O Papa: “Vergonha por um mundo devorado pelas guerras e pelo lucro”

Cerca de 20 mil pessoas na Via Crucis no Coliseu: “Tenta-se desacreditar a Igreja. Alguns ministros iludidos por ambição e vanglória perderam a dignidade »

 

Resultado de imagem para O Papa: Vergonha por um mundo devorado pelas guerras e pelo lucro

SALVATORE CERNUZIO –  Roma, 30/03/2018

O Papa  em oração durante a Via Crucis no Coliseu – Foto: AGORAMS 

«Senhor Jesus, o nosso olhar está voltado para vós, cheio de vergonha, de arrependimento e de esperança». Faltam apenas alguns minutos para 22.30 quando a oração do Papa ressoa ao longo da ‘Via dei Fori Imperiali’ até ao Arco de Constantino, onde 20 mil fiéis estão reunidos para a tradicional Via Crucis da Sexta-Feira Santa no Coliseu, “piedoso exercício” da igreja antiga recuperado nos tempos modernos por Paulo VI e continuado pelos Pontífices seus sucessores.

 

Idosos, homens, mulheres, crianças, estrangeiros, pessoas com deficiência, freiras, padres: cada um tem na mão os próprios flambeaux tentando proteger a chama das pequenas gotas de chuva que tornam quase outonal o clima da Capital.

Após as 14 estações, acompanhadas pelas meditações dos quinze alunos e ex-alunos do Liceu ‘Pilo Albertelli’ de Roma, coordenadas pelo professor de religião Andrea Monda, cabe ao Papa tomar a palavra e elevar a Deus uma oração universal dos fiéis cuja primeira palavra é ‘vergonha’.

“Que diante do vosso supremo amor nos invada a vergonha por ter-vos deixado sozinho a sofrer pelos nossos pecados” – diz Bergoglio do palco montado junto ao Palatino, endossando a sua capa branca, com uma enorme cruz flamejante às suas costas.

A voz é débil, mas é poderosa a “vergonha” que Francisco exprime – “porque muitas pessoas, e até mesmo alguns dos teus ministros, deixaram-se iludir pela ambição e pela vanglória perdendo a sua dignidade e o seu primeiro amor.” Vergonha, “porque as nossas gerações estão deixando aos jovens um mundo fraturado pelas divisões e pelas guerras; um mundo devorado pelo egoísmo onde os jovens, os pequenos, os doentes, os idosos são marginalizados“.

Para o Papa, há também

  • “a vergonha de termos corrido diante da provação, apesar de termos dito milhares de vezes: “ainda que todos vos deixem, eu nunca vos deixarei”;
  • a vergonha de termos  escolhido “o poder e não a vós, a aparência e não a vós, o deus dinheiro e não a vós, a mundanidade e não a eternidade”.
  • «A vergonha por ter perdido a vergonha»,

diz o Pontífice, pedindo a Deus que dê a todos «a graça da santa vergonha!».

Junto com essa graça, o Papa pede a do “arrependimento”, aquele que “nasce da certeza de que

  • só vós podeis salvar-nos do mal,
  • só vós podeis curar- nos da nossa lepra de ódio, de egoísmo, de orgulho, de soberba, de avareza, de vingança, de ganância, de idolatria,
  • só vós podeis reabraçar-nos devolvendo-nos a dignidade filial e regozijar-se com o nosso retorno a casa, à vida”.

É “o arrependimento que nasce do sentir a nossa pequenez, o nosso nada, a nossa vaidade e que se deixa acariciar pelo vosso suave e poderoso convite à conversão”.

A estes dois sentimentos faz companhia a esperança, ‘centelha’ que se desprende da consciência de “que a vossa única medida de amar-nos – diz o Papa Francisco a Deus –  é amar-nos sem medida”.

Daí portanto a esperança, porque

“a vossa mensagem continua a inspirar, ainda hoje, a tantas pessoas e povos que só o bem pode vencer o mal e a maldade, só o perdão pode derrubar o rancor e vingança, só o abraço fraternal pode afastar a hostilidade e o medo do outro”.

