Francisco sobre: 3. a Igreja e a alegria

Continuo com os diálogos do Papa Francisco e de Dominique Wolton: Politique et société.

Anselmo Borges 06/10/2017

Perguntam-me: “Mas pode dar-se a comunhão aos divorciados?” Respondo: “Falai com o divorciado, falai com a divorciada, acolhei, acompanhai, integrai, discerni!” Infelizmente, nós os padres estamos habituados a normas congeladas, fixas. 

 

Quando se fala da Igreja, pensa-se logo na instituição e nos dirigentes: papa, bispos, padres…

Ora, acentua Francisco, “a Igreja somos nós todos.” “Há os pecados dos dirigentes da Igreja, com falta de inteligência ou que se deixam manipular. Mas a Igreja não são os bispos, os papas e os padres. A Igreja é o povo. O Vaticano II disse: “O povo de Deus, no seu conjunto, não se engana.” Se quiser conhecer a Igreja, vá a uma aldeia onde se vive a vida da Igreja. Vá a um hospital onde há tantos cristãos que vêm ajudar, leigos, irmãs… Vá a África, onde se encontram tantos missionários. Não para converter – era noutros tempos que se falava de conversão -, mas para servir.”

O que é que mais o toca?

O Angelus de Millet (foto: divulgação)

“Há tanta santidade. É uma palavra que quero utilizar na Igreja hoje, mas no sentido da santidade quotidiana, nas famílias… Quando falo desta santidade ordinária, que já designei como a “classe média” da santidade…, sabe qual é a imagem que me vem ao espírito? O Angelus, de Millet .

A simplicidade desses dois camponeses que rezam. Um povo que reza, um povo que peca e depois se arrepende dos seus pecados. Há uma forma de santidade oculta na Igreja. Há heróis que partem em missão. Alguns sacrificaram a sua vida. É isso que me toca mais na Igreja: a sua santidade fecunda, ordinária. Essa capacidade de tornar-se santo sem se fazer notar.”

Por isso, Francisco tem medo da rigidez.

“Por detrás de cada rigidez há uma incapacidade de comunicar. Pense nesses padres rígidos que têm medo da comunicação, pense nos políticos rígidos… É uma forma de fundamentalismo. Quando me aparece uma pessoa rígida, e sobretudo um jovem, digo imediatamente a mim próprio que está doente. O perigo é que procuram a segurança… Não sabem, sentem-no. Vão, portanto, procurar estruturas fortes que os defendam na vida.”

Temos então

  • o tradicionalismo,
  • o medo da novidade,
  • do diálogo.
  • Ignoram que a tradição, para ser viva, tem de estar em movimento.

“Como cresce a tradição? Cresce como uma pessoa:

  • pelo diálogo, que é como a amamentação para a criança.
  • O diálogo com o mundo que nos rodeia.
  • Se não se dialoga, não se pode crescer, fica-se fechado, pequeno, um anão.

Não posso contentar-me com caminhar com palas, devo olhar e dialogar. Dialogando e escutando outra opinião, posso, como no caso da pena de morte, da tortura, da escravatura, mudar o meu ponto de vista. Sem mudar a doutrina. A doutrina cresceu com a compreensão. Isso é a base da tradição. Ao contrário, a ideologia tradicionalista tem uma fé como isto [faz o gesto das palas]:

  • na missa, a bênção deve dar-se desta maneira,
  • os dedos devem colocar-se deste modo, como se fazia antes…

O que o Vaticano II fez com a liturgia foi algo enormíssimo. Porque abriu o culto de Deus ao povo. Agora, o povo participa.”

Aqui, digo eu: o cardeal Robert Sarah que não pense que vai pôr outra vez a missa em latim, com o padre de costas para o povo…

 

Neste contexto, põe-se a pergunta: os divorciados recasados podem comungar?

“Há o que eu fiz, depois de dois sínodos: a exortação “A Alegria do Amor”... É algo claro e positivo, que alguns com tendências ultratradicionalistas combatem, dizendo que não é a verdadeira doutrina. Quanto às famílias feridas, eu digo lá que há quatro critérios:

  • acolher,
  • acompanhar,
  • discernir as situações
  • e integrar.

Abre-se um caminho de comunicação.

  • Perguntam-me: “Mas pode dar-se a comunhão aos divorciados?”
  • Respondo: “Falai com o divorciado, falai com a divorciada, acolhei, acompanhai, integrai, discerni!” Infelizmente, nós os padres estamos habituados a normas congeladas, fixas.

E ouve-se dizer:

  • “Não podem receber a comunhão.”
  • Que não, não e não.

Este tipo de proibições é o que encontramos no drama de Jesus com os fariseus. A mesma coisa!”

Neste enquadramento, porque “a misericórdia é um dos nomes de Deus – se eu não aceito que Deus é misericordioso não sou crente” -, todos os padres, incluindo os lefebvrianos, podem agora absolver o pecado do aborto. “Atenção! Isto não significa banalizar o aborto. O aborto é grave, um pecado grave. É o assassínio de um inocente. Mas se há pecado é necessário facilitar o perdão.”

O cristianismo

“não é uma ciência, uma moral, uma ideologia, uma ONG: o cristianismo é um encontro com uma pessoa. É a experiência da estupefacção, da maravilha espantosa de ter encontrado Deus, Jesus Cristo, é isso que me deixa estupefacto”.

Por isso,

“não se pode ensinar a moral com preceitos como:

  • “Não podes fazer isto,
  • deves fazer isto,
  • tu deves, tu não deves,
  • tu podes, tu não podes.”

A moral é uma consequência do encontro com Jesus Cristo, uma consequência da fé, para nós os católicos. E para os outros a moral é uma consequência do encontro

  • com um ideal,
  • ou com Deus,
  • ou consigo mesmo, mas com a melhor parte de si mesmo.

A moral é sempre uma consequência”. Assim, é inconcebível uma Igreja afastada das pessoas. “A Igreja de Jesus Cristo tem de estar ligada ao povo. O contrário seria fazer como alguns políticos que se interessam pelas pessoas durante as campanhas eleitorais e depois as esquecem. Para mim, a proximidade, mesmo na vida pastoral, é a chave da evangelização… Quando quero transmitir algo a alguém, devo esforçar-me por pensar que estou diante do mistério de uma outra pessoa.”

Wolton:

“Que palavras do seu pontificado quereria ver retidas?”

Francisco:

“A palavra que mais utilizo é a “alegria”. Uso muitas vezes a “ternura”, a “proximidade”.

Aos padres digo: “Por favor, sede próximos das pessoas.”

Aos bispos digo: “Não sejais príncipes, senhores, sede próximos das pessoas, dos padres.”

Também a “oração”, rezar no sentido de estar diante de Deus” e fazer silêncio e meditar, no meio de uma sociedade do ruído, do “rapidão”.

 

 

Anselmo Borges

Fonte: https://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/anselmo-borges/interior/francisco-sobre-3-a-igreja-e-a-alegria-8823071.html

 

 

Leia Mais:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>