Zeca de Mello, confissões de um ex-padre que se reinventa seis anos após deixar a batina

Na primeira entrevista sem batina, Zeca de Mello fala de desejo de ter filho, carreira, novo papa e dogmas da igreja

Zeca de Mello na loja do sogro, em Nova York Foto: Gilberto Tadday / Agência O Globo

Zeca de Mello na loja do sogro, em Nova York Gilberto Tadday / Agência O Globo

Nova York _ José Luiz Jansen de Mello Neto está em pé na porta do Antique Garage. O bar, decorado com espelhos, lustres e quadros de tempos imemoriais no coração do SoHo, foi o lugar que o próprio escolheu para dar a primeira entrevista desde que deixou de ser o padre Zeca, lá se vão mais de seis anos. Calça jeans, camisa polo azul-clara, aliança de ouro na mão esquerda, ele vai comandar o primeiro evento da The School of Life — uma espécie de Casa do Saber O GLOBO de conteúdo humanista fundada em Londres pelo filósofo Alain de Botton — no Rio, no próximo domingo (leia mais na página 30). Diante de uma carreira ascendente de professor, consultor e palestrante, sabe que a exposição será inevitável. Então sai falando sem freios, antes mesmo de escolher uma mesa e pedir um chá gelado.

Ele conta que está casado com uma americana de Nova York e por isso passa duas ou três temporadas por ano nos Estados Unidos, que o sogro tem uma loja de guitarras logo ali na Broome Street, que está louco para ser pai, que acaba de se mudar para um apartamento no Jardim Botânico. Small talk. O chá gelado chega. Ele dá um gole.

— Reparou que esses bancos são de igreja? — pergunta, apontando para o assento da repórter.

Aos 42 anos, Zeca — um carioca do Leblon que foi um dos mais jovens padres ordenados no Brasil — fala com carinho dos 18 anos que dedicou à Igreja Católica. Quando pediu afastamento, no fim de 2006, estava no auge da carreira: recém-chegado de um doutorado na Itália, coordenava o departamento de Cultura Religiosa da PUC e era uma estrela da Paróquia da Ressurreição, no Arpoador.

— Nunca tive crise de fé. Meu problema foi com a instituição — diz, enquanto levanta a sobrancelha esquerda, como voltará a fazer sempre que quiser sublinhar algum pensamento.

O “problema” de Zeca começou na segunda metade dos três anos e meio que passou estudando na Universidade Gregoriana de Roma, a partir de 2001. Ele era bolsista, morava numa casa de padres e preparava uma tese sobre Santo Agostinho.

— Me chamou a atenção que quase não se veem mulheres no Vaticano, e nunca em funções de decisão. As dificuldades que a Igreja tem com a sociedade contemporânea estão sempre no campo moral, sexual e familiar. Há dois mil anos a moral sexual e familiar tem sido elaborada por homens celibatários — critica, para em seguida divagar: — É interessante, porque o pensamento moral social da igreja é muito avançado.

As consequências, ele lembra, foram demolidoras:

— No final do segundo ano na Itália eu entrei em crise. Já tinha casado todos os meus irmãos, batizado todos os meus sobrinhos, meus amigos estavam tendo filhos, eu estava com 30 e poucos anos. Comecei a antever que seria muito difícil ter um futuro saudável e equilibrado sem uma família.

Foi mais ou menos quando Zeca conheceu Stephanie Pensa, bacharel em Literatura Italiana que trabalhava num programa da Universidade de Dartmouth em Roma.

— A gente se apaixonou — confessa. — Mas nunca deixaria o ministério por uma mulher. Quando a gente se conheceu eu já estava em crise. Sempre pensei que, se deixasse o ministério, essa responsabilidade deveria ser só minha. Então a vida nos separou, e só fui reencontrá-la anos depois: ela tinha terminado um relacionamento; eu não era mais padre e tinha acabado um namoro também (ele diz que teve “algumas namoradas, uma mais séria”, depois de largar a batina). Mas quando cheguei de Roma já estava decidido. Eu não tinha vivido muitas coisas de que gostaria. O mais honesto era pedir afastamento. Eu não quero ter uma vida dupla.

