Referência no exterior, Brasil não faz dever de casa na área ambiental

 

Daniele Bragança – 17 Novembro 2018

Foto: Parque Nacional da Tijuca, no Rio. /  Peterson de Almeida/Wikipédia.

 O país que guarda a maior biodiversidade do mundo vive uma dualidade: por um lado é protagonista nos acordos ambientais internacionais, com posição de destaque nas mesas de negociações e referência para outros países.
Por outro, possui uma estrutura governamental frágil para atender aos desafios de gerir tamanho patrimônio.

A reportagem é de Daniele Bragança, publicada por ((o)) eco, 11-11-2018.

 

 

Sobram problemas nas estruturas dos órgãos ambientais de todas as esferas, desde

  • processos burocráticos lentos,
  • ineficiência nas ações
  • e conflitos de cunho fundiário ou social.

A bipolaridade do Brasil na área ambiental é revelada também pelos números sobre a cobertura vegetal no país.

  • Se por um lado o Brasil preserva 40% da sua cobertura vegetal em bom estado,
  • por outro concentra essa cobertura em apenas 400 dos 5.570 municípios brasileiros.

As fragilidades e potencialidades do país são um dos assuntos abordados no Sumário para Tomadores de Decisão do Primeiro Diagnóstico Brasileiro de Biodiversidade e de Serviços Ecossistêmicos, documento lançado na manhã desta quinta-feira (08) pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e de Serviços Ecossistêmicos (BPBES, da sigla em inglês), em evento fechado para a imprensa no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

Inspirada no Painel Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ambientais (IPBES) da ONU, considerada o “IPCC da biodiversidade”, a BPBES surgiu em 2016 com a proposta de fazer relatórios periódicos sobre o que se sabe de mais novo sobre 

que a natureza preservada garante.

O primeiro documento, fruto de um trabalho de 3 anos e envolvendo mais de 120 pesquisadores, foi tornado público às vésperas da conferência mundial sobre biodiversidade, a COP14, em Sharm El-Sheik, no Egito.

Brasil subestima importância da própria biodiversidade

“A biodiversidade e serviços ecossistêmicos sempre foram percebidos como obstáculos ou, no máximo, como apêndice do processo de desenvolvimento. No entanto, é preciso reverter essa visão, porque

  • a incorporação da biodiversidade e serviços ecossistêmicos
  • podem constituir uma base de ganho e competitividade muito importante no ambiente global,
  • que vem se configurando nos setores produtivos, cada mais dependentes de práticas inclusivas e sustentáveis”,

explica Mercedes Bustamante, professora da Universidade de Brasília (UNB), e um das coordenadora da da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e de Serviços Ecossistêmicos (BPBES).

 

  • Das 141 culturas agrícolas brasileiras,
  • 85 dependem da polinização realizadas por insetos como abelhasmariposasmoscas e besouros.

Segundo estudo citado no relatório, os serviços para a economia que esses animais prestam chegam a ordem de R$ 12 bilhões por ano.

Espécies como o algodão e a soja dependem da polinização.

“No momento em que você demonstra para um proprietário agrícola

  • que ele tem mais a ganhar em manter áreas de vegetação nativa com a população de polinizadores,
  • porque a presença de polinizadores vai aumentar,
  • no caso da soja, por exemplo, em 20% a produção dele.
  • Ou no caso do café, de 15 a 18%,

[esse produtor]

  • vai entender que ele também tem a ganhar com essa proteção
  • e vai passar a colaborar com a implementação do que a gente está propondo”,

afirma o biólogo Carlos Joly, da Unicamp, que também é um dos coordenadores da BPBES e um dos fundadores da proposta.

 

Parque Nacional da Tijuca, no Rio. Região foi reflorestada após crise de seca no Rio, ainda no século XIX. Preservação das nascentes garante o abastecimento das cidades. /  Peterson de Almeida/Wikipédia.

 

Para o engenheiro florestal, Fabio Scarano, da UFRJ, o relatório aponta para a necessidade de transversalizar a assunto,

  • não só envolvendo o governo e o setor econômico,
  • mas os próprios cientistas e a academia.

“A ciência que trata da biodiversidade está muito biológica.

  • Para a gente entender melhor a relação da biodiversidade com o bem-estar das pessoas e os serviços que a natureza oferece para as pessoas,
  • a gente precisa trabalhar no sentido de casar um pouco mais as ciências naturais com as ciências sociais 
  • e isso envolve pensar política científica de maneira diferente do que estamos fazendo”, afirma.

 

Os números e destaque do relatório

* Até 2030, a mudança no uso da terra seguirá sendo o principal vetor de perda de biodiversidade e de serviços ecossistêmicos no país, e continuará a ser um fator-chave ao longo de boa parte do século 21;

* O território nacional abriga cerca de 42 mil espécies vegetais + 9 mil espécies de vertebrados + 129 mil invertebrados conhecidos;

* Espécies ameaçadas: 1.173 da fauna + 2.118 da flora;

* De 141 culturas agrícolas analisadas no país, 85 dependem de polinização por animais;

* Cerca de 80 famílias e 469 espécies de plantas são cultivadas em sistemas agroflorestais no Brasil;

* Mais de 245 espécies da flora brasileira são base de produtos cosméticos e farmacêuticos; ao menos 36 espécies botânicas nativas possuem registro de fitoterápicos;

* O Brasil exporta mais de 350 tipos de produtos agrícolas e a agricultura familiar produz 70% do que é consumido pela população brasileira;

* 2/3 da energia elétrica consumida no Brasil provém de usinas hidrelétricas que dependem da integridade de ecossistemas;

* O Brasil é o terceiro maior país exportador de produtos da silvicultura, responsável por 3,64% do volume total do mercado global;

* O setor do turismo no Brasil gera 43 mil empregos e agrega R$ 1,5 bilhão ao Produto Interno Bruto (PIB) do país;

* Estima-se que, entre 2013 e 2025 o Brasil dobrará sua produção pesqueira, passando a produzir 1.145 mil toneladas de pescado;

 

Infográfico: BPBES (Fonte: ((o)) eco)

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>