OS CINCO DEDOS

(Do livro “Viver bem para viver sempre”, de Jaime Borrás, Ed. Paulinas)

A força de um homem em equilíbrio diante da vida é semelhante à força e à unidade da mão e seus cinco dedos.

A mão, para ser forte, deve usar os cinco dedos; o mesmo acontece com o homem: para viver forte e em equilíbrio físico e psíquico, quer dizer, com mais possibilidades de ser feliz, deve exercitar diariamente cada um dos cinco dedos da mão.

Os cinco dedos desta mão forte que guiará você durante toda a sua vida, em equilíbrio, com mais saúde e alegria, são:

                                                                                                                                AFEIÇÃO (Hobby) –  VIDA SOCIAL  –  SAÚDE E ESPORTE –  TRABALHO  –  VIDA FAMILIAR E ESPIRITUAL.                 (dedo  afeição)                (dedo  social)                    (dedo  esporte)            (dedo trabalho)                   (dedo  espírito)

 

É preciso usar todos os dedos, não apenas um; todos os dias, a vida inteira. Por estranho que pareça, esta é a maneira mais fácil de fazê-lo.

Se o dedo ESPORTE está debilitado e anquilosado por ter ficado inativo por mais de um ano;  se de repente, durante um fim de semana, você o coloca para funcionar à toda, é possível que sinta dores nesse dedo, que pode até se quebrar.

Sabemos que já morreu gente nos ginásios e campos esportivos por ter cometido semelhante erro.

É muito importante fazer funcionar os cinco dedos todas as semanas, ou melhor, todos os dias.

Não se deve passar uma semana sem fazer exercício, como não se fica uma semana sem comer ou sem dormir. Não é possível ter um corpo fisicamente em forma e recuperar o tempo perdido do dedo esporte, pondo-o para funcionar só nas férias de verão.

Há pessoas esgotadas, extremamente cansadas, com os nervos estourados, sem apetite, que perderam a alegria de viver e não sabem por que.  Muitas vezes essas pessoas limitam sua vida ao trabalho e à tentativa de descansar para poderem trabalhar mais.

“Como pão para ter forças para quebrar as pedras para poder comprar o pão para ter forças para …”, como dizia o pedreiro do conto.  São pessoas que, sem o perceberem, vivem uma vida pequena e estreita, num círculo vicioso… sem dar tempo ao espírito, aos amigos, aos esportes, ao cinema ou às festas…

Em todos os lugares há milhares de pessoas assim.  São pessoas que se sentem cansadas.  Mas, estarão realmente cansadas?  Não!  Estarão precisando de descanso?  Que nada!   O que realmente precisam é mudar de ambiente, sair da rotina, fazer com que o sangue corra nas veias graças a outros ideais, outros interesses, outras atividades.

É assim que nascem muitos desequilíbrios, algumas neuroses, muitas separações matrimoniais.  Para sair do círculo vicioso há duas premissas:  primeiro,  perceber que estamos nele.   Segundo,  querer sair dele.

Podemos fazer isto sozinhos ou com a ajuda de alguém, mas em ambos os casos o melhor caminho é traçar logo um plano de vida equilibrada, no qual esteja garantido o exercício diário dos CINCO DEDOS para ter uma mão forte, ou, o que é o mesmo, uma vida equilibrada.

1 –    A F E I Ç Ã O  ( Hobby,  Ideal )

 

 Exercite o dedo AFEIÇÃO e ficará surpreso com a alegria e a felicidade que ele vai lhe proporcionar.

Se você trabalha:  talvez o faça com gosto, ou talvez sem tanto gosto.  Quem sabe a sua verdadeira afeição não seja exatamente a que está exercitando no seu trabalho atual.  Se você sabe qual a sua verdadeira afeição ou ideal e pode mudar sem grandes contratempos, faça-o o quanto antes, pois a vida é curta e nem sempre se tem a oportunidade de ser feliz no trabalho.  Isso é o que achava o grande Félix Rodriguez de la Fuente, que abandonou a carreira de dentista para dedicar-se à sua grande paixão,  “a divulgação da vida  dos animais”.   Mas se você não  pode mudar, nem por isso deve desistir da sua afeição, do seu hobby, dos seus ideais.  Dedique parte do dia, algumas horas ou pelo menos alguns minutos a ela;  quem sabe um dia você poderá mudar o seu trabalho por esta afeição que então já terá bases mais sólidas, terá crescido e poderá se concretizar.

Talvez você goste do mar e das viagens, ou dos animais, da agricultura, ou de colecionar moedas, selos, borboletas, ou da jardinagem, da fotografia, de escrever.   Alimente o mais possível estas afeições, deixe que o sangue circule com emoção  nas suas veias ao escrever uma poesia, ou ao pronunciar uma palestra, ou ao tentar conseguir aquela moeda difícil, aquele selo raro.   Isto dará “corda” a você para que possa viver com paixão e alegria.

Se você gosta de viajar, principalmente a países exóticos, de conhecer as pessoas, seus costumes, sua vida, seu mercado, sua paisagem…  não  poupe esforços para fazê-lo, pois, francamente, acho que há poucas coisas na vida tão emocionantes quanto conhecer o mundo.   Deus vai pedir-nos contas disto.   Não viajar é quase um pecado, pois Deus fez o mundo para que o conhecêssemos e usufruíssemos dele;  seria uma descortesia não o fazer.

Se não puder conhecer continentes inteiros, conheça alguns países, algumas regiões, mas abra o coração e os olhos ao mundo que Deus fez para você também.

Não permita que ninguém mate os seus ideais.  Todos tínhamos pequenos ideais na infância;  nossas figurinhas, nossas bolas de gude…, mas depois, o implacável e tantas vezes irracional currículo de estudos acabou matando, por falta de tempo e oportunidade, este ideal das afeições, que muitas vezes são a base que exprime a vocação ou a aptidão que todos temos dentro.  Determine qual é ou quais são as suas afeições, seus hobbies e dê a eles um lugar privilegiado em seu plano de vida equilibrada.

Se você tem e pratica seus hobbies,  chegará feliz à velhice e, ao aposentar-se,  terá o tempo que tanto desejava dedicar-lhes e que, por causa do trabalho, antes era muito pouco.  Não pense que, se você já tem certa idade, é tarde demais para isso.  Um exemplo, entre milhares de outros, é o de Ana Maria Mossas, a célebre pintora naif norte-americana, que começou a pintar aos 69 anos.

2  –  VIDA  SOCIAL

O homem é social por natureza… e se não se comunica  “se trombica”.  Existem clubes sociais onde as pessoas podem se reunir para ouvir conferências, apresentações musicais, para dançar, falar de política ou de arte.  Existem associações beneficentes:  a Cruz Vermelha, a Associação contra o câncer, a APAE…  Decidamos do que gostamos mais, para associar-nos ou inscrever-nos e começar a agir o quanto antes.

Há rapazes que estão terminando seus estudos, com boas notas, que falam corretamente vários idiomas, que trabalham durante as férias na sua especialidade, bons em caratê, natação, pesca, futebol de salão, barco a vela ou tênis, e ainda organizam festas, reuniões e excursões com seus amigos.

