O que pode Putin oferecer a Trump?

Putin soube transformar as incertezas políticas do Ocidente em oportunidades para Moscovo.

Os objectivos estratégicos da Rússia são relativamente estáveis, ligados à sua História e à sua mentalidade de “fortaleza sitiada”. A Rússia deixou há muito de ser uma superpotência. É uma “potência pobre”, com um arsenal nuclear. Produz armas, gás e petróleo. É um gigante geográfico no coração da Eurásia. Pela sua dimensão e pela sua natureza europeia e asiática, é central na política internacional.
Real ou imaginário, o poder de Putin desorienta os ocidentais, ultrapassados pela sua capacidade de iniciativa.
A Rússia

  • anexou a Crimeia
  • e continua activa na Ucrânia,
  • dita a sorte da guerra na Síria,
  • reorganiza alianças no Médio Oriente,
  • alarga a sua influência na Ásia,
  • desafia a União Europeia, onde sopram os populismos,
  • ameaça os vizinhos bálticos
  • e, last but not the least, passa por ter influenciado a eleição do novo Presidente americano.

Reconhece o Le Monde:

“Se em 2016 Trump monopolizou a actualidade, Putin foi o homem do ano. A corrida de fundo em que o Presidente russo se lançou há 16 anos para recolocar o seu país no centro do jogo está a dar os seus frutos de forma espectacular.”

Soube transformar as incertezas políticas que dominam o Ocidente em oportunidades para Moscovo. Longe vão os tempos em que a Administração Bush e a União Europeia subestimaram a capacidade de a Rússia defender os seus interesses geopolíticos.


As obsessões de Moscovo

A Rússia tem algumas obsessões existenciais.

  • A primeira é ver reconhecida a sua “esfera de influência”, perdida com a desintegração da URSS e a marcha da NATO para leste.
  • A segunda é assegurar os seus “interesses vitais” noutras regiões do mundo, como a Ásia e, agora, o Médio Oriente, de onde foi afastada pelos EUA de Kissinger nos anos 1970.
  • E, enfim, exige ser tratada pelos Estados Unidos como uma potência igual.

“A Rússia não é a União Soviética, não estamos na Guerra Fria e Moscovo já não visa o domínio mundial. O objectivo de Putin está limitado a reduzir a influência dos EUA no mundo como forma de assegurar os seus interesses vitais, mas o poder que pode projectar continua minado por uma economia débil e por uma capacidade global que empalidece, se comparada com a dos Estados Unidos”, escreve David Filipov, correspondente do Washington Post em Moscovo.

Toda a acção de Putin se desenrola no sentido de pôr termo à ordem internacional que sucedeu à Guerra Fria, a breve Pax americana. Não foi a Rússia quem pôs termo a esta ordem, foi a emergência da China e das novas potências regionais que entretanto se firmaram no tabuleiro internacional. Os Estados Unidos reconheceram este facto e até antes do mandato de Obama:

  • permanecem como a maior potência, única pelo seu poderio económico-militar e pela capacidade de projecção global.
  • Mas perderam a capacidade de ditar unilateralmente a ordem mundial.

Sublinha Jeffrey Matloff, do think tank Center for Strategic and International Studies:

“Moscovo deseja diminuir as tensões com os Estados Unidos e obter o acordo de Washington sobre um novo mundo multipolar baseado em esferas de influência das grandes potências, em detrimento das normas e instituições liberais que dominaram a era pós-Guerra Fria.”

 

Da Síria à Ucrânia

É dentro da sua “visão” que Moscovo entende negociar. E os temas em disputa são mais complicados do que parecem. A cooperação antiterrorismo será o tema mais fácil. Mas outros há.

“Não é difícil inferir o que Putin desejaria obter num ‘grande negócio’ entre ele e Trump”, escreve na Foreign Affairs o historiador britânico Niall Ferguson.

  • “Item n.º 1: o levantamento das sanções.
  • Item n.º2: um fim da guerra na Síria em termos russos — que incluiria a preservação de Assad no poder, no mínimo após um ‘intervalo decente’.
  • Item n.º 3: o reconhecimento de facto da anexação russa da Crimeia e algumas mudanças constitucionais destinadas a tornar impotente o governo de Kiev, concedendo à região oriental do Donbass um permanente direito de veto pró-russo.”

Que daria a Rússia à América em troca de tais concessões?

É indiscutível que a guerra síria precisa de acabar, tal como o conflito “congelado” na Ucrânia, diz Ferguson.

“Mas os termos de uma paz podem e devem ser muito diferentes daquilo que Putin tem em mente. Qualquer acordo que pacifique a Síria sacrificando a Ucrânia seria um grave erro.”

E que concessões está Putin disposto a aceitar sobre uma Ucrânia neutral e independente?

Moscovo aposta no argumento de que nem na Ucrânia nem na Síria estão em jogo “interesses vitais” americanos. E aposta noutro plano, pensando:

um “negócio” com o adversário tem precedência sobre a defesa de um aliado, tanto mais que a Ucrânia não faz parte da NATO. E, explorando o que Trump até agora disse em termos de política internacional, calculará que a Europa ficaria à margem de um entendimento entre os “grandes”.

“Moscovo está pronta para uma nova ‘grande negociação’ e tornou-o claro”, escreve a analista russa Lilia Shevtsova, do think tank britânico Chatham House. “Quer

  • não apenas um ‘novo [acordo de] Ialta’ – foto- (entre Rússia, USA, Inglaterra, em 1945, para repartyir o Mundo em Zonas de Influência dos vencedores de 2ª guerra mundial – NdR),
  • mas também um acordo sobre o direito de a Rússia interpretar as regras globais e construir uma ordem baseada no equilíbrio dos interesses e poderes.”

O raciocínio de Shevtsova parece excessivo, dada a fraqueza real da Rússia em relação à América. Mas é útil para iluminar a nova era internacional e as tensões que vão disparar. O grande novo risco é o dos equívocos na interpretação das palavras e das intenções do adversário — que em 1914 a Europa pagou muito caro.

Por fim, um “grande negócio” russo-americano não pode iludir o factor China. É evidente que as ideias de Trump se inserem no triângulo Washington-Moscovo-Pequim.

Diga-se que a linha dura de Trump em relação a Pequim não desagrada a Moscovo, que se lembrará de Kissinger.

Dizia ele que, naquele triângulo, a América deveria estar mais próxima de Pequim e de Moscovo do que estas entre si. Isto fica para outro texto, sobre a “revolução” de Trump.

 

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>