Zygmunt Bauman: “Há muitas maneiras de ser humano”

Nesta entrevista inédita que em 2013 deu ao PÚBLICO, Zygmunt Bauman fala das redes sociais, do Papa, das relações afectivas e da Europa.

 – 10/01/2017
Foto: Zygmunt Bauman

Os confessionários enraizaram-se na cultura europeia como protótipo e paradigma da privacidade e da intimidade; ali se admitiam actos e pensamentos julgados impróprios para serem confiados a quem quer que fosse além de Deus. Tais actos e pensamentos tão profundamente privados e íntimos são agora brandidos em público.

Superficialmente, podemos opinar que isto significa apenas que encontrámos outros veículos técnicos para satisfazer a mesma necessidade humana de confessar e partilhar emoções e crenças. Mas de facto o próprio significado dessa conduta mudou tanto que o confessionalismo se tornou irreconhecível.

O Facebook é agora um mercado, onde pessoas preocupadas com o seu valor de mercado usam a intimidade e o seu potencial de entretenimento para aumentar esse valor. Talvez entre os milhões de utilizadores alguém, algures, considere a mercadoria que ali é oferecida

  • digna de atenção,
  • atraente,
  • capaz de suscitar procura e de assegurar sucesso comercial num mercado sobrelotado de informação.

O sucesso da ideia de Mark Zuckerberg deveu-se à procura que mercadorias como

  • a terrível sensação de abandono,
  • a solidão incurável,
  • o risco de se ser abandonado, ou expulso,

têm no mercado global.

Algumas histórias dos blogues, do Twitter ou do Facebook são, por assim dizer, o sucedâneo para algumas camadas da população das revistas de celebridades.

A Europa à procura da sua Primavera

Ao mesmo tempo existe a sensação de que as redes sociais são ferramentas ainda recentes, ou seja, um laboratório que ainda estamos a experimentar. Apesar de tudo, sabemos ainda pouco sobre as redes sociais e sobre as suas consequências nas nossas vidas, não lhe parece? 

Mudando de assunto. Na Europa parecem coexistir duas dinâmicas de protesto paralelas. Por um lado, temos pessoas a reclamar mudanças urgentes, porque a sua sobrevivência está em causa (é o que se está a passar em países como Portugal, Espanha, Itália ou Grécia). Acaba por ser um protesto emocional. Por outro, exigem-se transformações estruturais profundas, que requerem reflexão mais rigorosa. Como é possível gerir estas duas dinâmicas entre pessoas, sociedades e países?

São ambas manifestações de desencanto e de desagrado com o mau funcionamento desse difícil compromisso entre dois princípios que estruturam a União Europeia.

  • Um é a ideia da soberania territorial do Estado consagrada no Tratado de Vestefália de 1648 (“cuius regio, eius religio”).
  • Outro é a pura realidade do nosso mundo globalizado,

no qual os poderes que determinam os nossos padecimentos – no que diz respeito às nossas expectativas e às expectativas dos nossos filhos –

  • estão completamente fora do alcance das instituições políticas disponíveis
  • e, portanto, fora do nosso alcance (os poderes, no sentido da capacidade de fazer as coisas, tornaram-se globais, enquanto a política, ou seja, a capacidade de decidir quais dessas coisas devem ser feitas, mantém-se local, como antigamente, confinada às fronteiras do “Estado soberano”).

Resultado? Os Estados, que têm nominalmente o território integralmente a seu cargo, estão a sofrer um constante défice de poder, o que os impede de cumprirem a sua promessa (hoje são as bolsas de valores, não os gabinetes dos ministérios, que definem a linha entre as políticas “realistas” e as políticas “irrealistas”).

À conta disso, os governos ficam sem saída:

  • têm de satisfazer as reivindicações dos seus eleitores,
  • mas ao mesmo tempo têm de ganhar os favores dos poderes supranacionais,

e as duas exigências são mutuamente incompatíveis.

O resultado é o que descreveu!

  • De acordo com os desejos dos seus eleitores, a senhora Merkel quer uma reforma que torna a Europa mais hospitaleira para o capital financeiro à escala planetária.
  • Grécia, Itália, Espanha ou Portugal querem constranger os poderes dos capitais globais para proteger a vontade soberana das suas nações.

Como é possível “gerir estas duas dinâmicas”? Bem, estamos condenados a consagrar o futuro mais próximo aos esforços para encontrar – ou criar – uma resposta eficaz para a questão.

