Óscar Romero assassinado há 38 anos: não vergar perante leis imorais

 Antonio Marujo,  24 de março 2018 

Foto: Óscar Romero, em 1979, fotografado na igreja de San Antonio Los Ranchos, em Chalatenango, El Salvador (foto de fr. Octavio Duran/CNS, reproduzida daqui

Foi um bispo em construção: a 24 de Março de 1980, faz hoje 38 anos, Óscar Romero, arcebispo de San Salvador (capital de El Salvador) foi assassinado quando celebrava a eucaristia. Mártir sem o querer ser, só o foi por assumir aquilo que para ele era o essencial: anunciar o evangelho de Jesus, em quem acreditava. , nesse evangelho, incluir a centralidade da justiça, da paz, dos direitos humanos, da dignidade da pessoa, da não-violência.

Duas biografias publicadas em Portugal e um livro com uma selecção de textos do arcebispo podem ajudar a compor um retrato do arcebispo mártir, que deverá ser canonizado pelo Papa Francisco, ainda este ano.

E ajudam também a entender o itinerário pessoal de Romero e porque é que a sua canonização demorou 38 anos:

o medo

  • da mensagem de alguém que passou de “moderado” e “conservador”
  • a um bispo metido no meio do seu povo
  • e identificado na fase final da sua vida com a teologia da libertação,

prevaleceu nas estruturas de decisão da Igreja Católica.

No livro Óscar Romero – O amor deve triunfar (ed. Paulinas; o capítulo 7,  “Amor, a vingança dos cristãos”, pode ser lido aqui), Kevin Clark descreve bem os obstáculos que dominaram em diferentes estruturas da Igreja:

  • vários bispos salvadorenhos criticavam o empenhamento do arcebispo junto dos mais pobres e desprotegidos,
  • o núncio Emanuele Gerada (1920-2011) terá começado por apoiá-lo, confiando na sua “moderação”
  • e vários cardeais no Vaticano [como Alfonso Lopez Trujillo (1935-2008) ou Darío Castrillón Hoyos (n. 1929)] usavam o seu poder para influenciar o Papa João Paulo II – que, no início, não entendeu o arcebispo e acabaria por ceder às acusações medíocres, retardando o seu processo de beatificação.

Romero nasceu no contexto de um continente e um país grandes contrastes, como muito bem descreve o livro de Clarke, que conhece bem o pensamento e acção do arcebispo:

“Sessenta por cento da melhor terra de El Salvadorera controlada por menos de dois por cento da sua população”, exemplifica o autor.

Rapidamente, os grandes produtores de café, principal fonte de riqueza do país, converteram o poder económico em poder político. De tal modo que, entre 1898 e 1931, a presidência do país esteve sempre nas mãos de produtores de café, recorda ainda Clarke.

Em Oscar Romero – A biografia (ed. AO), o autor, Roberto Morozzo della Rocca, escreve:

Para Romero, o drama de El Salvador tinha origem essencialmente na injustiça social e exprimia-se pela violência desumana e inaceitável.”

E, como dizia o próprio bispo, citado no mesmo livro:

“Se é verdade que não se pode perdoar o terrorismo nem a violência em nome do desacordo, também não se pode justificar a violência oficialmente instituída.”

Era um quadro de miséria institucionalizada e violência extrema: calcula-se que, só entre 1979 e 1981, tenham morrido mais de 30 mil pessoas e o próprio Romero dizia que a sua vocação parecia ser “andar por aí a recolher cadáveres”. E

  • foi nessa realidade de condenação dos mais pobres a uma vida de sujeição a um regime de indigência e quase escravatura
  • que Romero começou a tocar nas feridas da sociedade em que vivia, procurando as suas causa e a cura das mesmas:

“As minhas pregações não são políticas. São pregações que, naturalmente,

  • tocam a política,
  • tocam a realidade do povo,
  • mas para a iluminar
  • e dizer-lhe o que é que Deus quer e o que não quer”,

dizia o próprio arcebispo, citado no livro A Doce Violência do Amor (ed. Consolata Editora) que recolhe excertos de textos, homilias e discursos de Oscar Romero (uma apresentação do livro em Lisboa, em 2013, com o actual cardeal Gregório Rosa Chávez pode ser vista aqui)

Preocupado com esta realidade social, Romero situava-se inicialmente no campo das denúncias genéricas da mesma. Ele próprio criticava o empenhamento de padres, religiosos e outros cristãos nessa dinâmica de combate às injustiças gritantes que existiam no país e vitimavam muitos responsáveis e membros das comunidades cristãs.