Stephanie, que depois fez mestrado em Educação de Paz na Columbia University e hoje dá aulas de inglês no Rio, surgirá no meio da sessão de fotos que sucedeu esta entrevista. Muito bonita, extremamente simpática, a morena de 31 anos — cabelo preso num coque displicente, jeans de bainha dobrada, camiseta sem manga e brincão de argola na orelha — lembra que ligou para Zeca quando voltou a Roma, a cidade que os unira, de férias com amigas. Ele foi encontrá-la em Nova York. Ela viajou para vê-lo no Rio. E outra. E outra. Os dois se casaram no dia 20 de agosto de 2011, com uma cerimônia celebrada pelo padre José Roberto Devellard, da Paróquia da Ressurreição, num clube frequentado pela família dela nos arredores de Manhattan.

— O Zeca sempre foi um padre muito querido. Agora mesmo, éramos três padres dizendo que sentimos a falta dele na Jornada Mundial da Juventude. Porque ele tinha e tem uma liderança natural, espontânea. Foi uma pessoa que somou tanto que eu, que não sou de viajar, fiz questão de celebrar o casamento dele. Se ele somava tanto na Igreja, agora esperamos que ele some na família — diz, por telefone, o padre José Roberto.

Parece cena de final feliz, mas, para Zeca, a vida está só começando. E não foi fácil chegar até aqui.

— Deixar o ministério é como se separar e perder o emprego no mesmo dia — ele compara. — Quando entrei para o seminário, era só certezas. No final, a única certeza era a de que o mais correto seria sair. Vem um sentimento de fracasso por não ter conseguido levar adiante um sonho, uma vocação. Eu sei que tenho uma vocação. Sempre fui feliz e fiz as pessoas felizes como padre. Mas uma hora chega uma questão existencial e ela é forte demais. Tive que repensar de que forma poderia ser útil à sociedade e me manter também. Você como padre não tem preocupação com plano de saúde, aluguel, nada disso. Tive que me reinventar.

Zeca precisou se afastar do cargo na PUC  (“Não tem histórico de ex-padre dando aula de Teologia, talvez agora com esse Papa isso fique mais tranquilo, I hope so”, diz ele, numa das muitas vezes em que evoca o Papa Francisco). Chegou a pensar em sair do Brasil, mas acabou alugando um quarto e sala em Ipanema.

— Tenho muitos colegas que deixaram o ministério magoados com a Igreja. Eu não: sempre fui muito grato à formação que recebi, aos valores, às oportunidades que eu tive. Não queria sair dando entrevista e falando, não tinha por quê. Estava desempregado. Precisava iniciar o processo de reencontrar o meu lugar — conta.

A transformação do padre Zeca em Zeca de Mello começou na Coppead, a escola de negócios da UFRJ, com uma pós-graduação em Administração de Empresas. Ele leu muito: Paulo Freire, Edgar Morin, Leonard Boff, a filósofa italiana Michele Marzano. Já formado, foi surpreendido pelo convite de um executivo que frequentava suas missas para prestar consultoria na área de responsabilidade social de uma empresa de energia renovável com sede em Curitiba. Hoje, Zeca dá aulas no Crie (Centro de Referência em Inteligência Empresarial), da Coppe, é professor convidado da Fundação Dom Cabral e da Fundação Getúlio Vargas, roda o Brasil fazendo consultorias e palestras. Sempre na área de humanismo e gestão:

— Chamo minhas palestras de provocações fraternas. Trabalho nessa lacuna que existe entre o modelo educacional no qual nós fomos formados e o mundo de hoje. Viemos da escola das respostas certas, tínhamos que dizer a resposta que já estava prevista. E fazer tudo sozinhos. Nós inclusive definimos sucesso como não depender do outro. Hoje, o maior desafio nas organizações é colaborar para inovar.

Os Sermões Seculares que a The School of Life costuma promover com sucesso em Londres aos domingos são a mais perfeita tradução do trabalho que Zeca vem desenvolvendo. Eles consistem de uma celebração em torno de um tema específico, sempre sob o comando de um palestrante convidado, com direito a cantos, folhetos como os das missas e comida no final. A escola estreia no Rio justamente com um sermão. Uma oportunidade, nas palavras de Zeca, “para as pessoas se encontrarem e refletirem sobre questões relativas à vida”.

