Papa Francisco telefona para Gianni Vattimo, o filósofo do ”pensamento fraco”

Andrés Beltramo Álvarez, – 11 Julho 2018

Gianni Vattimo | Foto: www.circololettori.it

O estudioso italiano enviou uma cópia de seu último livro a Francisco, que telefonou para agradecer-lhe. Uma conversa breve e agradável sobre a Igreja e a filosofia: “Com esse papa, não me envergonho de dizer que sou católico”.

A reportagem é de Andrés Beltramo Álvarez, publicada em Vatican Insider, 09-07-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Uma conversa espontânea, breve, mas agradável. Assim foi o bate-papo entre o Papa Francisco e Gianni Vattimo, que ocorreu há alguns dias por telefone. O pontífice quis agradecer ao filósofo italiano, ex-político de esquerda e “pai” do chamado pensamento fraco, por um livro que lhe foi presenteado por um amigo em comum.

“Esse papa me tira a ‘vergonha’ de me declarar católico”, diz o estudioso ao Vatican Insider, contando alguns detalhes da conversa com o papa, com quem ele também compartilha o ano de nascimento (1936).

“O fato de ele ter encontrado tempo para me telefonar tem um grande significado. Estou comovido e emocionado com isso, o que posso fazer…”, diz Vattimo. “O papa é sempre o papa, e, como sou fiel e acredito acima de tudo na Igreja, é claro que o fato de ter falado com ele me tocou profundamente.”

Quem serviu de elo para essa comunicação particular foi o argentino Luis Liberman, fundador e diretor geral da Cátedra de Diálogo e da Cultura do Encontro, que passou primeiro por Turim e depois pela Casa Santa Marta, no Vaticano. Vattimo aproveitou a oportunidade para enviar ao pontífice o seu trabalho mais recente: assim, uma cópia de Essere e dintorni (Ser e arredores, em tradução livre: Editora Nave di Teseo, 2018, 425pp)  chegou às mãos de Bergoglio.

Francisco “pegou-o, folheou-o, falou a respeito com Luis, que me telefonou enquanto estava sentado ao lado dele e me passou-o ao telefone. Trocamos algumas palavras. Ele me disse que me agradecia pelo livro, eu tentei explicar que é um livro de filosofia sobre Heidegger. Estou muito feliz por ter despertado o interesse do papa”, conta o filósofo.

E ele ainda se diz mais convencido de que a teologia católica precisa de uma renovação. Ele já havia proposto, quase em termos controversos, o pensamento do filósofo alemão para guiar essa mudança, particularmente pelas suas críticas à metafísica. Essa crítica, diz, poderia ser útil hoje à teologia católica nos tempos de Francisco.

“Eu disse justamente isso ao telefone para o papa. Mas não sei se ele está convencido disso ou não. Ele estava bastante interessado, mas, naturalmente, é um interesse relativo que um papa pode ter por esse tipo de coisas, tendo muitos outros pensamentos na cabeça. Eu não acho que ainda haverá uma mudança na teologia católica”, explica o professor, lúcido e ágil, apesar de seus 82 anos e dos evidentes achaques da idade.

Capa do livro Essere e dintorni | Divulgação

Já retirado da vida pública e intelectual, o livro Essere e dintorni quer ser uma espécie de contribuição final.

“Não sei se ele é perfeito, mas é a melhor contribuição que eu posso dar agora, considerando as minhas forças”, diz.

No texto, Vattimo – ele mesmo ressalta – incita a “lutar para que a humanidade sobreviva ao poder nivelador da tecnologia e do capitalismo”.

Apesar

  • de seu passado de convicta militância comunista
  • e do seu compromisso com a liderança nacional pela “Coordenação Homossexual” na Itália,
  • o estudioso assegura que nunca deixou de ser católico.
  • Mesmo quando jornalistas e observadores o transformaram em um ícone agnóstico.

Mas Vattimo nunca se esqueceu do seu tempo na Juventude Estudantil da Ação Católica e da sua infância no oratório. Também não nega sua adesão no Partido Radical, aos Democratas de Esquerda e à Italia dei Valori, com a qual foi eleito deputado em 2009, sempre reivindicando sua filiação comunista.

 

Essa fase, no entanto, passou: o filósofo diz que se sente hoje mais católico do que nunca, porque, especifica, identifica-se no “catolicismo de Francisco”. Em vez disso, no passado, admite, ele não declarava abertamente sua filiação religiosa, porque a sentia “como um peso”. Agora está “contente” por pertencer à Igreja.

“De Francisco, tocam-me o seu modo de se apresentar ao mundo, as suas novidades, como o fato de me chamar ao telefone, por exemplo… Ele é um papa novo, sem faltar com o respeito para com aqueles que o antecederam. Eu sempre digo que ele é um papa que me tira a ‘vergonha’ de me declarar católico, onde se declarar católico é um problema. Às vezes me perguntam: ‘Mas como você pode crer em certas coisas?’. Com esse papa, eu não tenho nenhum constrangimento em dizer que acredito.”

“Eu espero – conclui Gianni Vattimo – que as coisas que ele está fazendo possam deixar um sinal importante na Igreja.

  • O problema é que a Igreja não é só o papa.
  • Eu tenho que admitir que não vejo uma grande transformação na Igreja em geral.
  • Parece-me que ainda há uma grande inércia, uma espécie de preguiça no grande corpo da Igreja, que requer tempo para ser transformada.
  • O papa precisa avançar ainda mais.
  • Parece-me que ele é um pouco lento em ditar as novidades. Mas ele é o papa, e eu sou um simples fiel ‘periférico’.”

 

Andrés Beltramo Álvarez

 

 

LEIA MAIS:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>