De onde tiram tanta energia para realizar todas estas coisas, além de cumprir com seus deveres de estudos?  É muito simples:  obtém-se a energia necessária para fazer bem uma coisa quando se está entusiasmado com outra.  E essa energia, quando se adquirem bons hábitos, aumenta com o uso.   Por que adquirir bons hábitos?  Porque somos o reflexo de nossos hábitos.  Porque o homem que consolidou sua moral mediante a formação de bons hábitos permanecerá firme como uma rocha, quando outros homens,. menos resistentes, sucumbem como castelos de areia.

Quanto mais nos pudermos apoiar nos cinco bons hábitos, mais livres estaremos para o exercício de nossas faculdades mais elevadas.  O automatismo não exige quase nada de nossa mente, é algo que se realiza quase sem esforço.  Como um motorista com prática e com bons hábitos ao dirigir um carro.  Quanto maior for a porção de sua vida que adquirir bons hábitos, tanto maior será a quantidade de energia que ficará disponível para ações de maior importância.

Mastigar bem, escolher comidas saudáveis, banhar-se, cuidar da higiene dental e íntima, vestir-se, cuidar do espírito, respirar bem, ser austero, organizado…  pagar as contas… estar em dia.

Assim como as pedras que ficam polidas quando esfregadas uma na outra, da mesma forma, o homem dando-se o pouco ou muito que possa, ir-se-á polindo e aprimorando no contato social.

A melhor forma de adquirir vida social é através de um passatempo ou esporte, pois essas atividades exigem companhia e seus aficionados reúnem-se em associações ou clubes.   Estude oratória e relações humanas, entre para o mundo do teatro, da fotografia, da religião ou da política e você estará no bom caminho para entrar em contato com as pessoas e enriquecer a sua vida social.

3  – SAÚDE  – ESPORTE  – CAMINHAR  – VELHICE  – FUMO  – DIETA

 

Deus deu a cada um de nós um corpo maravilhoso. Temos que cuidar dele.  Uma das melhores maneiras para fazer isso é praticar esportes ou ginástica, principalmente aqueles que levam uma vida sedentária na cidade. Disso depende a nossa saúde.

Os esportes e a ginástica para alguns são um verdadeiro problema.  Sobretudo para os que “amam” o asfalto e estão muito presos ao fumo ou à bebida.

Muitos pensam assim: vivo na cidade e já faço bastante exercício no trabalho.  Já estou velho para fazer ginástica ou praticar esporte. “De alguma coisa a gente tem que morrer”. “Se a pessoa é feliz com o seu cigarro e a sua bebida, para que deixá-los?”    “A gente vive tanto ou mais, mesmo que não faça nenhum exercício”.

Esse é um ponto de vista.  – 

É possível que você não seja tentado a ter um bom “muque” ou um peito forte. Pode ser que não ligue para um ventre protuberante ou para umas pernas raquíticas ou de paquiderme.  Talvez também não se importe de arfar ao subir uma escada.  Mas, naturalmente, você gostaria de ter energia vital em abundância para empregá-la nos seus relacionamentos, na sua oratória, nas suas relações amorosas, na profissão ou na política.  Para triunfar, em qualquer aspecto, é preciso ter energia, vitalidade, coisas que se conseguem com o exercício.

Então, o exercício é imprescindível.

A vida sedentária faz com que todos os músculos fiquem atrofiados, diminuindo a sua vitalidade.  Claro que existe a possibilidade de uma mente enérgica num corpo doente, mas por que há de ser esta a sua meta?

Sem exercício o coração degenera a graus extremamente perigosos.  A eficiência de um coração destreinado é calculada em 7,3 enquanto que a de um coração treinado é de 28,3.  Não gostaria que seu coração fosse quatro vezes mais eficiente?  Parta do princípio de que quando você não está disposto e lhe parece mais difícil, esse é o momento mais “necessário e oportuno”.  No mínimo três vezes por semana.  No começo, requer esforço;  depois adquire-se o hábito e, finalmente, torna-se um prazer.

É preciso ser fiel a esse projeto “saúde – esporte” o ano inteiro. 

Escolha: ginástica, sauna, caminhadas de uma hora, futebol, tênis, natação, dança…  Ricos e pobres, mulheres que trabalham ou donas-de-casa, operários ou diretores de empresas, todos podem e devem praticar algum esporte, mesmo na grande cidade e durante todo o inverno.

Também o homem que vive no campo, com a vantagem de que para ele a atividade ao ar livre é menos problema.

Conheça a ioga, ideal para a ascese e o domínio pessoal.  Com essa prática você aprende a respirar bem e a tornar seu corpo flexível e sem asperezas.  Conhecerá a si próprio e aprenderá a relaxar.

Se os esportes não o atraem, seja a sua vida no campo ou na cidade, seja você moço ou velho, seja no verão ou no inverno, de qualquer maneira você pode caminhar.  Estabeleça uma finalidade para as suas caminhadas, além do aspecto saúde, e verá quão atraente e produtivo é andar.  Por exemplo, caminhar para conhecer monumentos, para conhecer a cidade, para descobrir e estudar os pássaros de um parque, para pescar rio acima, para caçar e colecionar borboletas ou para recolher minérios ou fósseis, conchinhas na praia, para tirar fotografias…

Lembre-se que está comprovado que caminhar prolonga a vida.  SIM, CAMINHAR PROLONGA A VIDA.

O inverno obriga o homem à inatividade muscular (quando é muito rigoroso). E o homem, em certo sentido, acomoda-se. Por outro lado, os higienistas recomendam caminhar o mais possível para mexer os quarenta quilos de músculos que compõem o corpo humano.  Efetivamente, a inatividade muscular causa a atrofia dos músculos mas também afeta o funcionamento de todos os outros órgãos.

Com o trabalho muscular deveríamos gastar 2/3 das calorias produzidas pelos alimentos, o que permite manter em equilíbrio a relação calórica de entradas/saídas.  Quando essa relação está desequilibrada, ocorrem os fenômenos de engorde ou desnutrição. 

Frequentemente, em especial nas cidades, o homem moderno tende a engordar, porque não queima todas as calorias.  E aumentam as possibilidades de adoecer.  Pelo contrário, o homem de pouco peso tem, em geral, uma vida média superior à dos homens com peso excessivo.  Estes últimos têm tendências para as doenças do sistema metabólico, como a arteriosclerose e sobretudo para as doenças cardíacas.  Por quê?  Porque o coração, pelo excesso de peso, está sendo forçado demais.  Além disso, as gorduras não se acumulam somente debaixo da pelo ou na região dos quadris;  também se localizam no interior dos órgãos vitais, como o coração, pondo em perigo o seu funcionamento.

É preciso andar também no inverno;  praticar exercícios e prestar mais atenção aos alimentos.  É perigoso andar no inverno?  Muito menos do que se pensa.  A chuva em si mesma, não prejudica.

Andar, correr, fazer footing ou jogging, serve para consumir o excesso de calorias que consumimos todos os dias e manter o peso ideal, ajudando assim no bom funcionamento de todos os órgãos.

