidos. / Adam Willoughby-Knox/Unsplash

Se não for colocado um travão na perda da biodiversidade no mundo, a espécie humana pode assistir à sua própria extinção.

O alerta é da diretora executiva da Convenção das Nações Unidas para a Diversidade Biológica, que, na terça-feira, vai reunir 196 estados-membros em Sharm el Sheikh, no Egito, para debater a destruição dos ecossistemas.

 

As estruturas internacionais devem, no prazo de dois anos, garantir um acordo que consiga travar a perda da diversidade biológica na Terra, avisou Cristiana Pașca Palmer, que descreveu a ameaça da biodiversidade como um “assassino silencioso”, tão perigoso para a preservação da Natureza e para a continuidade da humanidade como as mudanças climáticas. Silencioso porque, ao contrário do que acontece com o aquecimento global, não faz sentir impactos imediatos. “Em relação à perda da biodiversidade, não é claro mas, na altura em que estiver a acontecer, já poderá ser demasiado tarde”, disse a especialista em entrevista ao “The Guardian” no início do mês.

Biodiversidade é o conjunto das formas de vida existentes no mundo, desde espécies individuais a ecossistemas inteiros. O modo como funciona condiciona as condições da vida na Terra

Antes da importante conferência internacional de amanhã, em que se vai discutir o colapso dos ecossistemas, a responsável da ONU sublinhou a necessidade de os governos traçarem metas globais até 2020 no sentido de

  • preservar a existência de plantas e animais em vias de extinção (sejam insetos, pássaros, mamíferos),
  • a produção de alimentos,
  • o recurso a água potável
  • e a captura de carbono (processo de remoção de dióxido de carbono).

Os membros da Convenção – 195 países e as nações da União Europeia – vão reunir-se na terça-feira em Sharm el Sheikh, Egito, para iniciar discussões sobre uma nova estrutura para a gestão de ecossistemas e da vida selvagem do mundo.

A conferência dará início a dois anos de negociações, que Pasca Palmer espera que culminem num novo acordo global, oficializado na próxima conferência sobre o tema em Pequim, em 2020.

 

Deforestation in Indonesian to make way for a palm oil concession.

 Derrubada de floresta na Indonésia para abrir caminho para uma concessão de plantação de palmeiras para óleo de coco / Photograph: Ulet Ifansasti/Greenpeace

Segundo um estudo publicado no ano passado no jornal científico norte-americano “Proceedings on the National Academy of Sciences”,

  • está em curso a sexta extinção em massa na história da Terra
  • e é mais severa do que se temia.
  • Trata-se de uma “aniquilação biológica” da vida selvagem nas últimas décadas.

Apesar de a comunidade científica garantir que

  • o fim da diversidade biológica
  • é uma ameaça tão grande como o aquecimento global,

o tema não tem recebido a atenção que era esperada.

Os últimos dois maiores acordos sobre biodiversidade – em 2002 e 2010 – falharam em travar a pior potencial perda de vida na Terra desde a extinção dos dinossauros.

Há oito anos, sob as Metas de Aichi para a Biodiversidade,

as nações prometeram

  • reduzir para metade a perda de habitats naturais,
  • garantir a pesca sustentável em todas as águas
  • e expandir as reservas naturais de 10% a 17% das terras do mundo até 2020.

 

Os peixes habituaram-se a encontrar habitats fora do comum, apesar de o fenómeno constituir um risco para a biodiversidade.  / © REUTERS/Stelios Misinas

Mas muitos países ficaram para trás, e aqueles que criaram áreas protegidas fizeram pouco para fiscalizá-las.

Apesar de alguns vislumbres de esperança – algumas espécies em África e Ásia recuperaram, a cobertura florestal na Ásia aumentou 2,5%, as áreas marinhas protegidas ampliaram-se -,

  • há mais pontos negativos a lamentar do que positivos a exaltar
  • e, no geral, o panorama é “preocupante”.

As já altas taxas de perda de biodiversidade causadas pela

  • destruição de habitats,
  • poluição química
  • e espécies invasoras

vão acelerar nos próximos 30 anos como resultado das mudanças climáticas e do crescimento das populações humanas.

Até 2050, espera-se que

  • África perca 50% de suas aves e mamíferos,
  • e a pesca asiática entre em declínio.
  • A perda de plantas e a vida marinha reduzirão a capacidade da Terra de absorver carbono, criando um ciclo vicioso.

“Os números são impressionantes. Espero que não sejamos a primeira espécie a documentar a nossa própria extensão”, disse ao jornal a antiga ministra do Ambiente da Roménia.

Um motivo de esperança, refere Cristiana Palmer, é

  • a convergência de preocupações científicas
  • e o crescente interesse da comunidade empresarial.

As principais instituições de clima e biodiversidade da ONU e cientistas da área realizaram, no mês passado, a primeira reunião conjunta e descobriram que

  • medidas como proteção florestal,
  • plantação de árvores
  • e manejo do solo

poderiam fornecer até um terço da absorção de carbono necessária para manter o aquecimento global dentro dos parâmetros do acordo de Paris. No futuro, os dois braços do clima e da biodiversidade da ONU devem emitir avaliações conjuntas.

Biodiversidade na agenda da próxima cimeira do G7

Mesmo no que diz respeito à agenda política, o tema da biodiversidade não desempenha o papel devido. Em comparação com as cúpulas do clima, por exemplo, poucos chefes de Estado participam em conversas sobre o tema. No entanto,

  • embora a política em alguns países esteja a ir na direção errada,
  • há desenvolvimentos positivos a registar.

O presidente francês, Emmanuel Macron, foi recentemente o primeiro líder mundial a notar que a questão climática não pode ser resolvida sem contrariar a perda da biodiversidade. O tema estará na agenda da próxima cúpula do G7 em França.

 

Jornal de Notícias – Lisboa

Fonte: https://www.jn.pt/mundo/interior/o-assassino-silencioso-que-pode-levar-a-extincao-da-especie-humana-10168097.html?target=conteudo_fechado

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>