A ruptura interna no tecido católico brasileiro. Artigo de Faustino Teixeira

 

Para resgatar "princípios", município torna leitura da Bíblia obrigatória em escolas | Notícias Gospel

Faustino Teixeira – 05 Dezembro 2022 – Foto: Reprodução

Faustino Teixeira, teólogo, comenta o artigo de Pedro A. Ribeiro de Oliveira, sociólogo. “A Igreja Católica do Brasil está rachando”.

“Fiz uma conferência neste sábado, dia 03-12-2022, no encontro da comissão de coordenação da Comissão Justiça e Paz da CNBB, que estava reunida em Brasília.
Eles me pediram para refletir sobre o texto de Pedro Oliveira, publicado no IHU. Acabei fazendo um texto, onde elaboro uma reação particular e comento alguns dados apontados por Pedro.
Tudo foi objeto de minha fala ontem, que foi acolhida com grande alegria. Eles sugeriram mandar o texto.
Então resolvi hoje dar uma forma ao meu esquema. Estou encaminhando para a publicação no IHU, como forma de enriquecer esse debate”, escreve Faustino Teixeira, teólogo, UFJF/IHU.

Eis o artigo.

Queria em primeiro lugar agradecer ao convite feito pela amiga querida, pastora Romi Benck e membros da Coordenação da Comissão Brasileira Justiça e Paz, organizadora desse evento. [1]

Fico feliz de voltar, depois de algum tempo, ao tema da conjuntura eclesiástica e eclesial no Brasil. Desculpo-me por falar de longe, utilizando o recurso das redes, em razão de cuidados com a saúde.

Vou buscar seguir a seguinte estratégia:

  • vou me utilizar do artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira, publicado pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, [2]
  • e a partir de suas colocações vou inserindo alguns dados, comentários e observações.

Logo no início de seu artigo Pedro fala do agravamento do dissenso na Igreja Católica nesse período eleitoral. Ele diz:

“Entre os muitos estragos causados pelo recente processo eleitoral está o agravamento do dissenso no interior da Igreja Católica. É como se os remendos que já há algum tempo vinham sendo colocados sobre um tecido esgarçado revelassem de uma hora para outra sua inutilidade. Não há mais como esconder: a Igreja Católica está dividida e essa divisão não pode mais ser disfarçada.”

Ele busca dar uma explicação sociológica para o fato:

  • “Sabemos bem que a Igreja Católica se distingue entre as Igrejas cristãs por sua enorme capacidade de conviver com as diferenças religiosas.
  • Desde que tenha sido batizada e não renegue publicamente a fé ou a igreja, a pessoa é católica – pouco importando o que crê ou sua maneira de relacionar-se com o sagrado.
  • O fato novo, agora, é que o avanço neofascista na Igreja trouxe divergências de ordem moral e política incompatíveis entre si, tornando praticamente impossível uma verdadeira comunhão eclesial.

Sinal disso é a crescente disseminação de rituais do tempo de Pio XII como se o concílio Vaticano II não tivesse existido.

Mais do que uma afinidade afetiva entre a postura política neofascista e os ritos anteriores à reforma litúrgica, existe uma afinidade estrutural entre eles.”

 

Aqui faço um primeiro comentário.

Temos de estar cientes que vivemos um período eclesial que está envolvido por mais de 35 anos:

  • uma conjuntura marcada pelo projeto de restauração, como bem lembrou o então cardeal Ratzinger em seu livro: Rapporto sulla fede, de 1985. [3]
  • É um livro que considero fundamental para entender o que ocorreu nas décadas seguintes.