Nunca será demais repetir a importância de andar.  Hoje em dia redescobriu-se o quanto esta prática é proveitosa e está na moda o cooper, assim como a ginástica em geral.  Correr, ou simplesmente caminhar, consiste num exercício físico que pode ser considerado como um dos primeiros que o homem praticou.

Pelas suas grandes qualidades e pelos enormes benefícios que proporciona, este exercício deveria ser praticado por todo o mundo.  Proporciona força física, resistência ao cansaço,  o sangue é enriquecido, fortalecem-se as pernas, os tornozelos, as costas;  trabalham as articulações, beneficia principalmente o coração e também todos os órgãos do corpo.  Um bom exercício para emagrecer consiste em correr ou caminhar distâncias adequadas à própria resistência física. Procure aumentar a cada semana a distância do seu percurso.  Sempre em terreno plano.  As pessoas mais velhas devem praticá-lo de acordo com a sua constituição e força.

A vida sedentária afeta também a digestão.  Isto se vê claramente ao constatarmos que a prisão de ventre é muito mais comum nas pessoas que fazem pouco movimento, sendo rara nos atletas ou naqueles cuja atividade exige movimento.

Vou explicar-lhe como a atividade motriz influi na digestão.  Ela intervém mediante dois mecanismos: um de tipo mecânico e outro de tipo funcional indireto.

Enquanto caminhamos, começam a funcionar também os músculos do abdômen, que exercem uma função rítmica de massagem sobre o aparelho intestinal, favorecendo o movimento peristáltico do intestino.  Indiretamente, o andar provoca uma aceleração da circulação sanguínea, que contribui para levar o sangue oxigenado ao aparelho digestivo, estimulando a atividade do intestino.

Assim, andar no inverno pode ser uma terapia de prevenção contra muitos desarranjos e doenças que afetam o homem, especialmente nas grandes cidades.  Além disso, é uma terapia que não custa nada e é uma forma de estar bem para viver melhor.  Sem dúvida alguma, caminhar prolonga a vida!

É possível que durante os primeiros dias você sinta um pouco de cansaço: todo exercício novo provoca algumas agulhadas. 

Mas você pode ter absoluta certeza de uma coisa:  se no fim do dia você está feito “um trapo”, o que você mais precisa é de uma boa dose de exercício.  Primeiro você deve relaxar fisicamente;  isso você não conseguirá se ficar só tomando drinques ou jogando baralho.  Mas pode consegui-lo se fizer alguma coisa tão ativa e absorvente que apague da sua mente as emoções destrutivas.

Para levar uma vida equilibrada, inclua pelo menos um esporte em seu programa.

Agora é o momento de redigir o seu programa de vida equilibrada. Amanhã será o dia para começar a praticá-lo.        Tenho certeza de que uma vez embarcado nesta nova aventura de atingir a vida equilibrada, nada no mundo poderá induzi-lo a afastar-se dela.  É interessante demais, e os benefícios, muito palpáveis.

Você não notará a mudança para melhor logo no primeiro dia;  mas você receberá os benefícios a partir  do primeiro dia:  lembre-se de que a doença se atinge através de 4 etapas:

  1. má educação.     2. má função.     3. lesão orgânica.     4. enfermidade.

Não é possível reconduzir o organismo de volta ao seu estado de saúde completa sem percorrer de volta as 4 etapas, sendo que a primeira é, sem dúvida, fundamental. Se não se reeduca, a função viciada persiste e a lesão continua.

É uma lei imutável da natureza que uma boa alimentação e o movimento criam beleza harmoniosa e boa saúde.

Os animais em liberdade têm traços muito semelhantes e todos são belos;  só se destacam alguns exemplares por serem de maior tamanho.   

E os homens?  Não há comparação possível!  Uns são magros demais, outros muito gordos;  estes têm reumatismo, aqueles padecem de prisão de ventre, ou então sofrem do fígado, dos rins…

Uma vida incorreta é a causa destes males.  Mas as leis da natureza mostram o caminho.  O homem recebeu seu corpo como o maior tesouro;  está em nossas mãos a possibilidade de cuidar dele para aproveitá-lo ao máximo e assim nos sirva para atingir metas espirituais mais elevadas.  Lembremos o provérbio que diz:  “Não se pode caminhar contemplando as estrelas quando se tem uma pedra no sapato”.  Muitas vezes essa pedra no sapato é a nossa saúde.  Ela acaba com o nosso ideal de fazer algo novo, porque não anda bem.

Se sua saúde não anda bem, recupere-a com exercícios e obterá a plenitude e o idealismo para outros objetivos.

VELHICE.  Ao sentir a tentação de submeter-se a algum tratamento contra a velhice ou para prolongar a vida, pelo menos tenha a certeza de que, no que lhe diz respeito, já fez tudo o que podia para levar uma vida equilibrada.

Hoje em dia ainda estão em moda determinados métodos farmacológicos para lutar contra a velhice e que garantem que ela estaciona ou retrocede;  mas não passam de golpes publicitários, pois o uso da procaína – antidepressivo e euforizante – na verdade não rejuvenesce;  segundo autores especializados, ela apenas melhora um pouco o estado geral. De fato, o Food and Drug Administration, organismo que cuida desses assuntos nos USA, não permite o uso dessa droga.

E a técnica celular, que consiste em injetar no organismo humano células de embriões vivos de animais, é classificada pelos entendidos como um “remendo de curandeiros”, pois não há nenhuma prova científica de que esses procedimentos sejam eficazes e duradouros.

Não se iluda:  em matéria de saúde e de qualidade de vida, nada se dá de presente.  Você deve levar uma vida equilibrada e obter esse equilíbrio à custa de seu esforço.  Só assim logo obterá o equilíbrio que significa: mais saúde, vitalidade, espiritualidade, afetividade…

Reveja o ABC da vida que, embora muito conhecido, é pouco praticado.

Procure respirar e mastigar bem.

Consuma alimentos de baixo conteúdo de gorduras e proteínas.  Para dar-lhe uma idéia:  45% vegetais e frutas, 45% peixes e ovos e 10% carne (pouca carne de porco).

Trate e ingerir somente alimentos naturais e frescos, prescindindo o mais possível de qualquer aditivo;  coma um pouco menos do que o necessário para não ficar com aquela sensação de “estar cheio”.

Beba com moderação, caso contrário você estará reduzindo consideravelmente a duração de sua vida.  Um pouco de vinho alegra as refeições e não prejudica,  mas as bebidas de alto teor alcoólico são um veneno para o fígado, o coração e o estômago.  A água é excelente e é bom tomar mais de um litro por dia.

CIGARRO. Deixe o cigarro se você quiser ser livre. Sei que é difícil, mas se você quiser ser responsável pela sua vida, se quiser vivê-la com mais plenitude em outros aspectos, seja forte e pare de fumar.  Por que ser escravo de uma coisa que mais prejudica do que beneficia? 

Lembre-se do que dizem as últimas pesquisas sobre o fumo. Ele afeta a nossa saúde de várias maneiras.  A mais conhecida, mas nem por isso a única, é o câncer do pulmão.  Não só o aparelho respiratório sofre as consequências do fumo, mas também o coração padece.

