O neto de Jango que hoje é doutor na Rocinha pelo programa ‘Mais Médicos’

João Marcelo Goulart estudou em Cuba para se dedicar à medicina da família no Brasil

Um artigo de 2015, mas cheio de atualidade, na triste “novela” do ataque de Bolsonaro e da classe médica aos médicos cubanos, presentes e atuantes e respeitados em cerca de 66 países do mundo

 

O médico Joao Marcelo Viera Goulart.

Foto: O médico Joao Marcelo Viera Goulart / VICTOR MORIYAMA

“Você já conhece o João, o nosso João, que tá aqui pelo programa Mais Médicos?”, indaga a enfermeira Maria Helena Carneiro de Carvalho.

O doutor João Marcelo Viera Goulart, de 26 anos, atende seus pacientes em uma pequena sala do primeiro andar do recém reformado edifício do Centro Municipal de Saúde Dr. Albert Sabin, do qual a enfermeira Maria Helena é diretora.

Trabalha de oito da manhã às cinco da tarde neste centro, que é voltado para a atenção primária, ao lado de outros médicos, enfermeiros e agentes comunitários —muitos já velhos de guerra— para garantir a saúde básica dos milhares de moradores da favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

 

 

João é apenas mais um médico que, como todos os demais, preza pela saúde de seus pacientes. Mas um detalhe de sua vida chama atenção: ele é um dos oito netos do ex-presidente João Goulart (Jango), deposto pelo golpe militar de 1964.

“Minha família tem uma história política. Nasci e fui criado neste meio”, resume, de forma discreta, sobre suas origens. Seu pai, João Vicente Goulart, é presidente do instituto que leva o nome do ex-mandatário e trabalha para levantar um memorial em homenagem a ele.

Como João,

  • neto de um ex-presidente,
  • foi parar em uma favela carioca através de um programa do Governo Federal,
  • fazendo um trabalho tão silencioso quanto nobre para a população da comunidade?

A trajetória deste gaúcho —“mas nasci no Maranhão por acidente!”— vem sendo uma aventura.

Ao assumir “certa maturidade, certa visão de mundo”, e se dar conta das insistentes injustiças sociais do Brasil, viu que a sua luta não era através da política partidária, mas sim da medicina. Ao terminar o ensino médio no Rio de Janeiro, decidiu de cara ir estudar aonde, para ele, está a melhor medicina do mundo: Cuba.

A razão é simples:

  • o país —questões políticas à parte, cabe ressaltar— está entre os que possuem os melhores indicadores de saúde do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),
  • por desenvolver há décadas uma medicina voltada para a prevenção de doenças e promoção da saúde, também conhecida como medicina de família.
  • Lá, doenças como a tuberculose foram praticamente erradicadas, enquanto que o índice de mortalidade infantil é baixíssimo.

João queria beber desta fonte. E chega a ser curioso:

  • seu avô foi deposto, entre outras razões, por ser considerado um comunista,
  • ao tentar implementar várias políticas sociais no país.
  • Mas foi o seu neto que efetivamente se aproximou de Cuba para buscar no país um exemplo de sistema público de saúde e de medicina a serem aplicados no país.

ELAM : Escuela Lalinoamericana de Medicina 

 

Ao terminar o ensino médio, ele se inscreveu no projeto ELAM  (Escuela Latinoamericana de Medicina), promovido pelo Governo cubano para formar mais de 20.000 médicos latino-americanos sem nenhum custo na Ilha.

“Eles davam tudo: livros, alimentação, moradia, desodorante, papel higiênico, sabonete. Tudo mesmo”, conta.

“Já no primeiro ano temos aulas práticas nos consultórios de medicina da família e policlínicas.

No terceiro,

  • aula teórica e prática dentro de hospital para ver de perto
  • complicações cardiovasculares, AVC, trabalho em UTI”.

