ENTRE O FIM E O COMEÇO

Resultado de imagem para SaõTomás de Aquino

Frei Bento Domingues O.P. – 03/12/2017

  1. Foi há 60 anos que li, pela primeira vez, na Summa Theologiae, de S. Tomás de Aquino, uma advertência que não se destinava apenas a principiantes: em teologia, é preciso evitar argumentações pretensiosas, sem fundamento rigoroso.

Quem as usa oferece aos infiéis matéria para se rirem da fé, pois ficarão com a ideia de que as afirmações dos crentes são todas igualmente estúpidas[1].

 

Existem instituições eclesiásticas que se tornaram um obstáculo evidente

  • ao desenvolvimento da vida cristã da Igreja e
  • à realização da sua missão essencial na sociedade.

Seria normal que fossem submetidas a uma avaliação rigorosa e se procedesse à sua reorientação e reconfiguração. Não é assim que acontece. Não é pelos frutos que se conhece a árvore? Insiste-se, pelo contrário, na sua sacralização para não se poder mexer nelas e arranjam-se razões que servem apenas para afastar os crentes e fazer rir os agnósticos e ateus.

      O regime atual dos ministérios ordenados está a secar as comunidades católicas e a privá-las da Eucaristia a que todos os batizados têm direito.

  • E. Schillebeeckx mostrou que era possível encontrar respostas criativas que não precisavam de passar pelos seminários.
  • O Cardeal Ratzinger bem se esforçou, mas não encontrou razões para invalidar as propostas finais do teólogo dominicano.
  • Yves Congar, a figura maior da eclesiologia católica no séc. XX, declarou que as assinava, sem reticências.

Nada feito. A situação continua a agravar-se. O caso tão badalado do “padre da Madeira” encontrou na hierarquia declarações que não deixam ninguém indiferente: uns sofrem com elas e outros riem-se. A retórica eclesiástica, mal argumentada, acaba por deixar mal as crianças, a família, os padres e o celibato. S. Tomás de Aquino tinha razão[ii].

 

2. O Papa, neste caso e semelhantes, não pode fazer nada?

Não se esqueça que o Papa

  • é bispo de Roma,
  • não é bispo da Madeira
  • ou de Lisboa.

Terá um dia de alterar o modelo de escolha e nomeação dos bispos. Mas a nível central, não lhe tem faltado trabalho com a reforma da Cúria. Foi João XXIII, nos tempos modernos, o primeiro a defender que seria um bem geral “sacudir a poeira imperial, que foi caindo, desde Constantino, sobre o trono de Pedro”. O Papa Francisco continua às voltas com essa herança pesada e paralisante[iii].

Bergoglio tem um programa envolvente de que não abdica, apesar de todas as resistências. Propõe: “ Em vez de ser apenas uma Igreja que acolhe e recebe, tendo as portas abertas, procuramos mesmo ser uma Igreja que encontra novos caminhos, que é capaz de sair de si mesma e ir ao encontro de quem a não frequenta, de quem a abandonou ou lhe é indiferente. Quem a abandonou fê-lo, por vezes, por razões que, se forem bem compreendidas e avaliadas podem levar a um regresso. Mas é necessário, audácia, coragem”[iv].

As dificuldades de Jesus Cristo, ao propor uma mudança de mentalidade aos seus contemporâneos e aos membros do povo a que pertencia,

  • encontrou uma grande adesão no mundo dos excluídos, mulheres e homens,
  • e uma resistência implacável entre os privilegiados e, sobretudo, entre os fariseus, os que não entravam no novo projecto de vida nem deixavam entrar.

O Papa Francisco não hesita em lembrar estas passagens dos Evangelhos para comparar com o que está a acontecer com as reformas que propõe. Certos cardeais, bispos, padres, seminaristas – e outros grupos organizados – são os que mais resistem às reformas que ele propôs e que são inadiáveis. As resistências, activas e passivas, são cada vez mais declaradas e ridículas. Assim como aconteceu com Cristo, nenhuma ameaça o tem paralisado.

 

3. Muito se discutiu se a História tem ou não sentido. Não vou reabrir esse dossier[v], mas fiquei, mais uma vez, fascinado com o desenlace do Capítulo 25 do Evangelho de S. Mateus. É uma parábola. É a coroa de duas anteriores. Parece ser o julgamento final.

Como parábola está sujeita a várias interpretações. É muito estranha. A divindade não está separada do devir do mundo. Mais ainda, está identificada com todas as pessoas, que não têm todas o mesmo comportamento. O que as divide? O modo como olham para o vizinho, para o socorrer ou para o ignorar.

É um golpe fatal na religião que está apenas preocupada com Deus. Quem se preocupa só com Deus, nem com Deus se preocupa.

Cristo não surgiu com uma nova organização religiosa concorrente no mundo das religiões. O seu embate constante foi com as instituições do Povo de Deus, que esqueciam e maltratavam quem mais precisava de acolhimento e ajuda. O culto religioso tornara-se o adversário da alegria humana. Isto era absolutamente inaceitável para Jesus. O aforismo, o Sábado é para o ser humano e não o ser humano para o Sábado, é o símbolo da alteração mais radical no campo religioso, seja qual for a época.

O que, de facto, festejámos no Domingo passado foi,

  • por um lado, a vitória contra a indiferença. Não podemos andar no mundo e dizer não vi, não sei, não é comigo.
  • Por outro, o que faz a diferença e julga a vida de cada um é o estilo da sua própria vida.

Quando o Senhor da história se identifica com os socorridos ou abandonados,

  • não deixa nada para o fim.
  • É hoje que cada um diz a última palavra.

Celebramos, neste Domingo, o começo do Advento. Que não estamos no melhor dos mundos possíveis, é evidente. Se julgamos que é impossível alterá-lo, somos suicidas, niilistas. Não seríamos verdadeiramente humanos e muito menos cristãos.

Que fazer?

 

NOTAS:

[1] I q.46.a.2.

[ii] Cf. Ricardo Araújo Pereira, Discriminar como Jesus discriminou, Visão, 23.011.2017; Teresa Martinho Toldy, A Igreja fechada no seu Olimpo, Público, 25.11.2017

[iii] Yves Congar, Igreja serva e pobre, Ed. Logos, Lisboa 1964, p152

[iv] Entrevista do Papa Francisco, Sonho com uma Igreja Mãe e Pastora, Paulus, 2013, pp 36-37

[v] Francisco J. Ayala, Darwin Y el Diseño Inteligente. Creacionismo, Cristianismo Y Evolución, Aliança Editorial, Madrid, 2008

 

 

Frei Bento Domingues 

Fonte: https://www.publico.pt/2017/12/03/sociedade/opiniao/entre-o-fim-e-o-comeco-1794198

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>