Qual é seu uniforme?

 

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs – Roma 13 de junho de 2018

Foto: mulheresemrotulo

 Em nome da razão e de uma pretensa liberdade sem regras nem freios, “a modernidade empregou uma grande parte de seu tempo e muita energia a combater a comunidade”, afirma Bauman (Cfr. Zygmunt Bauman, La vie en miettes-experiénce postmoderne et moralité, Librairie Arthème Fayard/Pluriel, Paris, 2014, pág. 372).

Da mesma forma que outras formas pré-modernas de relações humanas, a comunidade entrava na lista dos resíduos tradicionais a serem extirpados. Além de ser vista como lugar de pressão e não raro de escravidão, impedia o intercâmbio sem fronteiras do liberalismo político e econômico.

 

O mesmo pode-se afirmar com respeito a determinados formas de relacionamentos familar e de parentesco. Entretanto, com o advento da chamada pós-modernidade (ou modernidade tardia), numerosas referências com seus laços sólidos e orientadores “se desmancham no ar” ou “se liquidificam”, para usar respectivamente a frase do Manifesto Comunista ou a metáfora do próprio Bauman.

O autor constata:

“Nós provamos com frequência uma irresistível ‘necessidade de pertença’ – uma necessidade de identificar-se não somente como seres humanos individuais, mas também como membros de uma identidade maior. Essa identificação por adesão deve fornecer, espera-se, o fundamento sólido sobre a qual construir uma identidade menor e mais frágil.

Na medida em que estão em ruínas certas identidades antigas e sólidas, as quais garantiam e apoiavam as identidades individuais, enquanto outras perdem rapidamente o seu poder de força, verifica-se uma demanda por novas identidades, aptas a promover julgamentos firmes e com autoritdade” (idem, pág. 372).

 

Isso explica uma atitude negativa quanto a um certo fanatismo, mas, ao mesmo tempo confirma a valor da Vida Regiosa Consagrada (VRC) em um tempo desprovido de referências firmemente ancoradas.

O fanatismo já é bem conhecido e notório. Nasce de uma leitura fatalista e fundamentalista da história para defender-se contra a sensação, real ou aparente, do caos e do medo, da desordem e do anonimato.

Em sua raiz mais profunda está a busca ansiosa de uma nova ordem estabelecida,

  • o que traz abrigo, proteção e segurança
  • para quem em meio à tempestade não dispõe de bússula.

Numerosos movimentos políticos, ideológicos ou religiosos emergem com essa marca registrada. Prova disso é o uso exagerado e doentio de um uniforme como símbolo de identidade.

Como se a modo de vestir-se dividisse a sociedade em

  • “bons” e “maus”,
  • “nós” e “eles”,
  • “convertidos” e “não convertidos”
  • ou ainda “salvos” e “condenados”.

No fundo, todo o fundamentalismo – novamente de caráter político, ideológico ou religioso – costuma apresentar-se com os olhos e a língua inflamados, o que tem varrido a história de violência, tragédia e morte.

No caso da VRC, a sensação de caos e de desordem procura defender-se não tanto através de uma segurança imediata  e quase que mágica. Sem dúvida, é preciso reconhecer que tudo o que debatemos no parágrafo anterior pode surgir (e efetivamente tem surgido) no interior da Vida Religiosa. Basta ver

  • o retorno do hábito e de certos hábitos,
  • da rigidez dos ritos,
  • da solenidade afetada e ostensiva,
  • do formalismo aparente
  • e de outras exterioridades estéreis e suspeitas.

Mas neste caso trata-se de um claro desvio. De fato, a razão de ser das diversas formas de VRC

  • não está nas aparências,
  • e sim na centralidade e no seguimento de Jesus Cristo,
  • no cultivo de um carisma específico
  • e na importância da vida comunitária.

Sua identidade mergulha as raízes

  • na Boa Nova do Evangelho,
  • na herança do/a Fundador/a
  • e na vida em comum.

O reencontro com a comunidade, enquanto forma de identidade primordial e de pertença familiar, aliado ao cuidado da mística e da missão, consiste hoje em dia numa referência sólida, que pode garantir e renovar as energias.

Família e comunidade são terrenos férteis para reacender a chama da fé, da esperança e da utopia.

Essa relações interpessoais formam a base para combater o vírus

  • da apatia,
  • do desinteresse
  • e do desencanto
  • que dominam as pessoas e a própria ação social e política.

Ou para passar da “globalização da indiferença à cultura da solidariedade”, diria o Papa Francisco.

Não se trata de vestir um uniforme vistoso e com tendência crescente à sofisticação, mas um uniforme revestido de uma profunda opção interior, iluminado pelo rosto de Deus e tecido com os mesmos fios que tecem a vida dos pobres e excluídos.

 

Resultado de imagem para Pe.Alfredo Gonçalves

 

Pe. Alfredo Gonçalves

 

Fonte: enviado por e-mail pelo autor

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>