Sindicatos na rua contra Macron, mas isso até pode agradar-lhe

A CGT saiu isolada das negociações sobre as alterações ao código do trabalho, o que pode reforçar a posição do Presidente francês.

Emmanuel Macron enfrenta esta terça-feira a primeira contestação nas ruas devido à sua governação: as manifestações e greve convocada pela Confederação Geral de Trabalhadores (CGT) contra a reforma do Código do Trabalho apresentada pelo Governo francês, que satisfez uma boa parte do rol de desejos dos patrões.

“Não cederei nem aos preguiçosos, nem aos cínicos, nem aos radicais”, afirmou Emmanuel Macron na semana passada, afrontando a contestação prometida pela CGT contra o que designa como a “lei do trabalho XXL” — em referência à nova lei do trabalho aprovada pelo anterior Governo, em 2016, pela ministra da Economia Myriam El Khomri, que foi também alvo contestada nas ruas, com manifestações e greves, por vezes com violência.

Estão previstas cerca de 180 manifestações em todo o país, com perturbações nos transportes e em vários outros sectores. Mas, desta vez, a CGT está pouco acompanhada de outros sindicatos, ao contrário do que aconteceu na Primavera e início do Verão de 2016 para lutar contra a lei El Khomri. Uma falta importante é a da central Força Operária (FO), que escolheu aceitar o que saiu das negociações com o Governo.

Ainda que a maior parte das centrais sindicais tenha saído das negociações com o Ministério do Trabalho com críticas, só Philippe Martinez, o líder da CGT, saiu abertamente em choque com o Governo.

“O Governo fez tudo para desligar a FO da CGT”, disse ao Le Monde o especialista em questões laborais Pierre Ferracci. Inscreveu nos decretos através dos quais pretende modificar a lei laboral — para acelerar o processo, para que tudo esteja terminado, idealmente, até ao fim deste mês — medidas que satisfizeram Jean-Claude Mailly, líder da FO, explicou. A decisão de não se juntar à CGT, no entanto, não é pacífica no seio da FO.

Quem igualmente toma a iniciativa de contestação é a França Insubmissa, de Jean-Luc Mélenchon, que tem uma manifestação marcada para 23 de Setembro, em Paris. Mas a relação entre Mélenchon e Martinez é crispada — e em vez de se entreajudarem, podem acabar por se canibalizarem.

A CGT anunciou uma nova jornada de mobilização, a 21 de Setembro, na véspera do conselho de ministros em que devem ser apreciados os decretos de reforma da lei do trabalho — e dois dias antes do protesto da França Insubmissa.

Deixar que os adversários se consumam em choque uns contra os outros convém perfeitamente a Macron e ao Governo, que prepara a apresentação do Orçamento de 2018, em que tem de encontrar formas de fazer uma poupança de 20 mil milhões de euros — a data de apresentação está marcada para 27 de Setembro.

Enquanto isso, prepara o lançamento da reforma da assistência no desemprego, da formação profissional e das reformas – tudo potenciais moedas de troca nas negociações com os sindicatos, mas também barris de pólvora que, à menor faísca, podem explodir.

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>