O arcebispo do povo, entre oração e bicicleta

Resultado de imagem para O arcebispo do povo, entre a oração e a bicicleta

Zita Dazzi,  – 16 Agosto 2017

“Delpini, o novo arcebispo de Milão, é alguém que conhece muito bem a “máquina” da Igreja milanesa, os nomes de todos os sacerdotes (que o chamam de tu), as ruas de uma cidade que ele percorre de bicicleta, com capacete e sinalizadores fluorescentes, determinado a não se mudar para o suntuoso palácio da Cúria Arquiepiscopal para não abandonar o anonimato pobre e simples da “Casa do Clero”, no bairro multiétnico de Porta Venezia.

  A reportagem é de Zita Dazzi, publicada por La Repubblica, 14-08-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Aquele que, até as 12h do dia 7 de julho, era apenas o vigário-geral da Igreja milanesa e depois foi escolhido pelo Papa Francisco para suceder o cardeal Angelo Scola como novo arcebispo de Milão é um daqueles

“padres sem frescuras, pretensões e ambições particulares, homens capazes para estar entre as pessoas, perto das expectativas, sofrimentos e desejos de cada um. Sacerdotes à escuta do povo, porque eles mesmos são do povo”,  como descreveu Paolo Rodari, vaticanista do La Repubblica, no primeiro – e até agora único – livro dedicado a Mario Delpini (Ed. Piemme, 168 páginas).

São páginas das quais saímos com uma ideia clara de como poderá ser o episcopado do novo arcebispo, que, em comparação com os seus ilustres antecessores, publicou pouco – um par de livros, um dos quais é de fábulas para crianças – antes da nomeação que o levará, no dia 24 de setembro, à cátedra de Santo Ambrósio.

Delpini é alguém que, como lembra Rodari, já na nomeação feita por Bergoglio, deixava claro, diante de blocos de anotações e câmeras ao vivo com o Vaticano, que era apenas “um medíocre empregado” e que sentia “principalmente a minha inadequação”.

Não era fácil, portanto, com essas premissas, conseguir reconstruir o pensamento de Delpini, indo encontrá-lo na miríade de homilias, orações, naqueles que o monsenhor chama de “pequenos pensamentos despretensiosos”, ou nos artigos escritos para o jornal Avvenire, além das suas longas poesias espirituais.

Rodari salienta que Delpini, assim como Francisco, na sua explícita simplicidade e franqueza, poderá surpreender. O ex-reitor do seminário superior de Venegono, pelo qual passaram todos os padres das 1.100 paróquias ambrosianas, é definido por Rodari como um “brilhante pregador”, um “atento leitor da realidade”, “um homem para quem a sobriedade é uma regra de vida, um verdadeiro padre ambrosiano, sensível, humilde e irônico”, alguém capaz de palavras “que ficam impressas, sempre voltadas a indicar a esperança contra a desilusão e os mitos dos nossos dias – do dinheiro fácil, das tantas drogas que anestesiam a consciência, do sucesso a todo o custo –, a defender uma seriedade talvez impopular diante das mentiras que nascem da arrogância, da opressão, de se crer superior aos outros”.

Certamente, explica o autor, Delpini é alguém que conhece muito bem a “máquina” da Igreja milanesa, os nomes de todos os sacerdotes (que o chamam de “você”), as ruas de uma cidade que ele percorre de bicicleta, com capacete e sinalizadores fluorescentes, determinado a não se mudar para o suntuoso palácio da Cúria Arquiepiscopal para não abandonar o anonimato pobre e simples da “Casa do Clero”, no bairro multiétnico de Porta Venezia.

  • Imagem relacionada

Dom Mario Delpini com o cardeal Scola – Foto: Corriere della Sera

Rodari também reencontrou uma reflexão de 2014 dedicada aos milaneses, a partir da qual se entende que Delpini está profundamente enraizado no coração da cidade:

“Quero fazer o elogio do rosto da nossa gente. Certamente, poderiam sorrir um pouco mais, mas têm o rosto sério, como quem considera a vida como algo sério: levanta-se todas as manhãs, a nossa gente, e recomeça a fazer o mundo funcionar: não é de se admirar que sempre tem algo a fazer, a fazer às pressas, a fazer bem, a fazer aquilo que se deve fazer. Quero também fazer o elogio do mau humor da nossa gente. Eu conheço os defeitos e as feridas da cidade, sei dos dramas e das complicações, do esforço de viver e do consumo da esperança, da apreensão para a inédita e imensa solidão”.

Dos escritos do novo arcebispo, Rodari escolhe e extrai frases esclarecedoras sobre aqueles que serão os princípios-guia do seu episcopado, em que

  • as igrejas deverão ter as “portas abertas”,
  • “sem muros”,

apontando para a

  • “simplicidade”,
  • “essencialidade”,
  • “proximidade”,
  • “vizinhança”,
  • “cotidianidade”.

Tudo sem trair os valores fortes da acolhida e da solidariedade para com os pobres e também para com os muçulmanos, porque “os cristãos dispostos reagem ao medo com a inteligência, o realismo, o compromisso de gerar o futuro com a criatividade que constrói um país hospitaleiro em vez de uma terra assustada e resignada”.

E porque “quem confia em Deus vence o medo e renova a vida cristã, para que habite o nosso tempo como tempo de graça”.

Resultado de imagem para Zita Dazzi

Zita Dazzi

Fontes:

http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/570693-o-arcebispo-do-povo-entre-oracao-e-bicicleta

http://ricerca.repubblica.it/repubblica/archivio/repubblica/2017/08/14/larcivescovo-della-gente-tra-preghiera-e-bicicletta28.html

 

 

Leia mais:

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>