Massacre de motosserra para áreas protegidas em Rondônia

A Assembléia Legislativa, nas palavras de um dos líderes, é composta de “deputados ruralistas que têm compromissos com a sociedade de uma maneira geral do Estado de Rondônia, mas principalmente com o agronegócio

Imagem relacionada
Philip Martin Fearnside e Paulo Vilela Cruz – 02/11/2018 Foto: Weslwy Hetrick – flickr
Uma reserva já foi embora e dez outras provavelmente também serão extintas nas próximas semanas, quando a legislatura de um dos estados mais anti-ambientais da Amazônia brasileira vota sobre a anulação de um veto do governador do estado.
A reportagem é de Philip Martin Fearnside e Paulo Vilela Cruz, publicada por Amazônia Real, 02-11-2018.

 

As 11 áreas protegidas totalizam 537 mil hectares (3% do estado), e quatro delas foram criadas pelo programa ARPA (Áreas Protegidas da Amazônia) ao custo de R$ 657 mil (Figura 1).

ARPA é financiado

  • pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA),
  • pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO),
  • pela Global Environment Facility (GEF) do Banco Mundial
  • e pelo banco alemão para cooperação internacional (KfW)
  • e agência de cooperação (GTZ),
  • mais o Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

As onze áreas protegidas de Rondônia foram criadas pelo governador anterior em 20 de março de 2018 [2]. Uma semana depois,

  • Assembléia Legislativa, que é dominada por interesses do agronegócio, aprovou por unanimidade uma lei revogando as 11 reservas,
  • mas em julho o judiciário derrubou a lei que extinguiu as reservas [3].
  • Nesse meio tempo, o governador que criou as reservas deixou o cargo para concorrer ao Senado Federal.

De acordo com o chefe da Secretaria do Desenvolvimento Ambiental do governo estadual, os deputados estaduais chegaram a um acordo com o novo governador: eles liberariam os fundos necessários para pagar os funcionários do governo estadual se o governador aprovasse a revogação da maior reserva — a Estação Ecológica Soldados da Borracha, de 178.948 ha [4].

Mapa mostra onde unidades de conservações podem ser criadas em RO — Foto: Arte G1Localizações das 11 áreas protegidas a serem extintas no Estado de Rondônia (Fonte: [1])/ Arte G1

 

Na manhã de 25 de setembro,

  • o governador apresentou um projeto de lei ao legislativo propondo a revogação dessa reserva,
  • mas os legisladores imediatamente acrescentaram uma emenda ao projeto de lei, extinguindo também as outras dez áreas protegidas, e naquela mesma tarde aprovaram a lei que extinguiu todos os 11 reservas sem debate, bem como sem qualquer consulta pública ou estudo técnico [4] (Figura 2).

Nos discursos celebrando a votação, um dos líderes da Assembléia Legislativa declarou explicitamente que

  • a Assembléia Legislativa é composta de “deputados ruralistas
  • que têm compromissos com a sociedade de uma maneira geral do Estado de Rondônia,
  • mas principalmente com o agronegócio” [4].

Em 5 de outubro, um grupo de 60 organizações não governamentais solicitou ao governador que vetasse a lei em sua totalidade [5].

Em 16 de outubro, o governador emitiu um veto parcial, aprovando a revogação da Estação Ecológica Soldados da Borracha, mas rejeitando as cláusulas que extinguem as outras dez reservas [6].

A assembléia legislativa agora tem 30 dias úteis para votar a anulação do veto [7]. Dada à unanimidade dos votos anteriores, a aprovação da extinção das reservas remanescentes está praticamente assegurada. Os tribunais podem ser os árbitros finais.

 

Figura 2. Legisladores em Rondônia aprovam a revogação de reservas (Fonte: [3])

 

Rondônia é notória por suas altas taxas de desmatamento (por exemplo, [8]). Este estado tem riqueza de espécies maior do que muitas partes da Amazônia e é uma região chave para a perda de espécies [9]. Também é conhecido como um dos estados da Amazônia brasileira que dá menos atenção ao meio ambiente, por exemplo, em um ranking informal usado pelo Banco Mundial [10].

Poucas florestas permanecem fora das terras indígenas e das unidades de conservação protegidas por órgãos ambientais federais ou estaduais (Figura 3).

