Bolsonaro testa limites com anúncios econômicos e ministérios: estratégia ou caos?

Onyx Lorenzoni e Eliseu Padilha no Palácio do Planalto.

Afonso Benites e Carla Jiménez – 01/11/2018 – Foto: Onyx Lorenzoni e Eliseu Padilha no Palácio do Planalto/ Evaristo SA AFP

Nos três primeiros dias após a eleição, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e alguns de seus assessores mais próximos emitiram sinais que trazem mais dúvidas do que certezas.

Um cenário caótico em que em um momento atende aos interesses do alto empresariado e dos ambientalistas, e em outro, rompe com eles. Cria um superministério da Economia, fundindo três pastas, desiste de anexar uma delas e depois desiste de sua desistência. Faz o mesmo com os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente.

Vê dois de seus futuros ministros, Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil) se desentenderem quando tratam de reforma da Previdência. Num momento promete cargo para antigo aliado recém condenado por corrupção, no outro diz que nenhum corrupto estará em seu Governo. E ainda lança um balão de ensaio: quer o juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, como seu superministro da Justiça – ou futuro indicado para uma vaga do Supremo Tribunal Federal. Moro deve ter encontro com Bolsonaro no Rio nesta quinta.

A reportagem é de Afonso Benites e Carla Jiménez, publicada por El País, 01-11-2018.

 

Não fica claro se é desorganização de quem jamais montou um Governo em qualquer nível ou uma estratégia semelhante à de sua campanha eleitoral, que parecia “bater cabeça”para depois ter um desfecho mais moderado, menos radical, com um discurso de que respeitará as leis, as instituições e todos os setores da sociedade.

Para tentar passar a imagem de que está controlando a situação, Bolsonaro disse em suas redes sociais que os anúncios oficiais de seus ministros ocorrerão por meio delas.“Qualquer informação além é mera especulação maldosa e sem credibilidade”.

Esse tuíte, aliás, começou falando que nenhum condenado por corrupção será nomeado ministro. É uma resposta dada ao próprio Bolsonaro e a um movimento virtual que pedia a não indicação do deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) para nenhum cargo.

Na semana passada, o ex-policial militar e candidato derrotado ao Governo do DF,Alberto Fraga foi visitar Bolsonaro em sua casa no Rio de Janeiro. Ouviu um convite informal para participar de seu Governo, seria uma espécie de articulador com o Congresso Nacional.

No Facebook, no Twitter e no Instagram

  • diversos internautas começaram a questionar Bolsonaro e seus filhos
  • sobre a iminente nomeação de Fraga.

Os comentários lembravam que

  • ele recentemente foi condenado em primeira instância por receber propina no período em que foi secretário de transportes no Distrito Federal. O processo é recheado de provas, até com áudios em que Fraga trata dos pagamentos ilícitos.

Os mesmos internautas/eleitores que questionaram a nomeação de Fraga começaram uma campanha para que o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) não seja indicado também. Lorenzoni

  • não tem condenação judicial nem investigação aberta,
  • mas no ano passado admitiu que recebeu doação da empresa do ramo alimentício JBS
  • por meio de caixa dois na campanha eleitoral de 2014. O recurso seria para bancar dívidas eleitorais.

Uma segunda tentativa de diminuir essa onda de informações desencontradas foi feita pelo próprio Lorenzoni. Após a primeira reunião de transição com o Governo Temer nesta quarta-feira, em Brasília, Lorenzoni foi taxativo: “Agora, inicia uma fase muito importante do nosso trabalho. Falar pouco, trabalhar muito para que o Brasil possa colher bons resultados no Governo Jair Bolsonaro”.

No encontro, o deputado apresentou uma lista de 22 técnicos das áreas de economia e infraestrutura que farão parte da equipe de transição. Os nomes deles não foram divulgados para a imprensa, mas deverão ser publicados no Diário Oficial da União nos próximos dias.

Antes, cada um deles será investigado pela Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) para saber se atendem aos critérios administrativos para ocuparem função pública. É o mesmo procedimento para qualquer cidadão que seja nomeado para um cargo no funcionalismo público federal. Há ainda, 28 cargos disponíveis para a equipe de transição.

Um superministro que causa apreensão entre industriais

Enquanto ainda não define o restante de seu ministério, Bolsonaro confirma o protagonismo de um de seus quatro indicados, o economista Paulo Guedes – os outros foram Lorenzoni, o astronauta Marcos Pontes, para Ciência e Tecnologia, e o general Augusto Heleno, para a Defesa. Moro ainda não respondeu, disse apenas que se sentiu honrado com o convite.

Guedes será o ministro da Economia, uma superpasta que une a Fazenda, o Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e o Planejamento.

Indiretamente será responsável pelo

  • Tesouro Nacional,
  • Receita Federal,
  • BNDES,
  • Caixa,
  • Banco do Brasil e o Banco Central,
  • IBGE,
  • IPEA.