O câncer do pulmão, muito raro entre os não fumantes, é a segunda causa de morte mais frequente entre os fumantes e está diretamente relacionado com o número de cigarros fumados.  Um estudo realizado na Inglaterra demonstrou que mesmo os que fumam pouco (cerca de 10 cigarros diários) têm uma probabilidade sete vezes maior de morrer de câncer do que os não fumantes;  os fumantes moderados (10 a 20 cigarros), doze vezes maior;  e no caso dos fumantes empedernidos a probabilidade eleva-se a 24 vezes.  Uma pesquisa norte-americana comparou 36.075 pares de fumantes e não-fumantes; após três anos 110 fumantes haviam morrido de câncer do pulmão para apenas 12 não-fumantes

Fumar é um dos 4 maiores fatores de risco na questão de ataques ao coração (os outros são: pressão alta, obesidade e colesterol).  Os fumantes têm 70% mais infartos do que os não-fumantes.  Quando se apresentam todos os fatores de risco na mesma pessoa, o risco sobe até 200% acima do normal.

Para terminar, citaremos uma frase do Real Colégio Britânico de Médicos:  “Fumar é atualmente uma causa de morte tão importante quanto o foram, em seu tempo, as grandes epidemias de tifo, cólera e tuberculose”.

Reconhecemos que o fumo é um prazer, mas vistos os perigos que contém, não deixa de ser uma loucura coletiva.

É melhor prevenir que remediar.

Se quiser ter boa saúde e também ter menos rugas, deixe de fumar. “FUMO OU SAÚDE:  a escolha é sua”.

 

 

DIETÉTICA.   Sua Saúde também depende da alimentação e da mastigação.  Conheça os movimentos dietéticos mais difundidos hoje em dia e não  se deixe guiar apenas por seu instinto. 

Entre em contato com as 4 grandes correntes da dietética:  vegetarianos, vegetalinos, crudívoros e macrobióticos…  depois, aplique o seu bom senso e faça um programa de alimentação.

De acordo com a definição de A. Puigvert:  “A dietética é uma forma de alimentação humana que poderíamos definir como a técnica da alimentação equilibrada, em comparação com a gastronomia que é a arte de comer”.

Nos dias de hoje a dietética está no apogeu:  em parte, tornou-se moda, mas não deixa de ser uma necessidade concreta.  Baseia-se em diferentes técnicas alimentares que pretendem pôr em prática um sistema de nutrição melhor e mais racional. 

Conheça-as e faça a sua escolha.

Fundamentalmente, não se trata de viver mais, mas de viver com mais plenitude, quer física quer espiritualmente.

                                   4  –  T R A B A L H O

Há quem diga que o trabalho só enobrece os bois, mas a verdade é que ele enobrece o homem e a mulher.  Por bem ou por mal, temos que trabalhar, todos nós, e o trabalho, tirados alguns inconvenientes, apresenta muitas vantagens

Como manter a cabeça sempre no lugar?  Trabalhando e apaixonando-se sempre.

Mas, é preciso trabalhar para viver, e não viver para trabalhar.  O trabalho realizado na medida certa, dignifica;  mas embrutece quando excessivo.

Procure trabalhar naquilo que você realmente gosta e realize o seu trabalho como se tivesse que ser exposto ao público:  com ordem,  com emoção,  dando mais do que lhe é exigido.

                                   A ESCADA SEM PATAMARES.  

Trabalhar com prazer é algo muito importante para se atingir o êxito na vida e manter a saúde.

Quem trabalha com prazer sente satisfação em seu trabalho e não sente o peso das horas a ele dedicadas.

Mas a minoria triunfadora ou lutadora chega a fazer do trabalho uma obsessão.   Lembre-se que o trabalho não deve ser a finalidade única de sua vida;   ele deve ser apenas um meio que o ajude a atingir o êxito em tudo.

Não caia na tentação de trabalhar todos os dias o dia todo, sem parar.  Existem pessoas que, depois de uma jornada inteira de trabalho exaustivo, ainda levam para casa uma pasta cheia de assuntos para resolver.  E fazem o mesmo aos sábados e domingos.  Essas pessoas não podem tirar férias, pois têm muito trabalho para fazer.   Isso é uma doença. É a resposta daquele senhor de idade que, quando o aconselharam a não trabalhar tanto, para gozar um pouco mais da vida, respondeu:  “Falar é fácil, porque o senhor é jovem e tem ainda muito tempo para trabalhar e ganhar dinheiro;  mas eu sou tão velho (mais de 70 anos) que preciso aproveitar todo o meu tempo trabalhando e ganhando dinheiro”.   E o homem era milionário!

A embriaguez do trabalho e do dinheiro é até pior que a do álcool, pois esta passa de vez em quando, mas a do trabalho é uma verdadeira obsessão que persegue dia e noite.  É como se fôssemos impelidos a subir, cada vez mais depressa, uma interminável escada em caracol, sem poder parar nunca;  uma escada sem patamares, que não sabemos exatamente aonde leva, mas temos que chegar, sem saber por que, o quanto antes.

Você fica esgotado, torna-se vítima do estresse, do colesterol, de um infarto do miocárdio.

Para evitar isso é preciso usar os cinco dedos (afeição e hobbies – vida social – saúde – trabalho – vida familiar e espiritual).  É muito perigoso usar apenas o dedo “trabalho”.  O êxito na vida não depende do acaso, mas da soma de triunfos diários.  É preciso planejar estes êxitos e não ficar à espera deles.  “O êxito acontece quando a oportunidade   se encontra com a preparação

“O homem que se destaca entre seus semelhantes é aquele que desde cedo fixou com clareza seu objetivo na vida e canaliza nessa direção todas as suas faculdades, aguçando o uso dos “cinco dedos” com a prática da observação, reforçada pelo constante empenho dirigido a um propósito.

Pobre do homem com uma só idéia!  Quem observa atentamente e toma uma decisão firme, inconscientemente torna-se um gênio.  O segredo do êxito na vida está na escolha de um objetivo;  uma vez fixado esse objetivo, o passo mais importante consiste em persegui-lo através de uma vida equilibrada, sem esquecer nenhum dos dedos.

Tomada essa decisão, é preciso dar um salto no vazio, sem medo de fracassar, pois é preferível expor um nobre ideal a uma queda, a permanecer camuflado pela covarde indiferença e pelo anonimato, com medo do que possa vir.

Em qualquer profissão conta mais a constância do que a capacidade.  “Nada no mundo pode substituir a tenacidade e a perseverança.   Nem o talento: é comum encontrar homens de talento entre os fracassados. Nem o gênio: o pouco êxito dos gênios é quase normal.  Nem os estudos:  o mundo está cheio de vagabundos diplomados.

A tenacidade e a perseverança são dois dos valores mais importantes no ser humano.  Fazer pressão para “seguir adiante” já resolveu e continuará resolvendo os problemas da humanidade.