Ele falava ali de restauração como busca de um “novo equilíbrio para a igreja” depois da indiscriminada abertura ao mundo provocada pelo Vaticano II. [4]

 

No livro já aparecem uma série de traços que vão marcar a restauração: 

  • os desequilíbrios na eclesiologia pós-conciliar (por exemplo, a ideia de povo de Deus;
  • a ideia de igreja “nossa”; de democracia na igreja);
  • crítica às conferências episcopais como colegialidade efetiva (ele vai falar em colegialidade afetiva);
  • drama da  teologia moral (para ele, o lugar principal das tensões entre magistério e teologia);
  • empobrecimento da liturgia;
  • os abusos no ecumenismo (e o risco do esgarçamento da verdadeira essência da fé católica). [5]

A tensão interna na igreja, de eclesiologias em conflito, continua a perdurar.É o que sublinha o vaticanista Marco Politi em seu livro: Francesco, la peste, la rinascita (2020). [6]

Ele aponta a difusão crescente da oposição de ultra-conservadores contra o pontificado de Francisco. Um verdadeiro ataque contra a linha evangelizadora levada por ele.

Politi já tinha abordado a questão do isolamento de Francisco em dois outros livros: Francesco tra i lupi(2014) eLa solitudine di Francesco (2019). [7]

Nesse último livro, Politi fala de

  • uma cúria “irritada” com Francisco  [8]
  • e da crescente desafeição da fé entre as mulheres (p. 193) [9];
  • fala igualmente de um novo fenômeno na igreja: “crer sem pertencer” (p. 210) [10].
  • Enfatiza, porém, o tema da solidão de Francisco. [11]

Obstáculos difíceis surgem por todo canto, como mostra Politi em seus trabalhos:

  • no ataque aos pronunciamentos, viagens e gestos de Francisco.
  • Os adversários crescem em força e popularidade, acentuando ainda mais a solidão de Francisco, que corajosamente se move entre os lobos.

Sobre essa oposição debruça-se Politi no final de seu livro, Francesco, la peste, la rinascita, sobretudo dos ultra-conservadores. [12].

  • Francisco, porém, segue em frente olhando corajosamente para o alto.
  • Deixa as preocupações maiores aos pés de São José dormente, cuja imagem o acompanha em seu quarto. Elas se revertem em bilhetes para o santo. E depois dorme tranquilo.

Como Riobaldo Tatarana, de Grande Sertão: Veredas,

  •  Francisco faz de sua vida um ato de coragem crescente,
  • e de entrega ao poder sanador das rezas.

E reage profeticamente:

  • “Quando vejo cristãos muito arrumadinhos, que angariam a posse da verdade, da ortodoxia e da doutrina verdadeira, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar os outros a se levantarem (…).
  • Quando vejo esses cristãos digo: vocês não são cristãos, mas teístas com água benta cristã, mas não chegaram ainda ao cristianismo”. [13]

 

Pedro Ribeiro chama a atenção para outro tópico, que também esteve na mira da restauração romana: o “risco” da irrupção das mulheres na igreja.

Quanto a isso, sublinha o seguinte a respeito da união entre a postura política neofascista e os ritos anteriores à reforma litúrgica:

  • “O que os une estruturalmente é a rejeição à última inovação da modernidade: o ascenso social das mulheres minando o sistema familiar fundado no patriarcado.
  • É o próprio sistema de poder masculino – chefe de família ou chefe de igreja – que se esvai, obrigando todos os demais componentes a redefinirem seu papel.

Como se isso fosse pouco,

  • vem à tona toda a questão da sexualidade,
  • agora vista sob o prisma das teorias de gênero e assumida pela bioética que não se deixa reger por normas religiosas.”

Todo esse arcabouço vem sendo questionado nas últimas décadas pelo teologia feminista e por práticas inovadoras na vida pastoral.

Retoma Pedro sua reflexão:

“O ideário patriarcal, que sustentou tanto a organização familiar quanto a principal Igreja do Ocidente,

  • encontra-se agora sob ataque não só do feminismo,
  • mas também de outros movimentos libertários, decoloniais e contra o supremacismo.”

E isso tem provocado resistência crescente em segmentos da igreja católica:

“Diante desse ataque, o elo entre o neofascismo e o enrijecimento da liturgia tridentina cria um movimento propriamente reacionário:

  • ambos se colocam em defesa de um sistema de poder cujas bases estão irremediavelmente abaladas.
  • Aí reside sua afinidade estrutural.

