Diz-nos, Maria Madalena, o que viste no sepulcro vazio?

Manuel João Correia – 15/04/2015

“Hoje nós, apóstolos e amigos de Jesus, pelo contrário, capitulamos facilmente diante do «sepulcro». Fugimos dele! Falta-nos a fé para esperar que das situações de morte, de vazio, de fracasso possa renascer a vida. Já não temos fé em «milagres».

Não há espaço em nós para esperar num Deus capaz de «ressuscitar os mortos». Apressamo-nos a fechar esses «sepulcros» com a «pedra muito grande» (Marcos 16, 4) da nossa incredulidade. A nossa missão torna-se uma «desesperada» luta contra a morte.”

A primeira testemunha da Páscoa é Maria Madalena (João 20, 11-18). A paixão pelo Mestre manteve o seu coração desperto na noite da grande “Passagem”.

«Eu durmo, mas o meu coração vela», diz a amada no livro Cântico dos Cânticos (Ct 5, 2). E porque o amor a fez madrugar, o Amado mostrou-se a ela em primeiro lugar.

É a ela que vamos pedir: Diz-nos, Maria: o que viste?

«Vi Rabbuni – que quer dizer «Mestre» – que me disse: «Vai ter com os meus irmãos e diz-lhes: “Subo para o meu Pai, que é vosso Pai, para o meu Deus, que é vosso Deus.”»

O que caracteriza Maria Madalena?

Um grande amor! É uma mulher apaixonada pela causa de Jesus Cristo.

A vocação de Maria Madalena é animada pelo amor, mas também pela fé.

Fé e amor são ambos necessários: a fé dá pernas para andar, o amor dá asas para voar.

A fé sem o amor não arrisca, mas o amor sem fé pode perder-se nas muitas encruzilhadas.

E a esperança é filha de ambas.

É o amor e a fé que levam Maria Madalena a ficar junto do sepulcro, a chorar e a esperar embora não saiba bem o quê.

Ao contrário dos dois apóstolos, Pedro (figura da fé) e João (figura do amor), que se afastam do Sepulcro. A Mulher, que reúne em si ambas as dimensões, «fica» e «chora». O seu «ficar» vem da fé, o seu «chorar» do amor. «Fica» porque a fé persevera na busca, não desanima diante do insucesso, interroga (os anjos e o jardineiro), como a Amada do Cântico dos Cânticos. Espera contra toda a esperança! Até que, encontrado o Amado, o amor a lança aos Seus pés, abraçando-os na vã tentativa de não mais O deixar partir (Cântico 3, 1-4).

Hoje, fugimos do sepulcro

Hoje nós, apóstolos e amigos de Jesus, pelo contrário, capitulamos facilmente diante do «sepulcro». Fugimos dele! Falta-nos a fé para esperar que das situações de morte, de vazio, de fracasso possa renascer a vida. Já não temos fé em «milagres». Não há espaço em nós para esperar num Deus capaz de «ressuscitar os mortos». Apressamo-nos a fechar esses «sepulcros» com a «pedra muito grande» (Marcos 16, 4) da nossa incredulidade. A nossa missão torna-se uma «desesperada» luta contra a morte.

Empresa condenada ao fracasso porque a morte reina desde o princípio do mundo. Acabamos então por dedicar-nos à «obra de misericórdia» de «enterrar os mortos» (com ou sem a atenção especial de «embalsamá-los»), esquecendo que fomos enviados para os «ressuscitar» (Mateus 10, 8). Afrontar o «sepulcro» é o Rubicão do Apóstolo, a sua passagem do mar Vermelho (Êxodo 14-15). Sem remover a pedra da nossa incredulidade para afrontar e vencer tão temível inimigo, não veremos a Glória de Deus: «Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?» (João 11, 40).

Hoje, temos dificuldade em chorar

Temos dificuldade também em «chorar», sem dúvida porque amamos pouco. «Chorar faz parte do génio feminino», disse o Papa São João Paulo II.

O coração da Madalena está naquele jardim, e por isso chora. O nosso esquece facilmente os seus «mortos». Preocupado com «tantas coisas» para fazer, não tem tempo para «ficar» e «chorar» com os que sofrem! Se a nossa oração não conhece momentos de «clamor e lágrimas» (Hebreus 5, 7) haveria que interrogar-se se não estaremos a ser corroídos pela indiferença. Pouco a pouco o coração se atrofia, alienando-se na acção, incapaz de «compaixão».

A audácia de «ficar» e de «chorar» não é estéril

As lágrimas de Maria convocam os anjos. São a resposta de Deus. Não lhe restituem o «cadáver» que ela pede e procura, mas anunciam-lhe, pelo contrário, que «Aquele que o seu coração ama» está vivo!

Mas esse coração tem necessidade de «ver» e «tocar» o Amado. E Jesus cede, finalmente, à insistência do coração. Vai ao encontro de Maria Madalena. Quando a chama por nome: «Mariam», é então que o coração dela estremece de emoção, ao reconhecer a voz do Mestre.

Ser chamados pelo nosso nome: eis o desejo mais profundo (inconfessado) que levamos em nós. Só então a «pessoa» alcançará a plenitude do seu ser e a consciência da sua identidade. Até lá andará às apalpadelas! Só então poderá dizer com o fogo de um coração enamorado: «Vi o Senhor!»

E naquele dia, como Maria, tornar-nos-emos testemunhas de primeira mão: «O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos, e nossas mãos apalparam… o que vimos e ouvimos vo-lo anunciamos!” (1 João 1, 1-4).

 

Pe. Manuel João Correia

 

Fontehttps://fraternitasmovimento.blogspot.com.br/2017/04/diz-nos-maria-madalena-o-que-viste-no.html

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>