“O grande compositor não trabalha porque está inspirado;    ao contrário:  a inspiração  lhe vem porque está trabalhando”.   Beethovem, Back, Wagner e Mozart dedicavam-se diariamente à sua obra, com a mesma assiduidade de um contador que enfrenta cada dia os seus números.   Não perdiam tempo esperando que a inspiração chegasse.

A própria atividade gera o impulso para empreender outras tarefas.

A INVEJA é um grande perigo.  Ela surge da comparação irracional entre o que outros já conseguiram e o que nós conseguimos.   A causa de nossas frustrações, como diz Ari Kiev, não depende do que os outros possuem, mas de não sabermos cultivar nossas faculdades.

Confúcio disse;  “Quem deseja o bem dos outros terá assegurado o seu próprio bem”.

Ao trabalhar pense nas pessoas que o rodeiam:  sua família,  seus amigos,  seus colegas de trabalho.  A quem posso servir?   Onde posso ajudar?

A pessoa não trabalha apenas para si mesma.  Em geral, trabalha-se para levar a família adiante,  para melhorar o nível e a qualidade de vida dos mais.

As pessoas costumam corresponder ao afeto, ao respeito e à atenção de quem lhes satisfaz a necessidade de serem importantes ou de dar-lhes uma vida melhor.

Como consequência do êxito, virá também o dinheiro ou a fama.

Mas no trabalho, como em qualquer atividade humana, faz falta o  E  que dá força a tudo, que tudo movimenta: o  E  de entusiasmo.  

Nem todos somos um Picasso, mas todos podemos nos distinguir das pessoas que nos rodeiam.  “Acusam-se os homens de não conhecerem suas fraquezas e, no entanto, poucos conhecem suas próprias forças”.  Não se devem classificar as pessoas.   Todos podemos mudar.

No homem, assim como na terra, às vezes encontramos minas de ouro desconhecidas pelo próprio dono.

O homem, dizia Ortega, é o Eu e sua circunstância.  Nada é estável e, como “querer é poder”, é frequente ver um homem, que foi por todos condenado, levantar-se impelido por um objetivo ou por uma pessoa e, com entusiasmo e perseverança, elevar-se acima da massa cinzenta de cidadãos do mundo, que vegetam esperando ganhar na loteria.

Em qualquer idade lembre-se de que  “o mais importante não é onde estamos mas a direção em que nos movemos”,  como dizia Goethe.  Com isso queremos dizer que nunca é tarde demais para mudar.

O importante é ter um objetivo, uma direção a seguir.  “Nenhum vento é favorável para quem não tem direção”.

Já dizia Aristóteles:  “A maneira de atingir o êxito é:  primeiro, ter uma idéia definida, clara, prática (uma meta, um objetivo);  segundo, ter e pôr os meios necessários para alcançar esses fins  (inteligência, entusiasmo, métodos);  terceiro, aplicar todos os seus meios para tal fim”.

“Muitas batalhas, as maiores, são ganhas antes de começarem”,  diz John Lubbook;  isso é válido também para quem se propõe triunfar em seu trabalho,  em sua profissão.

A boa preparação  cedo ou tarde encontrará a oportunidade  para se transformar em êxito.

E assim diremos com Charles Kingsley:  “Os homens que mais vi triunfarem na vida foram entusiastas e esperançosos;  tratavam de seus assuntos com um sorriso nos lábios e aceitavam como homens as mudanças e revezes desta vida, enfrentando da mesma maneira, dependendo do que viesse, as asperezas e as suavidades”.

E mesmo que sejamos velhos e nos pareça difícil mudar, concentremo-nos nisto:  “Pobre do homem de uma idéia só!”  Lembremos os dizeres daquele provérbio chinês:  “Uma viagem de mil milhas começa com um simples passo”.  Com  vontade, alegria e perseverança, demos este primeiro passo, mas cheguemos ao último custe o que custar.

Aprendamos bem estas linhas:  “Conheço homens da massa que sempre serão da massa”.   Por quê?  Vou dizer-lhes o porquê.  Simplesmente porque nunca conseguem acabar o que começam!

Não seja mais um da  “massa”,  tenha sempre presente a grande verdade de que “hoje é o primeiro dia do resto de minha vida”.    De mim depende a maneira de aproveitá-lo.

                                   CONSELHOS PARA TER UM INFARTO:

 

1. Cuide de seu trabalho, antes de mais nada.  As necessidades pessoais são secundárias.

2. Vá ao escritório também aos sábados de tarde (ou após o expediente).

3. Se não pode ir ao escritório à noite, leve para casa os assuntos pendentes.

4. Nunca diga não,  mas diga sempre sim a tudo o que lhe pedirem.

5. Procure fazer parte de todas as comissões, conselhos, comitês etc. e aceite todos os convites para reuniões, etc.

6. Nunca se permita um café de manhã ou uma refeição tranquila;   aproveite as horas das refeições para reuniões             importantes,  sempre acompanhadas de bebidas e cigarros.

7. Pescar,  nadar,  jogar futebol,  são formas de perder tempo e dinheiro.

8. É péssima política tirar as férias que lhe são devidas. Não esqueça que você é um homem de aço bem temperado.

9. Nunca delegue aos outros as suas responsabilidades.

10. Se você precisa viajar por razões de trabalho, trabalhe dia e noite, aproveitando a noite para locomover-se e             preparar a sua entrevista de amanhã.

5  –  VIDA  FAMILIAR  E  ESPIRITUAL

Podemos ler nas primeiras passagens da Bíblia que ”Deus criou o homem à sua imagem e semelhança:  fez o homem e a mulher”.  Assim fica claro que a imagem que se assemelha a Deus é a imagem conjunta do homem e mulher.  A união da sensibilidade, psicologia, espiritualidade e de corpos faz a imagem ideal que Deus quis compartilhar.  E de dois que se amam nasce uma família com ou sem filhos.

A vida em família é uma parte importante da sua existência.  Teoricamente, deveríamos passar dois terços da vida com nossa família.  Para a família devemos levar o melhor: a alegria, a emoção de viver, o amor ao próximo, o equilíbrio, a espiritualidade.

Mantenha em família a emoção de viver;  ajudemo-nos mutuamente a ser fiéis a este plano de vida equilibrada, que abrange tanto o alimento do corpo quanto o do espírito. 

Viva cada minuto em família como se fosse o último;  com muita intensidade e paz.   Quando se compartilham os planos, os ideais, a vida e a oração, não há dúvida de que a família crescerá unida e feliz.

É importante que haja um critério educativo único e um princípio básico de autoridade para as coisas fundamentais, entre os pais. E se algo acontece, perdoemo-nos, pois sempre é tempo de renascer; com o perdão mútuo renascemos para a vida.

Lembrar também em família aquele lindo refrão que diz:  “Os erros são grandes quando o amor é pequeno”.  Como diz S. Agostinho: “A medida do amor é amar sem medida”. Ou como disse Sêneca:“ Se quiseres ser amado, ama”.

Dedique tempo à família, para conversar principalmente sobre o presente e o futuro.  Fale do passado apenas para tirar conclusões práticas para o presente e para o futuro.

Acolha de bom grado o tremendo poder unificador da oração familiar.

