Progresso e esperança – 1

De facto, os problemas estão aí, imensos, mas já diferentes do que normalmente julgamos. O livro teve, com mérito, enorme sucesso.

  • O seu autor: Johan Norberg.
  • O título: Progresso.
  • O subtítulo: Dez razões para ter esperança no futuro. Razões fundamentadas.

O autor sabe dos problemas que nos afligem.

  • “Terrorismo.
  • Estado Islâmico.
  • Guerra na Síria e na Ucrânia.
  • Crime, homicídio, execuções em massa.
  • Aquecimento global.
  • Fomes, cheias, pandemias.
  • Estagnação, pobreza, refugiados.

“Destruição e desespero em toda a parte”, como uma mulher declarou num inquérito de rua quando a rádio pública lhe pediu para descrever o estado do mundo. É isso que vemos nos noticiários e parece ser a história dos nossos dias. Cinquenta e oito por cento dos que votaram para a Grã-Bretanha sair da União Europeia no recente referendo levado a cabo no país dizem que a vida hoje é pior do que há trinta anos.”

Há razão para todo este pessimismo? Ou o que se passa é que os meios de comunicação social só se interessam pelas más notícias, porque as boas não são notícia?

“Os jornalistas estão sempre à espreita da história mais dramática na área geográfica por eles coberta”.

Mas o que é facto é que

  • o mais importante da nossa época é estarmos a assistir à maior melhoria dos padrões de vida globais jamais registada.
  • Pobreza, malnutrição, analfabetismo, mão de obra e mortalidade infantis estão a descer mais depressa do que em qualquer outro período da história humana. Ao longo do último século,
  • a esperança de vida aumentou mais de duas vezes o que aumentou nos duzentos mil anos anteriores.
  • O risco de exposição de um indivíduo à guerra, à morte numa catástrofe natural ou à ditadura em nenhuma outra época foi mais pequeno.
  • Uma criança que nasça hoje tem mais probabilidades de alcançar a idade da reforma do que os seus antecessores tinham de comemorar o quinto ano de vida”.

Evidentemente, não se pode ser ingénuo e ficar cego frente às guerras em curso, a crimes, às catástrofes, à pobreza e à miséria no mundo. Todos esses problemas são terrivelmente reais, tanto mais quanto os meios de comunicação social nos obrigam a tomar consciência deles. “A única diferença é que agora encontram-se em rápido declínio. O que hoje vemos são excepções, ao passo que antes eram a regra.”

Este progresso arrancou concretamente com o iluminismo intelectual dos séculos XVII e XVIII. Desde então continuamos a acumular conhecimentos, científicos e de outras ordens e “cada indivíduo pode basear o seu contributo nos das centenas de milhões de pessoas que o precederam, num círculo virtuoso”. “Seria um erro terrível” ignorar os problemas, as ameaças constantes, os perigos, e tomar os progressos da humanidade como garantidos. Mas este livro é “sobre os triunfos da humanidade”. E aí ficam as dez razões para ter esperança no futuro.

 

1. A mais básica das necessidades humanas consiste em obter energia suficiente para que o corpo e a mente funcionem, o que ao longo da história as pessoas nem sempre conseguiram. É indescritível o que se passou no decorrer dos tempos, também na Europa, neste domínio. “Os franceses e os ingleses do século XVIII ingeriam muito menos calorias do que a média actual na África subsariana, a região mais atormentada pela subnutrição”.

No centro da França, em 1662, “houve quem comesse carne humana”. No passado, trabalhava-se menos horas, e o motivo disso não deve causar inveja: as pessoas não tinham acesso às calorias necessárias para as crianças crescerem saudáveis e os adultos manterem funções corporais sadias.

  • As novas tecnologias agrícolas,
  • os fertilizantes artificiais,
  • a Revolução Verde,
  • o comércio internacional,

entre outras, foram armas decisivas contra o flagelo da fome.

A Suécia, país dos antepassados do autor, foi declarada livre da fome crónica no início do século XX. Também por isso, a população mundial passou de 1,6 mil milhões de pessoas em 1900 para os actuais mais de 7 mil milhões. Pela primeira vez na história da humanidade, o problema da comida começou a encontrar solução – nalguns casos até começou o problema contrário: o da obesidade – e de 1950 a meados dos anos 80, a população do mundo duplicou, passando de 2,5 mil milhões para 5 mil milhões.

E, contra os pesadelos de Malthus, “conforme se tornaram mais ricas e aumentaram a educação, as pessoas começaram a ter menos filhos, e não mais, como se previa”, o que, aliás, digo eu, por vezes, levanta problemas dramáticos, como é o caso de Portugal.

 

2. Saneamento. Para sustentar a vida, não basta a comida. É fundamental tratar resíduos e desperdícios. Sem isso, a água, essencial para a vida, fica contaminada e torna-se transmissora de calamidades, espalhando bactérias, vírus, parasitas, vermes. “Embora difícil de quantificar, parece que o principal problema de saúde ambiental do mundo continua a ser a contaminação da água para beber e para uso doméstico, combinada com a inexistência de um saneamento adequado para a eliminação de resíduos, fezes e urina.”

“Há relatos contemporâneos de aristocratas a defecar nos corredores de Versalhes e do Palais Royal. Na verdade, as sebes de Versalhes eram altas para servirem de divisórias entre os que aí se iam aliviar.” Em 1980, “apenas 24 por cento da população mundial tinha acesso a saneamento decente. Em 2015, esse número subiu para 68 por cento”.

A maior percentagem de população sem água nem saneamento vive na África subsariana, mas, mesmo aí, houve “um aumento de 20 pontos percentuais no uso de água potável de fontes melhoradas de 1990 a 2015”.

 

Continuaremos. 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>