A Bela e a Fera. O encontro de Macron com Trump

“A cena de fundo desse antagonismo entre Macron e Trump poderia ser sintetizada como um intercâmbio entre a Bela e a Fera. Enquanto o presidente francês ofereceu a Trump a possibilidade de um acordo revisado, Trump, diante de seu convidado, qualificou o acordo de 2015 como ‘ridículo, insano e terrível’ e advertiu que se Teerã reativasse o programa nuclear ‘haveria um problema maior que nunca’”. A análise é de Eduardo Febbro, em artigo publicado por Página/12, 25-04-2018. A tradução é de André Langer.

 

Eis o artigo.

A eterna disputa entre a Europa e os Estados Unidos pela hegemonia no Oriente Médio apareceu novamente na viagem que o presidente francês Emmanuel Macron faz para os Estados Unidos. Além das decorativas teatralidades de cada visita, o tema por excelência foi o Irã. 

Trump e Macron lutam por objetivos opostos:

  • o primeiro tem uma vaga noção do que está em jogo além de suas gesticulações midiáticas;
  • o segundo está consciente dos desastres que acarretaria uma ruptura do acordo nuclear com o Irã que Teerã negociou com a administração anterior de Barack Obama.

O texto congelava o programa nuclear iraniano por um período de 10 anos e foi assinado em julho de 2015 em Viena pelo grupo 5 mais um (os cinco membros do Conselho de Segurança:

  • Estados Unidos,
  • Grã-Bretanha,
  • França,
  • China
  •  e Rússia,
  • mais a Alemanha e o Irã).

Atualmente, além da França, a Grã-Bretanha, a China e a Rússia defendem que os termos e a validade do referido acordo sejam “respeitados”. O Irã recusa-se a mudar o miolo do texto e ameaçou retirar-se do Tratado de Não Proliferação Nuclear.

*

A cena de fundo desse antagonismo entre Macron e Trump poderia ser sintetizada como um intercâmbio entre a Bela e a Fera.

  • Enquanto o presidente francês ofereceu a Trump a possibilidade de um acordo revisado,
  • Trump, diante de seu convidado, qualificou o acordo de 2015 como “ridículo, insano e terrível”
  • e advertiu que se Teerã reativasse o programa nuclear “haveria um problema maior que nunca”.

Fiel à sua impulsividade, o presidente dos Estados Unidos deu um ultimato, tanto aos europeus quanto ao Irã:

  • se até o dia 12 de maio os europeus não mudarem de posição e não aumentarem sua pressão diplomática sobre Teerã,
  • o acordo sobre o programa nuclear iraniano perderá sua validade.

A palavra que Trump usou é um fruto puro de seu campo de ódio: “rasgar”.

Macron respondeu-lhe com outro estilo.

“Não se rasga um acordo para ir a lugar nenhum. Constrói-se um acordo mais amplo capaz de cobrir o conjunto de nossas preocupações”.

O território da pedagogia será árduo. O chefe de Estado francês tenta fazer Trump entender que, no caso de uma nova crise, a questão não se limitaria ao Irã, senão que ultrapassaria a região, a começar pela Síria.

Atualmente, Paris propõe um plano que consiste em quatro etapas e que parte da manutenção da vigência do atual acordo:

  • primeira, o bloqueio de qualquer atividade nuclear iraniana até 2025.
  • Segunda, impedir as atividades nucleares;
  • terceira, parar também a atividade balística
  • e, por último, criar as condições de estabilidade política na região.

Macron também considera que

  • é impossível pactuar com o Irã
  • sem levar em conta um capítulo em que se associe Teerã à reversão da crise síria,
  • o que também deveria implicar a Rússia e a Turquia.

Macron reconheceu que, a este respeito, Washington e Paris não compartilham “as mesmas posições”. No entanto,

  • apesar da beligerância patriótica de Trump,
  • a divergência não parece ter fechado a possibilidade de avançar.

Macron disse que “as discussões permitem abrir o caminho para um novo acordo”. Segundo adiantam analistas da imprensa francesa, o confronto de fundo entre Macron e Trump é tático:

  • o primeiro vai com luvas de seda,
  • o segundo com mísseis,
  • a começar pelos (mísseis) da retórica com os quais ele já acostumou o mundo.

Para Trump – e esse é o seu vocabulário – tudo é dividido entre “bom” e “mau”. Entre os dois e para além disso não há nada. A verdade é que

  • por trás de todas essas bravatas há uma mesa de trabalho ativa.
  • Membros do Departamento de Estado norte-americano, chefiados por Brian Hook, estão negociando com ParisLondres e Berlim como o acordo poderia ser concluído.

Fechado entre seus falcões e outros lobbies, Trump não vê outra coisa.

  • Compulsivo e caprichoso,
  • o presidente pode precipitar um desastre no Oriente Médio.
  • Coisa que o ex-presidente George W. Bush já fez com sua guerra mentirosa (2003, Segunda Guerra do Iraque).

As consequências continuam a ser pagas. Talvez, como aconteceu com a missão punitiva na Síria, seja apenas um joguinho sujo de ameaças e provocações por parte de um presidente que tomou o mundo por uma briga de bairro.

Desta vez, no entanto, existem aqueles que podem colocar limites. RússiaChinaGrã-Bretanha e França coordenaram-se para traçar um cordão de segurança diante da demência geopolítica de Trump.

 

Imagen del autor

 

 

Eduardo Febbro

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/578332-a-bela-e-a-fera

 

 

.

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>