Que nossa família seja o lugar onde nasçam e se realizem os sonhos de todos os seus membros.   Cultivemos a cultura em todas as suas facetas e sensibilidades:  a musical e a artística, e não nos esqueçamos da  espiritual.  Lembremos uma vez mais a frase daquele relógio de sol catalão:  “Eu sem sol e tu sem fé não valemos nada”.

Faça com que em família cada um planeje com idealismo os objetivos para o futuro, viagens a realizar juntos ou separados.  Que você consiga transmitir a seus filhos esta graça de sermos simplesmente homens e mulheres  “com o pé no chão”.  Cidadãos do Mundo.

Que o respeito mútuo e a austeridade sejam normas de vida.

Que a vida do espírito seja bem recebida, como a cama, a comida ou a diversão.

Que a música, a arte e o amor ao próximo sejam tratados com carinho.

Nosso cônjuge deverá ser tratado por nós igual ou melhor do que quando éramos namorados:  surpresas, emoções, detalhes, jantares, flores…  principalmente quando não se espera.

 

 

                                                           CASAMENTO  FELIZ

Neste momento  “pitoresco” em que estamos vivendo, onde tudo é possível – casamentos em crise, relações sexuais pré-matrimoniais, casamento aberto ou em comunidade, separações, concubinatos, “menages à trois”, bissexualidades, homossexualidades – parece que falar em casamento estável e cada vez mais feliz é a mais absurda e ridícula ingenuidade.  Mas a verdade é que uma das coisas mais bonitas da vida é caminhar por ela e descobri-la a fundo em companhia de uma pessoa querida.  Por que não de um companheiro ou companheira estável?

Por que hoje em dia se desfazem tantos casamentos?  Por egoísmo.  Na realidade, o único segredo é que se deve ir de encontro ao casamento tanto para dar quanto para receber.

No casamento, como em qualquer outro relacionamento entre as pessoas, os sentimentos de uma pela outra dependem de como essa outra pessoa faz que a primeira se sinta.  Na hora da cerimônia, cada um se compromete a uma série de esforços:  ser fiel, amar-se na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza…   Mas, além disto, nesse contrato cada uma das partes deseja, confia e espera, de forma legítima, ver satisfeitas não apenas  as necessidades normalmente consideradas básicas e essenciais (que são: alimentação, habitação, roupa e sexo), mas também os três pilares básicos dos apetites emocionais comuns a todos os seres humanos.

Se somos felizes e acertamos na escolha de nosso companheiro, de forma que ele saiba que esperamos obter uma resposta positiva a essas aspirações e que esteja disposto a fazer algo para satisfazê-las, talvez até possamos esquecer que existem.

Mas se não formos tão felizes na escolha, se estes vazios psíquicos não forem satisfeitos, provavelmente teremos decepções, atritos de convivência cada vez mais constantes e… desencanto.  Só reforçando os três pilares, para os quais todos os cônjuges temos que dar e receber respostas, é que conseguiremos fazer com que a família seja posta em seu lugar e, sob qualquer forma ou tipo que adote, persista e fique novamente  “na moda”.

Esses pilares são:

PRIMEIRO.      Cada pessoa precisa sentir que é a mais importante para a outra.  É uma necessidade de se sentir amado e bem recebido.  Ser o primeiro para você.  É indispensável que a pessoa descubra que é desejada e amada, que é querida pela outra e que o amor que oferece é correspondido.  Que sua felicidade e bem-estar estão acima de tudo, que tem prioridade sobre outros seres humanos.  Sentir-se estimado é indispensável para descobrir a própria identidade, para arriscar-se a enfrentar a aventura da vida e para poder amar os demais.

A chave do casamento é esta segurança de poder reclamar prioridade absoluta no afeto de outra pessoa.

Não basta amar a alguém por hábito, de maneira passiva, silenciosamente.   É preciso exteriorizar o amor de vez em quando através de sinais claros, frequentes e definidos.

SEGUNDO.    Até o mais forte dos homens precisa da força de outra pessoa para alimentar o seu realismo e as suas esperanças, pois a vida está cheia de fardos pesados que ninguém deveria carregar sozinho.

Às vezes a gente perde o rumo, mas, apoiado no outro, no seu amor, na sua amizade, consegue-se superar a crise. Ser ajudado por você.  Quando apoiamos e animamos o nosso companheiro na vida, ajudamos também a nós mesmos, pois o matrimônio é um veículo de duas rodas e andará bem se ambas estiverem rodando bem equilibradas.

Para que a nossa vida transcorra sem graves tropeços é necessário que o nosso companheiro tenha a vida mais estável e sem pressões possível.  Por isso, é bom estar atento a ser sensível para dar apoio e ajuda antes que peçam.

Com essa segurança os cônjuges não terão problemas ao integrar-se a outros grupos mais amplos que o casal e a família.  A família não deve ser um gueto, não deve favorecer o isolamento.  Deve ser uma plataforma que prepare os seus membros para agirem nos diferentes aspectos da vida social, criando um clima onde todos se preocupem mais com o ser do que com o ter.

 

TERCEIRO.       A necessidade universal é a de ser necessário.

Todos precisamos de uma razão para viver, de um significado para a existência e, dado que poucos de nós são teólogos ou filósofos, a saída está em sentir-nos indispensáveis para alguém.

Um sintoma clássico dos matrimônios em crise, que estão  “na corda bamba”,  é a imensa fome de apreço que se nota no casal, porque não se sentem mais indispensáveis um ao outro.

Ser o primeiro para você.  Ser ajudado por você.   Ser necessário a você.

Com essas três coisas pode-se crescer no amor e ter esperanças de que o diálogo e a confiança levarão à unidade matrimonial.  O amor é como o vinho:  ou melhora, ou vira vinagre.  “Há duas coisas que melhoram com o tempo:  um bom vinho e um grande amor”.

Para se conhecer, amar e progredir na união e na confiança é preciso dialogar.   Que o diálogo seja tão comum quanto a comida, a bebida e o ar.     Simples, suave ou forte, mas impregnado de boa vontade e sem escamotear os temas que comprometem:  filhos, ideais, religião, profissão, promoção, sexo, entrega… plano de vida equilibrada.

Assim será lindo atingir a plenitude sem apodrecer, com o espírito jovem.

Se a idade atenua certas alegrias, exalta outras, por exemplo: a amizade, e o que existe de amizade no amor faz as grandes ternuras crepusculares.    Neste clima, nós e nossos filhos  “atingiremos o inverno à força de primaveras”.

E haverá dias em que a vida será para você tão extraordinariamente interessante e bela que os dias parecerão curtos e apaixonantes. A partir daqui, uma vez formados equilibradamente, na idade que a razão indicar, poderá deixar voar os seus filhos com tranquilidade e confiança, para fora do ninho familiar.

“O elogio mais sincero que se pode fazer a um filho é demonstrar-lhe que se confia nele, dando-lhe liberdade”.

Se agir assim, você merece morrer jovem numa idade avançada.

“A Providência nos conduz com tanta bondade através das diversas épocas de nossa vida, que quase não as percebemos;  é uma ladeira suave, quase imperceptível”.   “Mas quando uma vida nobre preparou a velhice, esta não lembra a decadência, e sim os primeiros dias da imortalidade”.  (M. de Sade).

