Cristãos contra pagãos na Roma sitiada pelos Godos

Diário da abadessa Paula “consagrada antes do nascimento”

Paola: Diario storico di una vergine votata prima di nascere (I parte 402-416) di [Mazzini, Innocenzo]
Giacomo Galeazzi – Roma –  27/12/2016
Tradução: Orlando Almeida

Foto: capa do livro de Innocenzo Mazzini

“Muitas famílias nobres e ricas poderiam ter aliviado com as suas reservas a fome das massas urbanas mas em vez disso pensaram apenas na sua salvação e fugiram – comenta Paula. –

Desde há muitos dias uma grande quantidade de pobres, doentes, crianças sozinhas,  mulheres crianças no colo,  – todos magros, desnutridos e sujos – aglomera-se desde  o início da manhã na porta da nossa domus. 

Pedem, choram, suplicam, lamentam-se. Dilaceram-me o coração

.

Um diário tardo antigo para contar, por meio de uma história pessoal, como era o cristianismo das origens. Nas 157 páginas do livro «Paola, diario di una vergine votata prima di nascere» [“Paula, diário de uma virgem consagrada antes de nascer”] (Amazon) é reconstruído um período de 18 anos: de 402 a 420. “Não foi fácil expressar em italiano conceitos e realidades materiais, típicos do mundo tardo antigo” –  diz o autor Innocenzo Mazzini, ex-professor de História da Língua Latina na Universidade de Macerata.

A protagonista é ‘Iulia Tossotia Paula’,domina clarissima“. Nas suas veias corre o sangue de “gentes” ilustríssimas. Senadores o pai e os avós paternos e maternos. Cônsules e magistrados entre os parentes próximos. A avó paterna mandou construir a suas expensas o mosteiro feminino de Belém e foi a sua primeira abadessa. Paula foi destinada à vida religiosa ainda antes de nascer.

Através das fases da vida da jovem, registradas em forma de diário, surge um quadro significativo de uma época em que a figura central é Gala Placídia, filha do imperador Teodósio. Tomada como refém pelo rei visigodo Alarico em 410 casou-se com o cunhado dele, Ataulfo, e, depois da morte deste, casou-se com o patrício Constâncio, regente do imperador Valentiniano III, filho dela, tendo o cuidado de manter especialmente  uma relação de lealdade para com o papado .

O contexto, de fato, é a luta entre o mundo pagão em decadência e a civilização cristã em rápida expansão. Com contragolpes devastadores e resistências sangrentas numa Itália dilacerada por

  • guerras,
  • massacres,
  • povos inteiros obrigados a migrar de uma terra para outra,
  • dor e violência por toda a parte.

Na grande história da Igreja em processo de estruturação e dos sofrimentos pessoais de Paula tem um papel determinante são Jerônimo (imagem ao lado), secretário do Papa Dâmaso e o maior tradutor e exegeta das Sagradas Escrituras.

O Papa Dâmaso encarregou-o de traduzir para o latim o Velho Testamento, e de rever o Novo.

Paula descreve a sua vida diária com competência.

“Na minha domus (casa – NdR) trabalham muitos servos, homens e mulheres – escreve em 1o de fevereiro de 405. –  Nem todos cuidam de mim, mas todos são muito gentis comigo. Todos sorriem para mim, cada um tem as próprias tarefas”. Retratos fulgurantes.

“Fidústio é o porteiro e fica quase sempre na porta da frente: levanta-se muito cedo e cuida da multidão de ‘clientes’ que vêm falar com o meu pai para pedir favores e trazer presentes: seleciona-os, dá a precedência de acordo com os critérios fixados pelo meu pai – conta a futura abadessa. – Durante a noite dorme sobre uma esteira no cubículo à esquerda do vestíbulo, se faz frio envolve-se numa coberta feita de muitos pedaços de pano, uma manta de retalhos. Dizem que tem quarenta anos, já não tem dentes e para comer a sua broa tem que molhá-la na água”.

Num outro fragmento, escrito quando Paula tinha 12 anos, é mencionado pela primeira vez são Jerônimo.

“A minha avó chama-se Paula, como eu – diz. – Antes de eu nascer, ela foi viver na Palestina, junto com a tia Eustóquio e deixou sozinhos, aqui em Roma, o meu pai, a tia Paulina e a tia Rufina. Seguiu o exemplo de um famoso eremita chamado Jerônimo. ‘Ela seguiu Jesus, é santa’, assim diz a minha mãe. Eu não entendo por que se torna santo quem abandona os próprios filhos e a própria família”.

As tragédias da história convulsionam a experiência quotidiana da jovem. No dia 01 de julho de 410, Alarico está de novo às “portas” de Roma e os pobres à porta da domus de Paula que observa: “Alarico voltou a sitiar Roma, as negociações entre Alarico e Honório foram interrompidas e os Godos tomaram como refém a cidade de Roma pela segunda vez”.

A cidade ainda não se recuperou das consequências do cerco de 408, os Godos agora já conhecem rotas de abastecimento e os depósitos de alimentos de Roma. Bloquearam o porto de Augusto e apoderaram-se dos celeiros da zona. Roma está novamente passando fome. A grande massa de pessoas que vivem das distribuições gratuitas de alimentos está nas últimas.

 “Muitas famílias nobres e ricas poderiam ter aliviado com as suas reservas a fome das massas urbanas mas em vez disso pensaram apenas na sua salvação e fugiram – comenta Paula. – Desde há muitos dias uma grande quantidade de pobres, doentes, crianças sozinhas,  mulheres crianças no colo,  – todos magros, desnutridos e sujos – aglomera-se desde  o início da manhã na porta da nossa domus. Pedem, choram, suplicam, lamentam-se. Dilaceram-me o coração”. 

Cenas angustiantes. “Todos pedem um pedaço de pão, carne seca ou peixe, em suma, alguma coisa para pôr entre os dentes, alguma coisa para engolir – continua. – Alguns estão tão debilitados que, deitados diante do portão, já não conseguem nem pedir, soltam ganidos como cães doentes, não conseguem articular uma única palavra”.

 

 A imagem pode conter: 1 pessoa

 Giacomo Galeazzi

http://www.lastampa.it/2016/12/27/vaticaninsider/ita/recensioni/cristiani-contro-pagani-nella-roma-assediata-dai-goti-FjlkHbOgQa2uwVFmW6aD4N/pagina.html

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>