Le Pen diminui distância de Macron a uma semana das eleições na França

A união contra ultradireitistas se rompe nas manifestações de 1º de maio. Os sindicatos não conseguiram chegar a uma mensagem comum contra a FN
Foto – Internet – Reprodução

Em Paris, centenas de pessoas se reuniram sob o lema “contra o fascismo e o capitalismo”, em uma marcha convocada por organizações anarquistas que tinham previsto se juntar posteriormente à manifestação principal na Place de la République, onde também convergiram outros protestos menores”. 

Segundo estimativas da polícia, cerca de 4.800 pessoas participaram de manifestações em Marselha, 6.000 em Toulouse, 5.000 em Lyon e menos de 2.000 em Estrasburgo.

Na última semana de campanha eleitoral, a distância entre os dois candidatos está ficando mais curta. Marine Le Pen, da Frente Nacional (FN), avança, apesar de Emmanuel Macron (En Marche!) manter uma sólida vantagem. Uma pesquisa do Instituto Odoxa dá à candidata ultradireitista 41% dos votos, e ao centrista, 59%, segundo dados de 28 de abril. Há uma semana, a intenção de votos para ele era de 63%, enquanto ela surgia com 37%.

Le Pen escala posições, apesar de ainda não relevantes, e o muro contra a extrema direita apresenta brechas profundas, como ficou constatado neste 1o de maio em Paris, durante as manifestações do Dia do Trabalho, nas quais os sindicatos foram incapazes de chegar a um acordo sobre uma mensagem conjunta.

Resultado: duas manifestações diferenciadas, com uma participação muito menor do que a esperada e nas quais foram registrados distúrbios, além de diversas convocatórias a protestos menores em vários pontos do país. No total, 142.000 pessoas saíram às ruas nesta segunda-feira em toda a França, segundo o Ministério do Interior.
Choque entre manifestantes e policiais no 1º de maio em Paris.
 Choque entre manifestantes e policiais no 1º de maio em Paris. GONZALO FUENTES REUTERS
A organização reformista Confederação Francesa Democrática de Trabalho (CFDT), que acaba de se tornar o principal sindicato do país, convocou uma marcha “republicana” às 11h no 19o arrondissement de Paris, junto com a União Nacional de Sindicatos Autônomos (UNSA) e a Federação de Associações Gerais de Estudantes. Os organizadores pediram explicitamente o voto a Macron no próximo domingo para conter o avanço de Le Pen.

“A FN é um partido autoritário, xenófobo e de regressão social. Não é um partido como os outros, e nós nos negamos a permitir sua banalização”, argumentou a CFDT em sua convocatória.

“Pedimos aos eleitores e eleitoras para bloqueá-lo e para votar em massa no candidato republicano”, afirmou a entidade sem mencionar explicitamente o nome de Macron, algo que a UNSA fez em sua declaração oficial. Apenas de 200 a 300 manifestantes responderam à chamada desses sindicatos, segundo a AFP.

Simpatizantes de Le Pen arrecadam dinheiro em um de seus atos.
Simpatizantes de Le Pen arrecadam dinheiro em um de seus atos.Foto:  François Mori – AP 

Muito mais concorrida, ainda que longe da enorme afluência de 2002, foi a manifestação convocada pelo também poderoso sindicato CGT na Place de la République, junto com vários sindicatos e organizações de esquerda. Durante a marcha, quatro policiais ficaram feridos em choques com um grupo de jovens encapuzados que atirou vários coquetéis molotov.

Um dos policiais sofreu ferimentos graves em uma das mãos e no rosto, segundo o Ministério do Interior, que condenou a “violência intolerável” e prometeu que os responsáveis responderão na Justiça. A polícia respondeu às agressões usando gás lacrimogêneo.

O protesto careceu de orientações sobre o voto para além da rejeição compartilhada à FN. “Não há nenhuma ambiguidade, a CGT combate a Frente Nacional”, afirmou o líder do sindicato, Philippe Martinez, durante a marcha, enquanto responsabilizou os Governos de esquerda e de direita dos últimos 15 anos pelo avanço da ultradireita.

Martinez manifestou sua esperança de superar o número de participantes do ano passado, 85.000 pessoas, para enviar uma mensagem mais clara. “Precisamos ser mais numerosos por causa da ameaça representada pela FN”, disse, segundo o Le Parisien. Mas isso não foi possível. Segundo os próprios organizadores, cerca de 80.000 pessoas participaram da marcha. A polícia coloca este número em 30.000.

No últimos dias, Marine Le Pen tentou atrair o voto da esquerda que, no primeiro turno, apoiou o líder da coligação França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon. Ela acusou seu adversário — a quem se refere constantemente como “o banqueiro Macron” —

  • de ser o representante da “oligarquia”
  • e de “prometer” continuar uma política econômica que beneficia apenas as elites e se limita a dizer “sim” a Bruxelas e a Berlim.

Diante da rejeição frontal dos sindicatos, Le Pen os acusou de “não defender os interesses dos assalariados”, mas sim de velar apenas “por seu próprio posto”.

Uma “frente social” contra Le Pen e Macron

Retomando, de certo modo, as palavras de Mélenchon, que justificou sua negativa a dar uma orientação de voto a seus eleitores argumentando que não consegue escolher entre “a extrema finança e a extrema direita” — apesar de ter deixado claro que não votará em Le Pen —, ativistas descontentes com as duas opções na rodada final das eleições francesas convocaram em todo o país uma marcha da chamada Frente Social, em repúdio aos dois candidatos.

Em Paris, centenas de pessoas se reuniram sob o lema “contra o fascismo e o capitalismo”, em uma marcha convocada por organizações anarquistas que tinham previsto se juntar posteriormente à manifestação principal na Place de la République, onde também convergiram outros protestos menores. Segundo estimativas da polícia, cerca de

  • 4.800 pessoas participaram de manifestações em Marselha,
  • 6.000 em Toulouse,
  • 5.000 em Lyon
  • e menos de 2.000 em Estrasburgo.

 

Silvia Ayuso

Silvia Ayuso

Fonte: http://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/01/internacional/1493644776_899295.html

 .

MAIS INFORMAÇÕES

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>