A alegria do amor (1)

Triste seria uma pastoral das falências sem apontar os caminhos para a alegria do amor sem a qual não se pode falar de família.

 – 17/04/2016

“Bergoglio lembra que não fizemos o acompanhamento dos jovens casais nos primeiros anos, com propostas adaptadas aos seus horários, às suas linguagens, às suas preocupações mais concretas. Outras vezes, apresentamos um ideal teológico do matrimônio demasiado abstrato, construído quase artificialmente, distante da situação concreta e das possibilidades efetivas das famílias tais como são.”

1. A partir do século XIX, pode-se falar de uma crescente inflação de documentos pontifícios sobre tudo e mais alguma coisa, mas, como já foi observado muitas vezes, ainda não apareceu nenhum sobre o humor. A queixa é muito mais antiga. Humberto Eco, no seu romance O Nome da Rosa, refere um debate monacal para responder a uma pergunta transcendente: Jesus riu ou não? Para o grande historiador, Jacques Le Goff, esse foi um tema constante da Idade Média.

Se alguém tentasse fazer uma enciclopédia do humor e do riso provocados pelas figuras

  • da Bíblia,
  • dos evangelhos,
  • da história da Igreja,
  • dos monges do Deserto,
  • da prática dos sacramentos,
  • da vida dos santos,
  • das devoções, do céu, do inferno e do purgatório,

nos diferentes países e continentes, teria matéria hilariante para muitas vidas. Pode ser intermitente, mas na área católica, nunca se esgota.

Depois do sisudo catolicismo da primeira parte do século XX, foi eleito papa, João XXIII. Passado pouco tempo, perguntaram-lhe:

  • – quantas pessoas encontrou a trabalhar no Vaticano?
  • – Mais ou menos metade.
  • – Quando é que decidiu convocar o Concílio?
  • – Quando estava a fazer a barba.

Os seus Fioretti correram o mundo.

Ao angustiado Paulo VI, sucedeu João Paulo I, o abreviado Papa do sorriso. Esquecendo-se de que estava no Vaticano, continuou com o seu costume de chamar a Deus Pai e Mãe e de manifestar, com bonomia, a vontade de varrer a cúria romana. Não teve sorte.

Veio um longo inverno e depois precipitou-se a primavera com um argentino, chamado Mário Bergoglio que, sendo jesuíta, se fez franciscano radical, Francisco. Parece habitado por uma paixão estranha que mistura

  • indignação e misericórdia,
  • bom humor e gestos proféticos,
  • reforma da cúria vaticana e deslocação às periferias mais abandonadas.

Desde a primeira Exortação Apostólica até à mais recente, tudo é feito por causa da alegria [1].

 

2. A Exortação A Alegria do Amor, sobre a família – uma análise, uma autocrítica e uma proposta – não é de alguém que se julga infalível a definir doutrina ou a ditar leis irreformáveis. Procura que a Igreja, na sua intervenção pastoral, abandone o inveterado mau gosto de lamentar e condenar.

No capítulo II, ao apresentar a realidade actual e os desafios que ela representa para a vida familiar, destaca,

  • por um lado, a tentação de querer resolver os problemas actuais, reproduzindo receitas gastas. Nem a sociedade em que vivemos, nem aquela para onde caminhamos, permitem a sobrevivência indiscriminada de formas e modelos do passado [2].
  • Por outro lado, também não se pode cair na ideia de que tudo é descartável, cada um usa e deita fora, gasta e rompe, aproveita e espreme enquanto serve e, depois… adeus.

Entretanto, o Papa não se limita a mostrar que esses são becos sem saída. Adverte, no entanto, que devemos ser humildes e realistas para reconhecer que, às vezes, a nossa maneira de apresentar as convicções cristãs e a forma como tratamos as pessoas ajudaram a provocar aquilo de que hoje nos lamentamos, pelo que nos convém uma salutar reacção de autocrítica.

Além disso, muitas vezes apresentamos de tal maneira o matrimónio que

  • o seu fim unitivo,
  • o convite a crescer no amor e o ideal de ajuda mútua ficaram ofuscados
  • por uma ênfase, quase exclusiva, no dever da procriação.

Bergoglio lembra que não fizemos o acompanhamento dos jovens casais nos primeiros anos, com propostas adaptadas aos seus horários, às suas linguagens, às suas preocupações mais concretas.

Outras vezes, apresentamos um ideal teológico do matrimónio demasiado abstrato, construído quase artificialmente, distante da situação concreta e das possibilidades efectivas das famílias tais como são.

Esta excessiva idealização, sobretudo quando não despertámos a confiança na graça, levou a que o matrimónio deixasse de ser desejável e atraente; muito pelo contrário [3].

 

3. Na acção pastoral, custa-nos deixar espaço à consciência dos fiéis, que são capazes de realizar o seu próprio discernimento, mesmo em situações onde se rompem todos os esquemas. Somos chamados a formar as consciências, não a substituí-las.

 

 

Frei_bento_domingues

 

Frei Bento Domingues

Fonte: https://www.publico.pt/sociedade/noticia/a-alegria-do-amor-1-1729165

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>