  • A esperança que «acaricia os corações de tantos jovens que continuam a consagrar a vós as suas vidas, tornando-se exemplos vivos de caridade e de gratuidade neste nosso mundo, devorado pela lógica do lucro e do ganho fácil»;
  • a mesma esperança que anima tantos missionários e tantas missionárias que “continuam, ainda hoje, a desafiar a consciência adormecida da humanidade, arriscando suas vidas para servir-vos nos pobres, nos descartados, nos imigrados, nos invisíveis, nos explorados, nos famintos e nos presos”.
  • Esta esperança – continua Bergoglio – também está viva na Igreja, que é “santa e formada por pecadores” e que, “apesar de todas as tentativas para desacreditá-la” continua a ser “uma luz que ilumina, encoraja, eleva e testemunha o vosso amor sem limites pela humanidade, um modelo de altruísmo, uma arca de salvação e uma fonte de certeza e verdade”.
  • “A esperançaconclui o Bispo de Roma – porque da vossa cruz, fruto da avidez e da covardia de tantos doutores da Lei e hipócritas, surgiu a Ressurreição transformando as trevas do túmulo no fulgor da manhã de Domingo sem ocaso, ensinando-nos que o vosso  amor é a nossa esperança”.

Rezando com o Papa durante as 14 estações da ‘Via Crucis’ – transmitida para todo o mundo – estão fiéis de Roma e peregrinos da Itália e do mundo. Estão Chiara, Cecilia, Francesco, Flavia, Sofia, Greta, Valerio, os estudantes do ‘Albertelli’ que alternadamente carregam a cruz em várias Estações, enquanto são lidos os textos redigidos por eles em que a dor, – 

  • pelos “egoísmos que levam à solidão”,
  • pelo drama dos migrantes e dos marginalizados da terra,
  • por uma realidade ‘feita de jogos de palavras”, de  aparências, de hipocrisias das redes sociais,

–  se entrelaça com a esperança e o entusiasmo, vindos de gestos

  • de solidariedade,
  • de coragem
  • e de amor incondicional,
  • de um futuro que pode melhorar graças aos jovens,
  • de um mundo que pode reerguer-se e retomar a marcha como Jesus no caminho para o Gólgota.

Junto dos jovens está o vigário de Roma, monsenhor Angelo De Donatis, que carregou a cruz durante a primeira estação. E estão alguns representantes de todas aqueles cristãos que no mundo de hoje são vítimas de perseguição e de violências:

  • duas freiras iraquianasAlkhayat Leya e Hikma E. Hann, da ordem das Dominicanas de Santa Catarina, – que sobreviveram à violência do Estado Islâmico quando este, em agosto de 2014, forçou cerca de 120 mil cristãos a fugir da Planície de Nínive para Erbil, –
  • e uma família, os Sargi, provenientes da Síria.

Quem carrega a cruz é o pai Riad, diretor executivo da Cáritas Síria, ao lado da esposa Rouba Farah, da filha Leila e dos dois irmãos dela, Elias e Michael, nascidos 7/8 anos atrás. Que, portanto, desde que nasceram, só conheceram a guerra.

Entre os ‘Crucíferos’ do Coliseu estão também dois frades da Terra Santa,

  • Antonio D’Aniello e Elivano Luiz da Silva,
  • o padre José Narlaly, ministro geral dos Trinitários,
  • e três voluntários da UNITALSI1 que acompanharam Alicia, menina em cadeira de rodas, representando centenas de pessoas deficientes que, a cada ano, desde há anos, são assistidos pela associação.

Também nesta tarde são numerosos os voluntários e operadores mobilizados na área do Coliseu para apoiar e ajudar os peregrinos, especialmente os doentes.

Por último, registre-se a presença maciça das forças da ordem, cerca de 10 mil agentes nas ruas. Para a ocasião, foram tomadas medidas extraordinárias de segurança: a cidade foi blindada já desde a manhã, o percurso da ‘Via Crucis’ foi interditado desde as 13 horas, a estação do metrô foi fechada e foram criadas duas áreas de segurança com portões de acesso e detectores de metais. Também foram reforçados os controles nos edifícios ocupados por migrantes e ativadas mais de cem câmeras para monitorar a área entre o Coliseu e o Vaticano.

1 UNITALSI – Unione Nazionale Italiana Trasporto Ammalati a Lourdes e Santuari Internazionali [União Nacional Italiana de Transporte de Doentes a Lurdes e Santuários Internacionais].

 

Resultado de imagem para SALVATORE CERNUZIO

 

Salvatore Cernuzio

Fonte: http://www.lastampa.it/2018/03/30/vaticaninsider/ita/vaticano/il-papa-alla-via-crucisvergogna-per-un-mondo-fratturato-da-guerre-e-divisioni-7gnOGJgHggCoPWNO7rAm1J/pagina.html

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>