Carta sobre abusos endereçada ao Cardeal O’Malley era a segunda enviada por padre a funcionários

Resultado de imagem para Rev. boniface ramsey

Rhina Guidos – 15 Agosto 2018

“Levei anos para escrever e enviar a carta”, revela o padre Boniface Ramsey, pastor da Igreja de São José, em YorkvilleNova York, que a disponibilizou ao CNS no início de agosto. Mas foi a segunda vez que ele tentou escrever sobre funcionários da Igreja.

Imagem relacionada

Foto: Ex-cardeal Thodor McCarrick / awrsipe.com

Durante o período mencionado na carta, entre 1986 e 1996, ele diz que lecionava no Seminário Imaculada Conceição na Universidade de Seton Hall, em Nova Jersey. Ele escreve sobre relatos que ouviu falar sobre viagens de McCarrick para uma casa de praia de Nova Jersey, onde, com muitos seminaristas convidados para muito poucas camas, “diziam que o seminarista que ficava sem cama poderia compartilhar com o arcebispo”.

“Algumas dessas histórias não chegaram a mim como meros boatos, mas foram contadas por pessoas diretamente envolvidas”, escreveu.

Em uma entrevista por telefone ao CNS no dia 13 de agosto, Ramsey disse que não sabia da ocorrência de quaisquer atos sexuais, “mas pensava que o comportamento dele (McCarrick) era, no mínimo, extremamente inadequado”.

Ele disse que tomou cuidado com o que escreveu na carta a O’Malley porque não queria espalhar boatos que tinha ouvido, mas estava preocupado com a questão de as camas serem compartilhadas após ouvir que recaiu sobre um de seus amigos que era encarregado de encontrar seminaristas para as viagens do arcebispo à praia.

“Eu nunca tinha ouvido falar que algum adulto já tivesse tido relações sexuais com McCarrick“, disse, mas sentia que compartilhar a cama constantemente, algo que tinha ouvido falar, era “algo que ele não deveria fazer”.

 

Resultado de imagem para Cardeal O´Malley

Foto: Cardeal O’Malley / Católica@50 anos – Universidade Católica Portuguesa

A carta, de 17 de junho de 2015, foi enviada logo após a Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores, liderada por O’Malley, receber os estatutos, em maio de 2015. Ramsey disse que enviou naquele momento porque tinha ouvido falar da formação da comissão e porque recentemente tinha visto McCarrick no velório do cardeal de Nova York Edward Egan, que morreu em março de 2015. Naquela época, o prelado era arcebispo de Washington.

“Eu estava com raiva”,disse Ramsey ao Catholic News Service. “Eu disse: ‘esse cara ainda está por aí.'”

Ele diz que ficou “chateado” de ver que McCarrick “podia continuar mostrando a cara depois desta longa história que tanta gente conhecia”.

Ele tinha escrito uma carta sobre suas preocupações mais de uma década antes, em 2000, que não demonstrava que teria qualquer efeito, mas quando viu McCarrick surgiu uma nova motivação e ele “queria que isso parasse de acontecer com os seminaristas”, disse, durante a entrevista. Então, ele se sentou e escreveu uma carta – novamente.

“A questão não tem a ver com o abuso de menores, mas com uma forma de assédio/abuso sexual ou talvez simplesmente brincadeiras como as de Theodore McCarrick com os seminaristas e talvez com outros jovens quando era arcebispo de Newark“, diz a carta de Ramsey a O’Malley.

Em julho, num comunicado, O’Malley disse que não recebeu a carta “pessoalmente”, mas a declaração dizia que “a carta foi revista pelos funcionários e foi determinado que os assuntos apresentados não eram da competência da Comissão ou da Arquidiocese de Boston…” No entanto, a resposta do gabinete do cardeal não dizia se a carta tinha sido adequadamente encaminhada, como solicitado por Ramsey.

Na carta a O’MalleyRamsey diz que tinha contado suas preocupações ao arcebispo de LouisvilleThomas Kelly, que faleceu em dezembro de 2011. Kelly respondeu que “as histórias sobre o arcebispo McCarrick circulavam entre os bispos dos Estados Unidos”, segundo a carta, e que Kelly havia mencionado uma história envolvendo um comissário de bordo.

Na entrevista ao CNSRamsey disse que se tratava de uma história sobre um comissário de bordo com quem McCarrick “se envolveu” durante um voo, dizendo que talvez ele tivesse vocação. McCarrick acabou registrando-o em um seminário, mas parecia haver razões além das religiosas para querer sua permanência. O comissário seminarista depois foi expulso do seminário.

 

Resultado de imagem para cardeal edward egan

Foto: Cardeal Edward Egan, que disse:“não quero saber disso”,Papas, Cardeais e Conclaves

Núncio instruiu a escrever uma carta, a qual Ramsey diz ter enviado. Ele contou a outro padre sobre a carta, e esse amigo tentou dissuadi-lo de enviar, dizendo que poderia machucá-lo.

“Nunca recebi qualquer confirmação, apesar de saber de certa forma que a carta foi recebida e que a informação foi encaminhada para algum lugar no Vaticano”, escreveu O’Malley.

Escrever a carta não parece ter ferido Ramsey, como temia o amigo. E suas revelações também não parecem ferir McCarrick.

“Fiquei chocado quando o arcebispo McCarrick foi promovido à arquidiocese de Washington, pois é provável que muitas pessoas no Vaticano estavam cientes de suas inclinações antes da indicação“, escreveu na carta a O’Malley. “E depois, claro, para o cardinalato, o que já era esperado para o arcebispo de Washington, mas ainda assim preocupante.”

