QUEM DESAFIA QUEM?

Resultado de imagem para Fe e Ciência

Frei Bento Domingues – 10/12/17

A ciência e a tecnologia ajudaram-nos a aprofundar os confins do conhecimento da natureza e, em particular, do ser humano. Elas sozinhas não são suficientes para todas as respostas. O ser humano tem outras dimensões.

É necessário recorrer aos tesouros da sabedoria conservados nas tradições religiosas do saber popular, à literatura, às artes e a tudo o que toca o mistério da existência humana, sem esquecer a filosofia e a teologia.

  1.      A guerra de insultos entre ciência e religião só pode ser alimentada e divulgada pelo persistente desconhecimento da natureza destas duas atitudes e práticas, igualmente humanas e diversas. Não são concorrentes, pois não brotam das mesmas perguntas, nem seguem os mesmos caminhos. Uns são os métodos da investigação científica, outros os percursos da experiência religiosa.

Certas formas de ateísmo contemporâneo, com ou sem invocações científicas, pretendem mostrar que a religião é um veneno. Para os adversários deste neoateísmo trata-se, apenas, “da última superstição”. São, de facto, duas apologéticas ideológicas. Deliciam-se a encontrar as formas mais sofisticadas ou mais grosseiras de se desqualificarem mutuamente. Distorcem um debate necessário, que não pode ser feito nesses termos, nem nesse clima crispado e de propaganda[1].

Muito diferente é o estilo de Francisco J. Ayala, um biólogo, membro da Academia Nacional das Ciências dos USA, que também teve uma exímia preparação teológica. Ao terminar a sua obra sobre a evolução e a fé religiosa mostra que elas não são incompatíveis. Os crentes podem ver a presença de Deus no poder criativo do processo de selecção natural, descoberto por Darwin. Como este escreve no final da Origem das Espécies, “existe grandeza nesta concepção de que a vida, com as suas diferentes forças, foi alentada pelo Criador … e que, a partir de um princípio simples se desenvolveram uma infinidade de formas, as mais belas e poderosas”[2].

Hoje, existem bastantes pessoas com preparação científica e teológica para não se fazer de uma teoria científica e de uma convicção de fé religiosa um campo de batalha. Na religião não vale tudo. Jesus Cristo passou o tempo a denunciar a religião em que foi criado quando ela não servia a vida e alegria dos seres humanos.

 

2. O Papa Francisco[3], no passado dia 18 de Novembro, ao receber os Membros, Consultores e Colaboradores do Pontifício Conselho para a Cultura, assumiu, no seu discurso, uma posição descontraída, como se fosse absolutamente normal

  • a Igreja ser desafiada e desafiar a questão das questões,a questão antropológica, 
  • e encontrar as linhas futuras de desenvolvimento da ciência e da técnica.

Bergoglio realçou que este Conselho para a Cultura tinha concentrado a sua atenção, de modo particular, em três tópicos.

  • O primeiro é sobre a medicina e a genética, que nos permitem olhar para dentro da estrutura mais íntima do ser humano e até intervir nela para a modificar. Tornam-nos capazes de debelar doenças que até há pouco tempo eram consideradas incuráveis; mas abrem, também, a possibilidade de determinar os seres humanos, “programando”, por assim dizer, algumas das suas qualidades.
  • Em segundo lugar, as neurociências que oferecem cada vez mais informações sobre o funcionamento do cérebro humano. Através delas, realidades fundamentais da antropologia cristã como a alma, a consciência de si e a liberdade aparecem, agora, sob uma luz inédita e até podem ser postas seriamente em discussão por parte de alguns.
  • Finalmente, os incríveis progressos das máquinas autónomas e pensantes, que em parte já se tornaram componentes da nossa vida quotidiana, que nos levam a meditar sobre aquilo que é especificamente humano e nos torna diferentes das máquinas.

Todos estes desenvolvimentos científicos e técnicos induzem algumas pessoas a pensar que nos encontramos

  • num momento singular da história da humanidade,
  • quase na alvorada de uma nova era
  • e no surgimento de um novo ser humano, superior àquele que conhecemos até agora.

As interrogações e as questões que devemos enfrentar são graves. Por isso a Igreja, que acompanha, com atenção,

  • as alegrias e as esperanças,
  • as angústias e os medos do nosso tempo,
  • deseja colocar a pessoa humana e as questões que lhe dizem respeito, no centro das suas próprias reflexões.

A antropologia

  • é o horizonte de auto compreensão no qual todos nos movemos, diz o Papa,
  • e determina a nossa noção do mundo e as escolhas existenciais e éticas.

Hoje, apercebemo-nos de que os grandes princípios e os conceitos essenciais são constantemente postos em questão, inclusive com base num maior conhecimento da complexidade da condição humana. Exigem novos aprofundamentos. Por outro lado,

  • as mudanças socioeconómicas,
  • os deslocamentos de populações,
  • os confrontos interculturais,
  • a propagação de uma cultura global
  • e, sobretudo, das incríveis descobertas da ciência e da técnica

inscrevem-se num contexto mais fluido e mutável.

 

  1. Bergoglio pergunta: Como reagir a estes desafios?

Antes de tudo, diz, devemos expressar a nossa gratidão aos homens e às mulheres de ciência pelos seus esforços e pelo seu compromisso a favor da humanidade.

Este apreço pelas ciências, que nem sempre soubemos manifestar, continua o Papa, encontra o seu fundamento último no desígnio de Deus, que nos escolheu antes da criação do mundo como seus filhos adoptivos[4], confiando-nos o cuidado da criação: cultivar e salvaguardar a terra[5].

Precisamente porque o ser humano é imagem e semelhança de um Deus que criou o mundo por amor, o cuidado de toda a criação deve seguir a lógica

  • da gratuidade e do amor,
  • do serviço
  • e não do domínio nem da prepotência.

A ciência e a tecnologia ajudaram-nos a aprofundar os confins do conhecimento da natureza e, em particular, do ser humano. Elas sozinhas não são suficientes para todas as respostas. O ser humano tem outras dimensões. É necessário recorrer

  • aos tesouros da sabedoria conservados nas tradições religiosas do saber popular,
  • à literatura,
  • às artes
  • e a tudo o que toca o mistério da existência humana, sem esquecer a filosofia e a teologia.

Não estamos no pior nem no melhor dos mundos. Os progressos científicos e tecnológicos são incontestáveis, mas

  • a quem aproveitam?
  • Quem são os seus beneficiários?
  • Servem para o bem da humanidade inteira ou criam novas desigualdades?

As grandes decisões sobre a orientação da pesquisa científica e sobre os investimentos que exigem

  • devem ser tomadas pelo conjunto da sociedade
  • ou ditadas apenas pelas regras do mercado ou pelo interesse de poucos?

Com o Papa Francisco entramos numa Igreja que aceita ser desafiada, mas que desafia, não como quem manda, mas como quem serve a casa comum

 

Frei Bento Domingues

 

Fonte: https://www.publico.pt/2017/12/10/sociedade/opiniao/quem-desafia-quem-1795281

.

Notas:

[1] Edward Feser, A última superstição. Uma refutação do neoateísmo, Ed. Cristo Rei, Belo Horizonte, 2017

[2] Cf. Darwin y el Diseño Inteligente. Creacionismo, Cristianismo Y Evolución, Alianza Editorial, Madrid, 2008, pp 206-207

[3] Discurso do Papa Francisco ao Pontifício Conselho para a Cultura

[4] Ef 1, 3-5

[5] Cf. Gn 2, 15

 

 

 

 

Fonte:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>