A liberdade é um perigo

A invocação, na Igreja, do dever de obediência devia ser sempre acompanhada pelo direito e pela exigência de prosseguir os caminhos da investigação da verdade. O perigo não é a liberdade, é o autoritarismo.

1. 800 anos é muito tempo. Foi com este título que anunciei o jubileu da Ordem dos Pregadores (1216-2016). Não tenho uma devoção especial pelas comemorações, mas sei que uma das doenças mais temidas na minha idade é, precisamente, a perda da memória, Alzheimer.

As crianças têm pouco passado. Elas são a realidade do futuro.

Os idosos têm algum passado e pouco futuro. As Ordens Religiosas não nasceram todas ao mesmo tempo e, dentro da mesma época, nasceram para responder a desafios novos e diferentes, supondo que têm algo a dizer ao mundo em mudança. Não têm promessas de vida eterna. Algumas nasceram e morreram depressa, outras têm a pele mais dura.

Faço parte dos dominicanos há 64 anos. Quando entrei, vivia-se uma grande turbulência nas províncias dominicanas francesas. Era a época

  • da nova Teologia,
  • dos Padres operários,
  • do diálogo activo com as diferentes correntes do mundo contemporâneo:
  • teólogos com as suas obras no Index dos livros proibidos,
  • outros no exílio, etc..

Essa história triste está feita e abundantemente documentada [1].

Só depois, já durante o Noviciado, tomei conhecimento de uma história anterior, trágica e gloriosa. Estou a referir-me ao itinerário do Resultado de imagemdominicano Marie-Joseph Lagrange (Foto), fundador da Escola Bíblica de Jerusalém (1889-1913).

 

2. No passado dia 21, Frei Miguel dos Santos fez, no novo Convento de S. Domingos em Lisboa, a apresentação desse itinerário escrito pelo próprio autor [2].

Trata-se, na verdade, de recordações pessoais que o Padre Lagrange escreveu,

  • não para serem publicadas,
  • mas para informar os seus confrades e explicar as intenções subjacentes à fundação da Escola Bíblica
  • e, sobretudo, acerca dos embates e combates a que esteve ligado em defesa desta genial fundação ameaçada.

Só foram publicadas em 1967, por iniciativa do Padre Pierre Benoit, que foi um dos últimos e célebres discípulos directos do Padre Lagrange, juntamente com o Padre Roland De Vaux.

O Padre Lagrange foi um dos pioneiros, no campo católico, da moderna exegese científica da Bíblia, que pode caracterizar-se, simplificando, pelo seu método histórico-crítico. Este método consiste, essencialmente, na utilização das ciências históricas e seus instrumentos específicos na abordagem dos textos bíblicos.

Este tipo de abordagem foi sobretudo desenvolvido por exegetas protestantes alemães do século XIX. Julgava-se que o seu racionalismo demolidor punha em causa os fundamentos históricos de toda a Bíblia.

A posição do Padre Lagrange foi a de perceber que

  • não valia a pena, por parte dos católicos, entrincheirarem-se numa apologética puramente defensiva contra os ataques do racionalismo alemão,
  • mas sim de entrar no mesmo campo em que ele se movia, utilizando os mesmos instrumentos críticos de estudo e análise dos textos bíblicos.

A fundação da Escola Bíblica foi, de início e em geral, bem acolhida. Tratava-se de criar uma instituição dedicada aos estudos bíblicos no meio geográfico onde nasceu a maior parte dos livros da Bíblia e no meio cultural mais afim com aquele em que viveram os seus autores.

Quando o Padre Lagrange e os seus colaboradores começaram a concretizar o projecto que os movia, tudo se complicou. O clima era terrível. Tudo o que cheirasse a inovação era acusado de modernismo. Esta palavra abarcava diferentes correntes teológicas condenadas pelo Papa Pio X, através do decreto Lamentabili e da encíclica Pascendi. De facto, lamentável era esta mentalidade inquisitorial.

Com os artigos do Padre Lagrange e de outros colaboradores, na Revue Biblique e com as primeiras obras de folego na colecção Études Bibliques, é a própria Escola Bíblica, o seu fundador e o seu projecto que são postos em causa e atacados de forma vergonhosa.

As tribulações incríveis deste caminho são o conteúdo da obra apresentada no Domingo passado. Devem dar muito que pensar. A invocação, na Igreja, do dever de obediência devia ser sempre acompanhada pelo direito e pela exigência de prosseguir os caminhos da investigação da verdade. O perigo não é a liberdade, é o autoritarismo.

 

3. Hoje, podemos perguntar que seria dos estudos bíblicos, na Igreja, sem a tenacidade heroica do fundador da Escola Bíblica?

Muita gente conhece, em muitos países a Bíblia de Jerusalém,

  • mas não é aí
  • nem nas muitas investigações e publicações que a Escola produziu, ao longo de 100 anos,
  • nem em se ter tornado num centro de atracção de investigadores de todos os quadrantes e de todo o mundo,

que está a sua importância.

O seu mérito principal é porque a luta do P. Lagrange e seus colaboradores possibilitou abrir, na igreja Católica, o espaço a todas as formas de investigação e interpretação da Bíblia [3].

[1] François Leprieur, Quand Rome condamne. Dominicains et prêtes-ouvriers, Plon/Cerf, Paris 1989.

[2] Marie-Joseph Lagrange, o.p., Recordações Pessoais. O Padre Lagrange ao serviço da Bíblia, Biblioteca Dominicana, Tenacitas, Coimbra/Salamanca 2017.

[3] Comissão pontifícia Bíblica, A Interpretação da Bíblia na Igreja, Rei dos Livros, 1994

 

 

Frei_bento_domingues

 

Frei Bento Domingues

 

Fonte: https://www.publico.pt/2017/01/29/sociedade/noticia/a-liberdade-e-um-perigo-1759998

 

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>