O neofascismo, onda mundial

Resultado de imagem para O neofascismo, onda mundial

Leonardo Boff – 11 Agosto 2018

Foto: Manifestação antifascista e antiracista na Itália / Wikipédia (“Nunca mais Fascismo e Racismo”)

 “O fascismo sempre foi criminoso. Criou a shoá (eliminação de milhões de judeus). Usou a violência como forma de se relacionar com a sociedade, por isso nunca pode nem poderá se consolidar por longo tempo.
É a perversão maior da sociabilidade humana. No Brasil não será diferente”, escreve Leonardo Boff, escritor, teólogo e filósofo.

Eis o artigo.

fascismo é uma derivação extremada do fundamentalismo que tem larga tradição em quase todas as culturas. S. Huntington em sua discutida obra Choque de civilizações denuncia o Ocidente como um dos mais virulentos fundamentalistas. Imagina que sua cultura é a melhor do mundo, possui a melhor religião, a única verdadeira, a melhor forma de governo, a democracia, a melhor tecnociência que mudou a face do planeta e que lhe conferiu a capacidade de destruir todos os seres humanos e parte da biosfera com suas armas letais.

Conhecemos o fundamentalismo islâmico e outros, também de grupos da Igreja Católica oficial que ainda creem ser ela a única e exclusiva Igreja de Cristo, fora da qual não há salvação. Tal visão errônea abre espaço para a satanização e até a perseguição de outras denominações cristas e não cristas. Graças a Deus temos o Papaatual da razoabilidade e do bom senso que invalida tais distorções.

Todo aquele que pretende ser portador exclusivo da verdade está condenado a ser fundamentalista e fechar-se sobre si mesmo, sem diálogo com os outros.
Aqui vale recordar as palavras do grande poeta espanhol António Machado: “Não a tua verdade. Mas a verdade.Vem comigo buscá-la. A tua guarde-a para ti mesmo”. Se juntos a procurarmos, ela será plena.

O fascismonasceu e nasce dentro de um determinado contexto de anomia, desordem social e crise generalizada.

  • Desaparecem as certezas e as ordens estabelecidas se debilitam.
  • A sociedade e os indivíduos têm dificuldade em viver em tal situação.

Cientistas sociais e historiadores como Eric Vögelin (Order and History,195; L. Götz, Entstehung der Ordnung 1954; Peter Berger, Rumor de Anjos: a sociedade moderna e redescoberta do sobrenatural, 1973),

  • mostraram que os seres humanos possuem um tendência natural para a ordem.
  • Lá onde chegam criam logo uma ordem e o seu habitat.
  • Quando esta desaparece usa-se comumente a violência para impor certa ordem sem a qual não se forma a coesão social da convivência.

O nicho do fascismo encontra nesta desordem seu nascedouro. Assim com o final da Primeira Guerra Mundial gerou-se um caos social, especialmente na Alemanha e na Itália.

A saída foi

  • a instauração de um sistema autoritário, de dominação
  • que monopolizou a representação política,
  • mediante um único partido de massa, hierarquicamente organizado,

enquadrando todas as instâncias,

  • a política,
  • a economia
  • e a cultural

numa única direção. Isso só foi possível mediante um chefe (Füher na Alemanha e o Ducce, na Itália) que organizaram um Estado corporativista autoritário e de terror.

Como legitimação simbólica cultuavam-se

  • os mitos nacionais,
  • os heróis do passado
  • e antigas tradições,

geralmente num quadro de grandes liturgias políticas com a inculcação da ideia de uma regeneração nacional. Especialmente na Alemanha os seguidores de Hitler se investiram da convicção de que a raça alemã branca

  • é “superior” às demais
  • com o direito de submeter
  • e até de eliminar as inferiores.

A palavra fascismo foi usada pela primeira vez por Benito Mussolini em 1915 ao criar o grupo “Fasci d’Azione Revolucionaria”. Fascismo se deriva do feixe (fascio) de varas, fortemente amarradas, com um machado preso ao lado. Uma vara pode ser quebrada, um feixe, dificilmente.

  • Em 1922/23 fundou o Partido Nacional Fascista que perdurou até sua derrocada em 1945.
  • Na Alemanha se estabeleceu a partir de 1933 com Adolf Hitler que ao ser feito chanceler criou o Nacional socialismo, o partido nazista que impôs ao país dura disciplina, vigilância total e o terror de Estado.

fascismo se apresentou

  • como anti-comunista,
  • anti-capitalista,
  • como uma corporação que supera as classes
  • e cria uma totalidade social cerrada.

A vigilância, a violência direta, o terror e o extermínio dos opositores são características do fascismo histórico de Mussolini e Hitler e no neofascismo a violência também está presente.

fascismo nunca desapareceu totalmente, pois sempre há grupos que, movidos por um arquétipo fundamental, buscam a ordem de qualquer forma. É o neo-fascismo atual. Hoje no Brasil há uma figura mais hilária que ideológica que propõe o fascismo em nome do qual justifica

  • a violência,
  • a defesa da tortura e de torturadores,
  • da homofobia
  • e outras desviações sociais.

Sempre em nome de uma ordem a ser forjada contra a atual desordem vigente usando de violência.

fascismo sempre foi criminoso.

  • Criou a shoá (eliminação de milhões de judeus).
  • Usou a violência como forma de se relacionar com a sociedade, por isso nunca pode nem poderá se consolidar por longo tempo.

É a perversão maior da sociabilidade humana. No Brasil não será diferente. Aqui não terá chances de se impôr.

 

 

Leonardo Boff

 

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/581730-o-neofascismo-onda-mundial

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>