Zygmunt Bauman, o homem líquido

Para além da Europa, assistimos hoje à ascensão de novos poderes como a China, a Índia ou o Brasil, onde o capital parece circular mais intensamente. Mas a questão é se não estarão a fazê-lo replicando um modelo desenvolvido na Europa e nos EUA que parece estar a mostrar sinais de erosão. 

Parece não existir um grande horizonte de esperança para esta Europa que tem vindo a ser construída. Depois da queda do Muro de Berlim, passámos a confiar no capitalismo global e no progresso tecnológico e não nos demos ao trabalho de pensar em alternativas. Parece-lhe que os traumas deixados pelo fascismo e pelo comunismo foram a principal razão que conduziu a esta ausência de um pensamento alternativo?

Não iria ao ponto de dizer que não há esperança para a Europa. A história é feita por seres humanos, e esse é um dos poucos aspectos da nossa existência que é tão imortal como a própria humanidade. E há muitas maneiras de ser humano, tal como há muitas formas alternativas de gerir a vida perseguindo objectivos como a dignidade, a satisfação e a felicidade,

formas que não passem

  • pela rivalidade,
  • pela competição de cortar à faca,
  • pelo “crescimento económico” incessante,
  • pela expansão do consumo
  • e consequente esgotamento dos recursos do planeta que se tornaram dominantes no presente.

O facto de termos falhado [nessa missão de] encontrar, aceitar, abraçar e praticar estilos de vida alternativos não é de todo resultado dos “traumas deixados pelo fascismo e pelo comunismo”. É uma escolha

  • política,
  • social
  • e cultural,

e podemos reverter as nossas escolhas – tanto quanto podemos agarrar-nos a elas.

 

Em algumas das suas obras mais populares, como Amor Líquido, aborda as relações afectivas e a forma como se têm transformado nestes tempos difusos. É como se também nas relações de afecto estivéssemos condenados ao curto prazo, como se a durabilidade das relações amorosas nos assustasse.

O nosso desejo por uma mercadoria aumenta em função da sua escassez. A fome de amor tende a ser hoje cada vez mais difícil de saciar, porque o culto moderno do conforto e da facilidade, que faz o esforço ser redundante e o trabalho árduo ser repulsivo, torna as alegrias do amor terrivelmente inacessíveis. No fim de contas, o amor desvela todo o seu encanto quando consiste em viver para o outro. O amor é a chave da felicidade, desde que aceitemos que não se trata de uma receita para uma vida fácil e para o conforto pessoal.

 

Nos últimos anos muito se falou sobre o possível fracasso do papel dos intelectuais nas sociedades contemporâneas, ou pelo menos da sua transfiguração. Como vê esse tema à luz da sua própria experiência?

O papel tradicional dos intelectuais, que consistia em assumir a responsabilidade pela defesa e pela promoção dos valores das nações, foi vítima dos mesmos processos que erodiram outros aspectos da comunidade humana: processos de

  • fragmentação,
  • individualização
  • e privatização.

As elites culturais educadas

  • tendem actualmente a seguir outras elites,
  • sobretudo económicas,
  • na sua renúncia a quaisquer responsabilidades que não aquelas que dizem respeito a interesses puramente privados.

Tal como tendem a recolher-se nos seus refúgios profissionais –

  • os cirurgiões defendem os hospitais,
  • os académicos defendem as universidades,
  • os actores defendem os teatros,
  • os artistas defendem as galerias –,

deixando a cargo de poucos, se é que de alguns, as questões que estão acima dos seus interesses corporativos.

Por outro lado, a crise das instâncias de acção colectiva existentes, associada a uma imaginação política rendida à lógica de curto prazo,

  • degradou o valor das expectativas de uma “boa sociedade”
  • e tornou redundante a reflexão sobre a forma que esta devia assumir.

A sua preocupação justifica-se totalmente, portanto. Mas não é o fim do mundo. Ainda não chegámos ao ponto de não-retorno. A procura de serviços intelectuais tem uma urgência sem precedentes e essa premência cresce de dia para dia. 

 

 

Resultado de imagem para Vítor Belanciano

  vbelanciano@publico.pt

Fonte: www.publico.pt/2017/01/10/culturaipsilon/noticia/zygmunt-bauman-ha-muitas-maneiras-de-ser-humano-1757785

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>