Macau: Reitor da Universidade de São José vê sinais de abertura de Pequim

Padre Peter Stilwell fala da instituição «mais internacional» do território, prestes a inaugurar novo campus

Agência Ecclesia – 25 de Agosto de 2016
 
“É preciso uma licença do Governo central para que os alunos obtenham um visto para estudar em Macau e ainda não foi conseguido. As razões que são dadas têm evoluído e, ultimamente, mostram uma certa abertura”, adiantou o sacerdote, que se encontra em Lisboa, antes de regressar ao antigo território português na China. O responsável considera que a abertura que o Governo chinês tem demonstrado ultimamente está relacionada e “dependente” das negociações em curso entre a Santa Sé e Pequim, sublinhando que há informações de que as mesmas têm “decorrido muito bem ao longo do último ano”.

 

Uma aproximação do Vaticano à China, assinala o padre Peter Stilwell, teria “um papel importante” para a comunidade de Macau e a Universidade de São José, que não é só para pessoas católicas mas “para todos aqueles que pretendem uma formação católica.” O reitor considera que sem a limitação imposta pela China seria possível ter mais alunos e crescer até aos 2200.

usj.edu.mo

Vista de Macau

 

“Seria importante para o desenvolvimento e sustentabilidade da nossa universidade”, observou.

A Universidade de São José tem atualmente 1300 alunos em cinco faculdades com “um leque razoável” de áreas e como estabelecimento de ensino católico “começa pela Teologia” oferecendo ainda o Design, Comunicação Social, Educação, Psicologia, Gestão, Serviço Social.

“Lecionamos em inglês por nos dar um meio que permite recolher pessoas, quer professores, quer alunos, de muitas nacionalidades”, acrescentou o reitor “pequena” mas “mais internacional” das instituições em Macau com “cerca de 60 nacionalidades”.

Dentro de um ou dois meses, o estabelecimento católico de ensino superior vai ter um campus universitário.

O novo edifício vai permitir a professores e alunos terem “contexto para uma vida universitária”, para além de permitir que se desenvolvam.

“Temos de bater-nos pela qualidade e garantir que a formação que damos é a que as pessoas procuram, sentem que lhes dá uma visão do mundo”, desenvolveu o padre Peter Stilwell.

Atualmente, as aulas são lecionadas “em andares ou apartamentos no centro de Macau”.

A diocese local facultou o espaço de uma antiga escola secundária que foi demolida para a construção do campus.

Historicamente, o padre Peter Stilwell recorda que a Igreja Católica “sempre esteve empenhada” no setor do ensino em Macau porque era preciso “formar missionários”.

“Houve sempre ao nível do ensino superior este ensino das línguas, o ensino da cultura, o ensino da Teologia, como o lugar de preparação do encontro entre o ocidente e a China”, assinalou o reitor da Universidade de São José.

HM/CB

Fonte: http://www.catolicanet.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=9596&Itemid=55

 

Leia Mais:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>