Será uma grande verdade que “as colheitas dos nossos verões e dos nossos outonos ajudam-nos a enfrentar o inverno”.

Nesta sua família não se falará nunca de aborrecimento,  pois  “o aborrecimento é a doença daqueles que têm a alma vazia e a inteligência sem imaginação”.

As famílias que têm um plano de vida equilibrada e cheio de ideais chegam ao fim do dia com inúmeras coisas que querem fazer com emoção.

Lembre em família quão importante é o amor, principalmente quando um dos seus membros sofreu uma desilusão ou passou por um mau momento.  Só o amor e a esperança, junto com a vontade, podem salvá-lo.

O homem de hoje pensa que é forte: domina algumas leis da natureza, transplanta órgãos dos mortos para os vivos…

Ao mesmo tempo seu vazio e sua debilidade são tão grandes que procura na bebida ou na droga a ilusão de liberdade.  É a necessidade subconsciente de ser amado, acolhido, compreendido:  só um amor sem limites pode ajudá-lo a viver.

Mesmo que algumas vezes não pareça, os valores clássicos do matrimônio  –  diálogo, confiança, união, fidelidade, entrega mútua  –  continuam sendo válidos para resistir à força materialista e à sociedade de consumo que hoje nos assediam.

CONCLUSÕES

1 – A GRANDE VANTAGEM DE ESTAR SEMPRE EM FORMA:  “A CONTEMPLAÇÃO”.

                                                                                              “Deus não fala, mas tudo fala de Deus”.

            Ao usar os 5 dedos da mão que especificamos anteriormente, ao praticar um esporte, um hobby, vida social, vida espiritual e um trabalho agradável, você perceberá que está em plena forma e, estando em plena forma, você estará em condições de contemplar. De contemplar? Sim, isso mesmo, de contemplar, porque a teoria da verdadeira felicidade aponta para a contemplação. O homem que não é capaz de contemplar raramente é capaz de ser feliz.  Por quê?

                  Porque na contemplação está a satisfação que deve sentir por natureza o rei da criação: o homem.  Deus criou o mundo e disse ao homem:  domine-o e desfrute dele.   Para desfrutar do mundo é preciso tomar consciência de que é possível fazê-lo.  Há pessoas que são praticamente incapazes, durante toda a sua vida, de saber que o mar tem mil cores, que as nuvens no céu assumem duzentas mil formas distintas, que há uma quantidade infinita de flores diferentes e maravilhosas que brotam nas montanhas, que o rosto e os olhos de uma pessoa podem assumir expressões tão diversas, de ser sensíveis aos mil pensamentos de amor, de dó, de tristeza, de esperança, de ilusão que estão no coração de um homem, no coração de uma mulher.

                 Só o homem que vive equilibrado, o homem que tem respeito pelos outros homens e por Deus e que vive em plena forma, é capaz de ser sensível, é capaz de contemplar.

                E quando um homem contempla, percebe as maravilhas que o rodeiam.  Passa por uma estrada e saboreia a paisagem, vê que o ipê está florescendo, que a primavera começa a despontar em algumas árvores, que o céu não tem mais aquela tonalidade cinzenta, mas uma séria de tonalidades;  sente-se contente e otimista e isso faz com que se transforme, torne-se sensível ao bom e ao belo e assim, pouco a pouco, tudo o que a vida tem de negativo deixa de atingi-lo.  E quando sobrevem alguma dor, supera-se para vencê-la e a esquece com rapidez.  É o homem que, aprendendo a contemplar, transmite otimismo, entusiasmo, confiança, alegria aos seus semelhantes. É o homem que, pouco a pouco, conquista a estima dos demais, é procurado e consultado, pois sentem nele segurança, equilíbrio.  O homem que aprende a contemplar aprende também a descobrir as maravilhas que Deus pôs a seu lado e vive a extraordinária aventura de ver  os seus filhos crescerem física e espiritualmente.

                O homem com a sensibilidade atenta e o hábito da contemplação é o que percebe que sua companheira de vida tem uma porção de matizes por descobrir e promover.  Não se conforma em casar apenas o prazer físico com um suave contato espiritual.  Quem contempla, não tem prazer apenas casando o corpo, que isto é o mais intuitivo, mas contempla e casa o espírito, os sonhos, as afeições, o doce e o áspero da vida, as alegrias e as tristezas…  a saúde e a doença, o gozo pleno da amizade e o companheirismo de ser querido. Isto é estar realmente casado!

2 – A SIMPLIFICAÇÃO: UM CAMINHO PARA “AVANÇAR PARA O INVERNO À FORÇA DE PRIMAVERAS”.

“Usamos de tudo sem abusar de nada para não sermos escravos de nada nem de ninguém”

                É verdade que usando cada dia os “5 dedos” viveremos equilibradamente, mas há algo mais  que precisamos incorporar à nossa vida para sermos livres e vivermos muitos anos, sempre com espírito jovem e cheios de entusiasmo: a simplificação.   A vida na sociedade de consumo normalmente conduz as pessoas para o caminho oposto ao da simplificação:  a complicação.  E a complicação gera um estado de ansiedade, de tensão, de falta de saúde, de falta de sono, de falta de paz interior;  acabamos não tendo mais o que é tão importante para viver feliz: usufruir de cada momento com intensidade e com a consciência de que este é o momento mais importante de minha vida, faça o que fizer, esteja com quem estiver.                                             Como simplificar?  “Simplesmente” usando de tudo o que é necessário, sem abusar de nada.  Em outras palavras:  não sendo escravo de nada nem de ninguém.  Reduzindo ao máximo os desejos habituais de ter coisas desnecessárias que nos tornam materialistas.                    E por que é tão importante a simplificação para viver com plenitude e poder avançar em direção ao “inverno” de nossas vidas à força de primaveras? Se você se deixa levar pelos ditames da sociedade de consumo e pelo bombardeio publicitário, não poderá sossegar nunca;  você acaba de comprar um carro ou uma moto, ainda não teve tempo de saboreá-los e já estará nervoso pensando em adquirir esse novo modelo, mais luxuoso, mais potente ou mais moderno que seu amigo ou  vizinho comprou.