Após seis anos e meio morando na Ilha, onde conheceu sua esposa, a equatoriana e também estudante de medicina Sandra, João decidiu regressar para o Brasil para aplicar seus conhecimentos no Sistema Único de Saúde (SUS). Sua volta, em julho de 2013, coincidiu com o lançamento do programa Mais Médicos, que tem o objetivo de

  • levar doutores, muitos deles formados no exterior,
  • brasileiros ou estrangeiros,
  • a lugares do país com carência de profissionais.

“Foi tudo muito rápido:

  • me formei,
  • fiz a inscrição no programa,
  • vim pra cá,
  • revalidei meu diploma,
  • e me inseri no programa”.

Após uma temporada no município de Duque de Caxias, onde trabalhava com sua esposa e outros colegas latino-americanos, finalmente foi transferido para a Rocinha.

 

A importância da Atenção Primária

O neto de Jango tem uma ambição pessoal: participar da implementação do programa Saúde da Família no país, uma estratégia do Ministério da Saúde que, desde os anos 1990,

  • tem o objetivo de expandir a rede de atenção primária em todo o território nacional
  • através,  sobretudo, de incentivos aos Estados e Municípios.

Na Rocinha, o doutor João aplica o que, para ele, é a essência da medicina:

  • o exame físico,
  • a conversa com o paciente
  • e o acompanhamento constante
  • para prevenir, diagnosticar e tratar doenças, principalmente as crônicas como diabetes, hipertensão, entre outras.

“85% dos problemas se resolvem com a atenção primária, segundo vários estudos”, argumenta.

“Há pessoas desse país que, com 80 anos, nunca viram um médico.

  • E claro que nesses lugares não tem infraestrutura!
  • Mas se você coloca um profissional no lugar e desenvolve a medicina da família,
  • boa parte dos problemas dessa comunidade serão resolvidos.

E aí vai começar a surgir demanda de aparelho raio-X e outros equipamentos”.

João também quer

  • lutar contra uma medicina que, para ele,
  • é demasiada voltada para o mercado.

Em sua opinião,

  • o principal obstáculo a ser vencido é o da formação médica,
  • que deveria ser mais “humanitária”.

“Quando o aluno vai para a prática, vai direto para o hospital ver o AVC, o infarto, a insuficiência renal… 

Mas não vai aprender o que deveria ter sido feito para que o paciente não estivesse ali.

Que é

  • a prevenção de doença,
  • a promoção da saúde
  • e o acompanhamento contínuo do doente crônico”, detalha.

“O problema é que aqui o estudante se forma já pensando na especialidade que vai fazer para logo abrir o seu consultório particular. Esta é a realidade”.

Esta formação

  • se traduz em uma cultura médica “mercantilista”,
  • na qual o médico, muitas vezes sem examinar o paciente,
  • pede “mil exames” e ressonâncias por uma dor no joelho;
  • ou na qual uma pessoa vai direto para um hospital por qualquer mal-estar, explica.

Trata-se, em sua visão,

  • de um paradigma que deve ser superado,
  • o que inclusive tornaria o SUS mais barato e eficiente.

“Ao investir em medicina preventiva, você economiza em remédio, em exames, em internação… Tudo isso é muito caro”.

João é otimista. Acredita que o SUS vem melhorando desde que foi criado, em 1988, ainda que falte

  • incentivo ao sistema publico,
  • infraestrutura de qualidade
  • e estímulo à carreira no setor público.

Sobre seu futuro, conta que

  • está fazendo especialização em atenção primária e saúde da família na UERJ,
  • e que seu contrato com o Mais Médicos termina no ano que vem.
  • Diz que seria “excelente” continuar trabalhando na Rocinha,
  • mas sua prioridade é fazer um mestrado em gestão da saúde pública.

Maria Helena, diretora do centro no qual trabalha, confia em que continuará contando com os serviços do doutor João. Com um tapa em suas costas e um abraço, diz: “Ah, mas você vai continuar com a gente né?… Nosso João!”

 

Felipe Betim

Felipe Betim

Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/06/politica/1446805779_792507.html

 

 

MAIS INFORMAÇÕES

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>