Citando casos de altos funcionários arruinados devido a má conduta sexual, ele disse na carta que

“parece estranho que o cardeal McCarrick

  • ande por aí, com sua forte presença em eventos religiosos (bem como eventos papais),
  • seja entrevistado,
  • dê palestras,
  • participe de comissões e coisas do gênero.

Será que o que ele fez não é no mínimo muito questionável? Não foi tirar vantagem de jovens que não sabiam como dizer não ao arcebispo? Não contribuiu, devido a grande quantidade de leigos e clérigos cientes de suas ações, para o cinismo da Igreja e da hierarquia?”

Ramsey disse que não guardou a carta enviada em 2000 para o Núncio Apostólico, mas entre a primeira e a segunda carta enviada, ele contou que tentou falar com outras pessoas, como Egan, sobre como impedir que McCarrick continuasse agindo assim.

Egan disse: “não quero saber disso”, relatou Ramsey ao CNS.

Segue o texto da carta de Ramsey a O’Malley:

 

Caro Cardeal O’Malley,

Escrevo sobre um assunto delicado, sobre o qual entrei em contato com o arcebispo Montalvo, o Núncio Apostólico, em novembro de 2000. Sinto que, depois de pensar a respeito por vários anos, devo entrar em contato novamente, agora com o senhor. A questão não tem a ver com o abuso de menores, mas com uma forma de assédio/abuso sexual ou talvez simplesmente brincadeiras como as de Theodore McCarrick com os seminaristas e talvez com outros jovens quando era arcebispo de Newark.

De 1986 a 1996, lecionei Patrologia no Seminário Imaculada Conceição na Universidade Seton Hall e durante grande parte desse período fui mentor e diretor espiritual. (Eu era dominicano naquela época e hoje sou sacerdote da arquidiocese de Nova York). Desde o início de meu período no seminário, ouvi de vários seminaristas que o arcebispo McCarrick tinha o hábito de convidá-los para sua casa na praia de Nova Jersey; e sempre convidada um seminarista a mais do que o número de camas, e diziam então a esse seminarista que ele poderia compartilhar a cama com o arcebispo.

O arcebispo McCarrick pedia que o reitor do seminário encontrasse seminaristas dispostos a ir à casa na praia, o que aparentemente o reitor fazia com muita relutância, sem saber como se recusar a atender ao bispo. O reitor era um amigo, alguém que eu admirava. Quando pude conversar com ele sobre isso, acredito que ele tenha realmente decidido resistir ao arcebispo. No entanto, não sei se o arcebispo cessou os convites. Havia também histórias de seminaristas e jovens que compartilhavam a casa do arcebispo e “sobrinhos” com privilégios especiais (como estudar em Roma), e assim por diante. Algumas dessas histórias não chegaram a mim como meros boatos, mas foram contadas por pessoas diretamente envolvidas.

Inicialmente, guardei estas informações, considerando um segredo natural, mas acabei descobrindo que eram bastante conhecidas na arquidiocese e também fora dela, o que fez com que eu não me sentisse responsável por observar qualquer confidencialidade. Conversei com o arcebispo de LouisvilleThomas C. Kelly, que é meu amigo, em algum momento nos anos 90, e ele disse que as histórias sobre o arcebispo McCarrickcirculavam entre os bispos dos Estados Unidos e ele próprio mencionou uma história a respeito de um comissário de bordo (que eu conheci no seminário e que foi expulso por ter ido atrás de outro seminarista).

Quando o arcebispo McCarrick foi nomeado arcebispo de Washington, em novembro de 2000, decidi informar o Núncio Apostólico sobre o que eu sabia. Primeiro liguei para ele, conversei diretamente sobre a situação e perguntei se ele receberia uma carta minha. Ele disse que sim. No dia seguinte eu mudei de ideia e liguei dizendo que estava na dúvida sobre mandar ou não a carta. Ele me disse sem rodeios que eu deveria enviá-la, e foi o que eu fiz. Nunca recebi qualquer confirmação, apesar de saber de certa forma que a carta foi recebida e que a informação foi encaminhada para algum lugar no Vaticano.

Fiquei chocado quando o arcebispo McCarrick foi promovido à arquidiocese de Washington, pois é provável que muitas pessoas no Vaticano estavam cientes de suas inclinações antes da indicação. E depois, claro, para o cardinalato, o que já era esperado para o arcebispo de Washington, mas ainda assim preocupante.

Hoje, quando o antigo núncio da República Dominicana foi a julgamento por abuso infantil e o arcebispo de Saint Paul acabou de renunciar pela mesma questão, e um cardeal escocês foi recentemente desonrado por má conduta sexual com os sacerdotes, para mim é estranho que o cardeal McCarrick ande por aí, com sua forte presença em eventos religiosos (bem como eventos papais), seja entrevistado, dê palestras, participe de comissões e coisas do gênero.

Será que o que ele fez não é no mínimo muito questionável? Não foi tirar vantagem de jovens que não sabiam como dizer não ao arcebispo? Não contribuiu, devido a grande quantidade de leigos e clérigos cientes de suas ações, para o cinismo da Igreja e da hierarquia?

Não sei se as ações cometidas pelo cardeal McCarrick são de sua competência, mas, se forem, melhor ainda. Se não, talvez o senhor possa encaminhar esta carta para o setor competente no Vaticano.

Agradeço pela atenção dada a esta carta, a qual levei anos para decidir escrever e enviar.

Atenciosamente em Cristo,

(Rev.) Boniface Ramsey
Administrador

 

 

Rhina Guidos

 

 

 

Leia mais:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>