                A vida é complicada pelos insistentes  “Beba isto”, “Compre aquilo”,  “Faça isto”.  É preciso ser forte e remar um pouco contra a maré, pois do contrário, e muitas vezes sem o percebermos, seremos arrastados por ela.  Alguns são vítimas dessa “competição social” que se organiza para brilhar mais, oferecer um jantar melhor… e perdem a paz esquecendo completamente o espírito.  E assim perde-se, pouco a pouco, esta maravilhosa capacidade de contemplação que lhe permite ver como o mar muda de cor a cada momento, ou como as nuvens mudam de forma;  que lhe dá a sensibilidade para ver a beleza de uma paisagem ou de um rosto, ou para saborear uma conversa entre amigos.                                                                                                          Use tudo que é bom e necessário, sem abusar de nada.  Acostume-se a apreciar tudo o que de bom e de belo a vida nos oferece e que mesmo hoje em dia é de graça!  Via de regra, os homens que são verdadeiramente grandes sabem como procurar a simplificação, a simplicidade.                                                                                                                                                                 Muitos conseguem a simplificação através da leitura;  outros, através da espiritualidade, mediante a oração e a meditação;  outros, anotando no diário seus pensamentos e ações.  Outros agrupam-se  no caminho da simplificação para se ajudarem.  A maioria dos homens utiliza a fé para simplificar suas vidas, e isto é uma constante em toda religião.  Sem fé é muito mais difícil conseguir ver com clareza o que realmente pode ter valor e consistência na nossa passagem pela vida.                       Trata-se de amar, dando de si e isto exige normalmente encontrar a razão de nossa existência em Deus… para sair como ele pelo mundo afora praticando o bem.  Para isso é preciso simplicidade.  Bem-aventurados os simples…                                    Cada um de nós deve descobrir o caminho mais adequado para a simplificação e a simplicidade.  A simplificação traz alegria, serenidade, delicadeza e, sobretudo, paz interior, que é o trampolim para ver no próximo um irmão, principalmente quando a situação nos perturba ou nos prejudica.   Ser simples é fixar os olhos em Deus, estando num mundo em que quase tudo é instável e incerto.   Ser simples é estar no bom caminho para o êxito na vida.  “O mais importante não é onde estamos mas a direção em que nos movemos”.              A simplificação torna o homem forte, ascético e é uma boa base para viver livre e em equilíbrio.  E se, além disto, por sua vida espiritual, esse homem se entrega ao amor ao próximo, terá alcançado o maior dos sucessos que o homem possa alcançar: viver bem para viver sempre.

 

3. AS MELHORES COISAS DA VIDA AINDA SÃO DE GRAÇA

            Hoje em dia, para ter qualquer coisa é preciso ir à loja e pagar.  Tudo tem seu preço.

            Mas se olharmos bem, ainda existem coisas muito boas que são e continuarão sendo gratuitas.

            Pelo ar que respiramos, pela amizade verdadeira, pela alegria, a lealdade, a paz, o sol, o mar, a pesca, o canto dos pássaros, a paisagem, as flores do campo, a lua e as estrelas, a água das fontes, a prece de uma comunidade, o amor de duas pessoas que se querem de verdade e pelo amor que Deus nos tem, não é preciso ir à loja e pagar. Essas são algumas das melhores coisas que a vida nos oferece e que ainda são de graça.

            Grite com força!  Que todos saibam:  ainda há coisas tão maravilhosas como essas que se podem encontrar de graça.

4 – PARA QUE OS IDEAIS SE TORNEM REALIDADE,  PRATIQUEMOS

            Algumas regras ou alguns pensamentos, por mais lindos e sugestivos que nos pareçam, dificilmente melhorarão o rumo de nossas vidas, pois o homem velho nos puxa para baixo e, como já disse William James, “a vontade não influencia o sentimento, o máximo que faz é levar-nos à reflexão”.

            Mas sabemos que  “a vontade influencia facilmente a ação e esta pode influenciar o sentimento” facilitando a mudança.

            Por isso, se alguma idéia nos agrada e influi sobre a nossa vontade, é preciso nos decidir a agir em algum sentido, pondo-a em prática;  veremos que através da ação produz-se a mudança em nossa maneira de sentir, em nossa vida.

            Não é o que você aprende que faz melhorar a sua vida,  mas o que você coloca em prática daquilo que aprendeu.  Sabe o que acontece com um monte de boas intenções?   Simplesmente, que você está colocando em prática o novo sistema poucas vezes e percebe que precisa de um grande esforço para fazê-lo;  você não gosta de se esforçar;  é mais fácil não praticar e você acaba não praticando.

            O mais difícil é começar a fazer algo que até agora não fazíamos;  seja esporte, um hobby, coisas do espírito ou diálogo familiar;  se conseguirmos adquirir o hábito, quase que não precisaremos mais da vontade.

            Faça uma lista dos  “dedos” que você precisa exercitar.  Escolha apenas um e pratique-o até que se torne um hábito, coisa que você faça automaticamente.

            Passe ao “dedo” seguinte e faça o mesmo;  em seguida revise todos os  “dedos” para ver se estão sendo bem exercitados;  se não, corrija e continue praticando.

            Os psicólogos verificaram que a personalidade consiste de um conjunto de aptidões e hábitos.  O hábito de praticar os  “cinco dedos” para obter uma vida equilibrada adquire-se como qualquer outro, como de ler ou escrever, ou seja, com a instrução e com a prática.  No dia-a-dia  “cem gramas de bons hábitos valem mais do que um quilo de inteligência”.

5. SOLTAR O FREIO  E  VIVER COM ENTUSIASMO

            Livres desta escravidão a que a sociedade de consumo nos mantinha algemados e sabendo que a vida pode ser vivida com entusiasmo e com intensidade, recuperando diariamente o equilíbrio, tanto no plano físico quanto no espiritual e social, poderemos avançar sem angústia nem medo pela vida, saboreando de novo tudo o que já é tradicional, mas quiçá com um estilo diferente:  homem, natureza e espírito;  com alegria, com intensidade e com paz interior.

            Mas sejamos realistas:  sempre haverá luta e renúncia pois, embora Deus tenha feito do homem  “o rei da criação”,  também lhe deu a lei do amor e para progredir no amor é preciso saber lutar e renunciar.

            Cheios de entusiasmo e com sensibilidade para as coisas belas que a vida equilibrada nos proporciona, “avançaremos em direção ao inverno de nossa vida à força de primaveras”.

            Seja esperto e use bem o tempo de vida que lhe resta, no sentido de encontrar qualidade e equilíbrio, já que o tempo não é uma ladeira maluca entre o berço e o túmulo, mas um presente, um tesouro que você pode mudar nos aspectos que sua mente quiser pôr em prática:  amor,  amizade,  alegria,  natureza,  paz interior…  espiritualidade.

            Tomara que deste livro você não tire apenas serenidade, luz e bons propósitos, mas também uma qualidade de vida melhor tanto no plano material como no espiritual.

            Dê graças pela sorte de ser consciente de que sua riqueza não está no que você possui, mas na sua capacidade de amar e de usufruir das coisas que a vida lhe oferece diariamente, sem ser escravo de nada nem de ninguém.

            Viver bem para viver sempre  consiste em  viver amando em equilíbrio,  uma vida repleta de ideais e com um amor imortal!   Assim se vive para viver sempre!                                                                                                                                 

2 comments to OS CINCO DEDOS

  • Nilton Sydney da Silva

    Tenho 55 anos. Li este livro de Jaime Borras quando tinha por volta de 25 anos.
    Fantástico.
    Não estou achando o livro em minha pequena biblioteca.
    Gostaria de comprar 10 exemplares.
    Aonde posso achá-los?
    Parabéns e obrigado

  • giba

    Nilton, não sei onde achar esse livro. Mas consulte João Tavares e ele provavelmente descobrirá. Seu e-mail é tavaresj@elo.com.br
    Giba

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>