Há um golpe militar em marcha no Brasil, alerta Vladimir Safatle

O poder não perdoa vácuos:

  • em 2013 a esquerda aderiu ao legalismo
  • permitindo à extrema-direita dominar o discurso de ruptura correspondendo à ansiedade da população 

 A democracia se sustenta em cima de um sistema de balanças, do seu rompimento são gerados os governos autoritários, ou fascistas. Mas não se engane,
  • não é porque recebem esse nome que tais governos são impopulares,
  • e o Brasil corre hoje risco de assistir ao esmagamento do equilíbrio de pesos e contra-pesos da sua frágil democracia.
A análise foi levantada pelo filósofo e professor Vladimir Safatle, no debate “O fim da era dos pactos: violência política e novas estratégias”, organizado pela editora Boitempo na última semana.
  • Ninguém acreditava,
  • ninguém levava a sério o discurso do nazismo e sua ascensão,
  • foi o que o pensador e sociólogo alemão Theodor Adorno identificou ao tentar entender o fenômeno,

lembrou Safatle.

“Era exatamente
  • porque ninguém levava a sério,
  • que o discurso podia circular,
  • [um discurso] que tinha um lado cômico,
  • ainda mais o fascismo italiano,

e não é por outra razão que todas as figuras autoritárias que apareceram nestes últimos 15 anos são cômicas:

  • Berlusconi,
  • Trump,
  • Sarkozy”
  • e agora Bolsonaro, no Brasil.
Sem a ironia seria insuportável ter que se mobilizar levando a sério o discurso, fundamenta Safatle:
“Dessa maneira você pode criar o modelo que foi o modelo da ditadura brasileira”,
  • destacando a principal ironia do período de repressão
  • que foi quando o país aderiu a todos os tratados internacionais de direitos humanos,
  • enquanto o Estado praticava a tortura.
“Você pode criar esse jogo de aparência, que é o elemento fundamental para que essa situação se sustente”.
Mas a ascensão do fascismo não se faz apenas em cima do discurso irônico.
O poder não perdoa vácuos. “Não existe crescimento da direita onde a esquerda não traia. E onde erramos? Em 2013”, completa o filósofo.
Naquele momento
  • a esquerda deveria ter aderido ao discurso da radicalização,
  • mas se tornou legalista.

A extrema-direita, passou a assumir o discurso de ruptura das leis e contra o sistema político, tradicionalmente ligado às esquerdas.

  • “Essa posição foi inventada pela esquerda, era essa a nossa posição.
  • Nós sempre fomos anti políticos, no sentido da política tal como ela funcionou até hoje, dentro do seu processo de legalidade normal”.

 

Assista a seguir a íntegra da análise de Safatle

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>