A escolha do Zeca foi além do currículo, por ele ter sempre gostado das ideias do Alain e conseguir passar para as pessoas de maneira direta, clara e concisa o que tem a dizer. O Zeca tem uma experiência de vida eclética, ao lado de qualificações formais muito sólidas — diz a diretora-executiva da The School of Life, Jackie de Botton.

Zeca nem pensou duas vezes antes de eleger a gratidão como tema do sermão.

— Como padre, uma das experiências mais ricas que tive foi lidar com a dor da morte, em missas, hospitais, consolando famílias. Comecei a perceber a força da gratidão. A vida é um presente, a vida é um dom que não se conquista, é recebido gratuitamente. E diante de algo que é gratuito só há uma resposta à altura, que é a gratidão — justifica. — Quando perdi meu pai, há quase três anos, eu já não era mais padre e não celebrei a missa, mas no final dei uma palavra e falei justamente sobre isso. Eu morro de saudade do meu pai, e sempre agradeço pela vida dele. De alguma forma ele está vivo, toda vez que a gente lembra dele, quando eu falo dele. Percebi que o exercício da gratidão como postura diante da vida tem o poder de transformar as coisas mais duras.

Zeca agradece o fato de o pai, que trabalhava com construção civil e sempre quis que ele fosse advogado, ter tido a oportunidade de ver a sua retomada profissional. Os quatro filhos de José Luiz Jansen de Mello Filho foram criados indo à igreja todo domingo, mas, curiosamente, ele foi o único que se afastou da prática religiosa por um tempo, na adolescência.

Achava missa uma coisa chata, uma celebração muito distante — diz ele, lembrando que tudo mudou quando foi fazer curso de crisma. — Ali tive uma experiência espiritual muito forte, justamente na época de escolher que caminho tomar, e pensei: quero ser um bom cristão. Isso fez sentido para mim.

Com 18 anos, ele saiu de casa com uma malinha e se internou no seminário.

— Minha família ficou muito preocupada. Minha mãe sempre dizia: “Meu filho, faz uma faculdade primeiro.” Meu pai foi duro comigo no início, foi difícil para ele, como temos o mesmo nome, pensar que eu não ia continuar a família — diz Zeca, que se graduou em Filosofia e Teologia e depois fez mestrado em Teologia Bíblica na PUC.

Zeca ainda não voltou a frequentar a igreja com assiduidade, mas pretende criar os filhos na tradição cristã.

— Nunca me senti excluído, mas é natural um afastamento num primeiro momento. Estou no processo de retomada do meu lugar na Igreja também. O Dom Orani (João Tempesta), quando virou Arcebispo do Rio, me chamou e tive uma acolhida ótima. Muito na linha do Papa, uma linha muito humana.

O assunto descamba, claro, para o Papa Francisco. Criador do movimento Deus é 10, que atraía milhares de fiéis à Praia de Ipanema, Zeca estava em Nova York durante a JMJ.

— Tenho muita esperança nesse Papa. Um Papa aberto, que trata a religião de uma forma muito próxima. Uma liderança simples, falando à vontade sobre qualquer questão. Quando falou sobre a inclusão das mulheres nas decisões… Agora a questão do celibato vai ser pelo menos discutida. Antes, não se podia nem tocar no assunto — elogia ele, que também aplaude Bento XVI: — Achei importante a atitude de renúncia, de entregar um cargo vitalício para alguém que pudesse fazer as reformas de que a Igreja precisa.

Enquanto isso, ele vai à praia, sai para dançar na Lapa, cuida com o irmão da fazenda de produção de leite que o pai deixou perto de Friburgo. Recebeu uma proposta de escrever um livro sobre a atualidade do pensamento de Santo Agostinho, “um dos maiores gênios do Ocidente”, baseado na tese que defendeu em Roma.

O legado da Igreja na sua vida?

— Acreditar que as pessoas podem mudar.

ISABEL DE LUCA

(EMAIL·FACEBOOK·TWITTER)

11/08/13 – 16h24

Fonte: http://oglobo.globo.com/rio/zeca-de-mello-confissoes-de-um-ex-padre-que-se-reinventa-seis-anos-apos-deixar-batina-9467685#ixzz2bsgbUiYA

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>