Nem um nem outro apresenta algum projeto de futuro: ambos idealizam um passado que nunca existiu e infundem o medo ao futuro assombrado por um fantasma comunista.”

 

Acrescento aqui a delicada questão das denúncias que vão crescendo por toda parte, envolvendo desequilíbrios do clero e do episcopado no campo da sexualidade:

Vale lembrar, que tais questões foram decisivas para a decisão da renúncia do papa Bento XVI: veja o importante capítulo do livro de Marco PolitiJoseph Ratzinger crisi di un papato (2011) [14], cujo título é indicativo: o grito dos inocentes (capítulo 11).

Diz ele:

“Em nome da igreja expresso vergonha e remorso”. [15]

Já antes, em 2004, o papa Bento XVI havia dado início ao processo contra Marcial Maciel Degollado, fundador dos Legionários de Cristo.

E agora, na França, nos deparamos com a publicação feita pela comissão independente sobre o abuso sexual na igreja. Uma comissão criada em 2019 a pedido do episcopado francês.

  • Ela acaba de divulgar o impressionante número de abusos sexuais cometidos por religiosos/as no âmbito da sexualidade,
  • envolvendo em 70 anos 330.000 pessoas. [16]

 

Toda essa problemática envolvendo o tecido eclesial vem também sublinhada por Danièle Hervieu-Léger e Jean Louis Schlegel, em importante livro de entrevista: Vers l’implosion ? Entretiens sur le présent et l’avenir du catholicisme (2022). [17]

 

Retornando ao artigo que nos guia, Pedro adverte-nos sobre o novo momento que indica uma migração de católicos para o tradicionalismo:

“O período eleitoral e os movimentos golpistas posteriores ao resultado do 2º turno

  • mostraram o quanto esse medo foi difundido em diferentes segmentos da população brasileira,
  • entre os quais destaco os católicos que migraram do movimento carismático para o tradicionalismo.

No campo católico,

  • esse movimento reacionário veio aprofundar o dissenso que já estava em curso numa Igreja em processo de encolhimento,
  • como mostram as celebrações dominicais cada vez mais esvaziadas de fiéis.”

 

Outro comentário meu.

  • Fico impressionado com o ritmo dessa presença conservadora entre os fiéis católicos, bem como no clero e episcopado.
  • E tudo pontuado por acentuação de uma “raiva” [18] que nos preocupa.
  • Quando nos deparamos com os circuitos bolsonaristas, nesse momento da pós-eleição, chama a atenção o olhar de ódio expresso por alguns, como o violento cachorro do conto de Coetzee:

“O cachorro se atira contra a cerca. Um dia, diz o cachorro, esta cerca vai ceder. Um dia, diz o cachorro, vou te despedaçar”. [19]

Para um maior esclarecimento da questão, chamo aqui a atenção para um precioso livro publicado no Brasil, que aborda o tema do crescimento da direita no país: João Cezar de Castro Rocha. Guerra Cultural e Retórica do ódio. [20]

Tratando a questão da ascensão da direita como um movimento subterrâneo, o autor sublinha:

“Sem maiores suspenses:

  • entre os anos de 2002 e 2016, a presença democrática e legítima, de um partido de esquerda no governo federal, permitiu o estabelecimento de uma associação nova:
  • ser oposição ao sistema, ao establishment, passou a significar assumir posições de direita.” [21]

O autor busca fazer um cálculo interessante:

“Um adolescente que em 2002 tivesse 14 anos, em agosto de 2016 tinha 28 anos. Se tivesse 18 anos, completou em 2016, 32 anos. Radicalizemos na aritmética política do talvez quem sabe o inesperado faça uma surpresa: se nosso adolescente modelo tivesse 10 anos em 2002, na saída da presidente Dilma Rousseff, chegou aos 24 anos (…).