 

Óscar Romero com um grupo de mulheres e crianças, em El Salvador,  numa foto não datada (CNS/Octavio Duran)

 

Kevin Clarke conta mesmo alguns episódios em que Romero retirou determinadas funções a alguns padres por causa de alegadas cumplicidades marxistas. Na excelente biografia que traça de Romero, o autor americano – editor-chefe da revista jesuíta America – dá conta da evolução desse percurso, assinalando o assassinato do padre jesuíta Rutilio Grande, em 1977, como o ponto de viragem no discurso e prática de Romero.

Mais cauteloso, Morozzo della Rocca fala de uma evolução e não de uma conversão e tenta distanciar Romero de Ignacio Ellacuría e seus companheiros, os jesuítas da UCA (Universidade Centro-Americana), que viriam a ser igualmente assassinados em Novembro de 1989 – facto verdadeiro numa primeira fase, mas errado quando Romero aprofunda a sua acção.

Lentamente, o arcebispo foi evoluindo para a denúncia das estruturas sociais injustas, passando a ser, ele próprio, um alvo dos comandos militares que espalhavam o terror no país. O que o levaria rapidamente ao martírio.

Se o seu processo foi uma evolução lenta ou uma conversão rápida, isso é o menos importante. No prefácio de A Doce Violência do Amor, Eugénio Fonseca escreve:

“Houve, com efeito, um dinamismo de conversão do bispo Óscar Romero que passou de uma ideia e de uma prática de caridade assistencialista e ajuda paternalista para uma atitude caritativa diferente.”

Desse caminho, quer Kevin Clarke quer Morozzo della Rocca vão dando conta, em ambas as biografias (mais assertivo o primeiro, mais cauteloso, o segundo).

Como também revelam um conjunto de pormenores em que vários membros da hierarquia católica se vão empenhando para contrariar a acção e o pensamento do bispo salvadorenho, como contava em Lisboa, em 2013, o seu mais próximo companheiro, hoje cardeal Gregório Rosa Chávez.

 

Também

  • o debate sobre o martírio
  • e o arrastamento da decisão sobre o processo de beatificação

são bastante esmiuçados em ambos os livros. E Kevin Clarke aprofunda ainda as razões da proximidade entre Romero e o Papa Francisco.

Na véspera do seu assassinato, o arcebispo dirigia-se aos soldados dos esquadrões da morte que espalhavam o terror no país:

“Irmãos, vós pertenceis ao vosso próprio povo. Vós matais os vossos próprios irmãos camponeses; e, frente a uma ordem para matar dada por um homem, a lei de Deus que diz ‘não mates’ deve prevalecer. Nenhum soldado é obrigado a obedecer a uma ordem contra a lei de Deus. Ninguém tem de se vergar frente a uma lei imoral.” 

Foi por não se vergar a leis imorais que Romero foi morto, faz hoje há 38 anos.

(Ao lado: capa de A Doce Violência do Amor).

 

Sobre o arcebispo Óscar Romero, pode ler-se aqui uma outra evocação e algumas das suas propostas; há duas semanas, Fernando Calado Rodrigues comentava a decisão da canonização, dizendo que

  • “os que são lançados e abandonados nas valetas das ruas de Calcutá;
  • os que são explorados e escravizados na América Latina;
  • ou os pobres dos países subdesenvolvidos”

sobem aos altares com esta e outras canonizações; e aqui pode ler-se, em inglês, a evocação do frade franciscano Octavio Duran, que acabou por ser um como que o fotógrafo oficioso de Óscar Romero.)

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>