Quatro das onze áreas protegidas a serem abolidas são “reservas de desenvolvimento sustentável” com comunidades tradicionais que perderiam a garantia dos seus direitos à terra, criando ainda mais conflitos rurais. Conflitos de terras já fazem de Rondônia o estado com o maior índice de assassinatos rurais no Brasil [11]. Com as 11 reservas revogadas, pode-se esperar que demore pouco antes que a floresta nessas áreas sucumba às motosserras.

Amazônia Legal brasileira mostrando Rondônia como um estado altamente desmatado [12] no “arco do desmatamento” ao longo das margens sul e leste da floresta (Fonte: [13])

 

Notas

[1] Bentes, P. 2018a. Deputados de RO aprovam acabar com reserva florestal de Cujubim. G1, 26 de setembro de 2018.

[2] Bentes, P. 2018b. Embate para criar 11 unidades de conservação completa quatro meses em Rondônia. G1, 24 de julho de 2018.

[3] Bragança, D. 2018. Deputados aprovam proposta do Governo de Rondônia e extinguem Estação Ecológica. OEco, 27 de setembro de 2018.

[4] Bento Filho, W. 2018a. De uma só vez, Rondônia acaba com mais de meio milhão de hectares de áreas protegidas. WWF-Brasil, 26 de setembro de 2018.

[5] WWF-Brasil (Worldwide Fund for Nature-Brazil). 2018. ONGs e coletivos protocolam carta ao governador de RO pedindo o veto à extinção de 11 UCs. WWF-Brasil, 05 de outubro de 2018.

[6] Martins, R. 2018. Governador de RO veta emenda a projeto de lei que extinguia 10 reservas ambientais. Radio Agência Nacional, 18 de outubro de 2018.

[7] Bento Filho, W. 2018b. Deputados de RO decidem sobre meio milhão de ha de floresta. WWF-Brasil, 18 de outubro de 2018.

[8] Fearnside, P.M., C.A. Righi, P.M.L.A. Graça, E.W.H. Keizer, C.C. Cerri, E.M. Nogueira & R.I. Barbosa. 2009. Biomass and greenhouse-gas emissions from land-use change in Brazil’s Amazonian “arc of deforestation”: The states of Mato Grosso and Rondonia. Forest Ecology and Management 258: 1968-1978.

[9] Wearn, O.R., D.C. Reuman & R.M. Ewers. 2012. Extinction debt and windows of conservation opportunity in the Brazilian Amazon. Science 337: 228-232.

[10] Fearnside, P.M. 2016. Environmental policy in Brazilian Amazonia: Lessons from recent history. Novos Cadernos NAEA 19(1): 27-46.

[11] Canudo, A., C.R.S.K. Luz & T.V.P. Andrade. (Eds.). 2017. Conflitos no Campo do Brasil. Comissão Pastoral da Terra, Goiânia, Goiás. 280 p.

[12] INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). 2018. O Monitoramento do desflorestamento bruto. INPE, São José dos Campos, São Paulo.

[13] Fearnside, P.M. 2017. Business as Usual: A Resurgence of Deforestation in the Brazilian Amazon. Yale Environment 360, 18 de abril de 2017.

 

Uma versão em Inglês deste texto deve ser publicada no site da Mongabay.

 

Imagem relacionadaImagem relacionada

Philip Martin Fearnside é doutor pelo Departamento de Ecologia e Biologia Evolucionária da Universidade de Michigan (EUA) e pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), em Manaus (AM), onde vive desde 1978. É membro da Academia Brasileira de Ciências e também coordena o INCT (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia) dos Serviços Ambientais da Amazônia.

Recebeu o Prêmio Nobel da Paz pelo Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC), em 2007. Tem mais de 600 publicações científicas e mais de 400 textos de divulgação de sua autoria que estão disponíveis aqui.

Paulo Vilela Cruz é doutor pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), professor adjunto da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e atualmente é bolsista de pós-doutorado no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.

Recebeu um prêmio Pró-Excelência (FAPEAM) por estudos da fauna Neotropical em 2014.

Fontes: http://www.ihu.unisinos.br/584343-massacre-de-motosserra-para-areas-protegidas-em-rondonia

http://amazoniareal.com.br/massacre-de-motosserra-para-areas-protegidas-em-rondonia/

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>