Ainda terá influência sobre duas estatais, Eletrobras e Petrobras. Por essa última, já iniciou uma queda de braço para indicar o seu presidente.

  • Guedes quer alguém da área de energia e gás.
  • Bolsonaro quer colocá-la sob a responsabilidade de algum militar.

Nem assumiu o ministério, Guedes já entra em embates internos e externos. Na terça-feira disse que

  • as falas de Lorenzoni defendendo cautela no andamento da reforma previdenciária,
  • eram apenas opiniões políticas.
  • E, na verdade, haveria uma pressa do Governo para aprová-la. “É um político falando de economia, é a mesma coisa de eu sair falando de política, não vai dar certo”.

No mesmo dia, ouviu da boca de Bolsonaro que era necessário moderar sua fala. Disse Guedes após o encontro.

“Do ponto de vista econômico, quanto mais rápido [aprovar] melhor. Estamos atrasados com essa reforma. Agora, evidentemente existe um cálculo político. O nosso Onyx, corretamente, não quer que de repente nossa vitória nas urnas se transforme numa confusão no Congresso”.

Guedes ainda

  • defendeu a capitalização da previdência pública,
  • tema que ainda gera muito debate entre os parlamentares e economistas.

Se não bastassem as falas truncadas, o economista ainda demonstra impaciência quando é questionado. Em entrevista coletiva na segunda-feira, disse de maneira rude para uma repórter argentina que não estava preocupado em agradá-la.

“O Mercosul não é prioridade. Você viu que tem um estilo que combina com o presidente, né? É porque a gente fala a verdade. A gente não está preocupado em te agradar”.

Outra ida e vinda do futuro superministro tratou

  • do uso das reservas internacionais 
  • para reduzir o tamanho da dívida pública.

Ele teria sinalizado isso em reuniões internas, conforme revelou o jornal Valor Econômico.

  • No dia seguinte à publicação da reportagem,
  • voltou atrás
  • e afirmou que só quebraria esse dogma da economia caso houvesse “um ataque especulativo” no país que elevasse o dólar ao patamar de cinco reais por unidade.

Um representante de industriais brasileiros ouvido pelo EL PAÍS disse que as falas de Guedes são preocupantes. E assim também o é

  • a unificação do ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio com outros da área econômica.
  • Os industriais temem ficar sem interlocução com o Governo.
  • E ainda reclamaram da postura do ministro.

“[Ele] é

  • malcriado,
  • truculento,
  • tratou mal os industriais,
  • mas nós vamos nos manter firmes, mesmo com governos ruins”,

disse o empresário.

Mesmo com essas queixas, ele diz que “contra o PT” vale comprar essa briga.

Outro, representante do agronegócio, diz que

“A agenda ambiental é muito maior do que a do agronegócio.

  • Tem a questão das hidrelétricas, da Petrobras.
  • Tem coisa que não tem nada a ver com a gente (…)
  • O Brasil está na frente na questão ambiental, principalmente na área do agro.
  • Temos o código florestal mais restritivo do mundo”.

Esse empresário afirma também que os primeiros sinais na área de relações exteriores de Bolsonaro podem influenciar diretamente no setor.

  • Um deles é o de transferir a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém,
  • ou de demonstrar resistências à aproximação com a China, assim como o faz o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
  • “Ele agrada a Israel, mas desagrada todos os outros países árabes, que são nosso mercado”.

Por mais que a ordem seja de silêncio absoluto,

  • as explicações ao empresariado, que apoiou a eleição de Bolsonaro,
  • acabará tendo de ser dada pelo futuro governo nas próximas semanas.

Resultado de imagem para Três superministros

De juíz a super-ministro / Altamiro Borges

 

Nesta quinta, os holofotes devem se voltar para o encontro com Moro, que se disse “honrado” com a lembrança de Bolsonaro para o cargo da Justiça, que também poderia ter suas prerrogativas ampliadas.

O juiz de Curitiba

  • é a estrela da Lava Jato, a operação que abalou o establishment político e ajudou por tabela na ascensão de Bolsonaro,
  • mas não está livre de controvérsias por decisões heterodoxas e pelo timing político delas.
  • Ele condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão por corrupção
  • e ainda tem de julgar outra ação envolvendo o petista.

Está previsto que Lula, que acusa o juiz de ser parcial em seu caso, preste novo depoimento a Moro em 14 de novembro.

 

Afonso BenitesResultado de imagem para carla jimenez el pais

Afonso Benites e Carla Jiménez

Fontes: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/584325-bolsonaro-testa-limites-com-anuncios-economicos-e-ministerios-estrategia-ou-caos

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/31/politica/1541025295_287435.html

 

 

2 comments to Bolsonaro testa limites com anúncios econômicos e ministérios: estratégia ou caos?

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>