Visto pelo avesso, isso também quer dizer que

  • houve uma geração que ingressou na adolescência e nos anos iniciais da vida adulta
  • assistindo a um partido de esquerda triunfar em quatro eleições presidenciais,
  • e com fôlego para um projeto de poder ainda mais longevo.” [22]

E a semente da direita foi sendo gestada, desde o início da redemocratização, como lembra o autor:

  • “A reorganização subterrânea da direita principiou no início mesmo da redemocratização, já em 1985, e se adensou na década de 1990, recrudescendo, e muito, em 2002 com a primeira vitória do PT à presidência.
  • O triunfo de Dilma Rousseff, em 2010, e a instalação da Comissão da Verdade, em 19 de novembro de 2011, forneceram o combustível que faltava para a explosão de uma energia que se acumulou por duas décadas.”

Foi quando então, nessa atmosfera, que Jair Bolsonaro

“obteve sua votação mais expressiva precisamente em 2014, quando obteve uma conquista inédita, tornando-se o deputado federal mais votado no Rio de Janeiro, com 464.772 votos”. [23]

 

Para João Cesar,

  • o caminho de acolhida de Jair Bolsonaro foi sendo tecido de forma cuidadosa e muito bem planejado,
  • daí ter conseguido os impressionantes 57.797.847 votos válidos para a presidência da república em 2018, ou seja: 55,13% dos votos válidos.

Para o desenvolvimento de sua argumentação, João Cesar faz recurso a dois passos que gostaria aqui de evidenciar:

(a) Para se compreender pertinentemente a ascensão da direita no Brasil nos últimos anos, há que pesar o importante influxo do pensamento e ação de Olavo de Carvalho, a partir de 1990.

Ele atuou em várias frentes:

  • programa de rádio,
  • curso on-line de filosofia, no seu canal do youtube, no seu perfil do Facebook e na sua conta do Twitter.

Ressalto aqui a bem sucedida ação da direita nas redes sociais, transformada em plataformas políticas de longo alcance.

Mesmo não sendo um intelectual de expressão, Olavo de Carvalho dispunha não só de uma “prosa hipnotizante” e um discurso com “poder encantatório”, sobretudo no livro: “O jardim das aflições”. [24] Algo que eu também já me dava conta em conversa com o músico Thiago Amud.

Com Olavo de Carvalho

  •  inaugurou-se um traço nefasto na dinâmica social brasileira que é a “retórica do ódio”.
  • Com ele veio o incremento de uma

“pulsão autoritária, cujo ponto de partida seria precisamente a supressão de toda e qualquer instância mediadora entre os poderes constituídos e a cidadania”. [25]

 

(b) O fato novo da emergência no espaço público de uma juventude de direita, sobretudo nos últimos 15 anos.

Lembremos daquele fato que foi muito comentado de jovens que atacaram verbalmente Chico Buarque de Holanda. Fenômeno que vem se repetindo com frequência, inclusive com

  • invasões de páginas na internet,
  • interrupções de eventos e conferências,
  • e intervenções em atividades on-line.

Trata-se de uma juventude que se faz presente com vitalidade nas redes sociais.

 

João Cesar nos lembra que a legítima chegada ao poder do PT, em 2003, e sua permanência no cenário nacional por 14 anos, até 2016,

  • abriu espaço – não intencionalmente, é claro, para a “emergência de um fenômeno inédito na vida social brasileira”,
  • ou seja, “uma numerosa e ruidosa juventude de direita”.]26]

 

O autor reconhece, por exemplo, o valor do renomado filme de Petra Costa, Democracia em Vertigem, mas sublinha um problema concreto no filme, ou seja,

  • a inexistência no documentário da ameaça presente na nova direita, sobretudo na juventude.
  • Para o autor, na narrativa da diretora do filme, “a direita simplesmente não existe”. [27]

 

No recente documentário produzido por Bernardo Küster, Eles estão no meio de nós”, [28] o alvo prioritário é a teologia da libertação.

  • As investidas são pesadas, duras e injustas, a meu ver.
  • Trata-se de um documentário que traduz claramente a visão desta nova direita, que se faz presente também na juventude.

 

Ao final de seu artigo, objeto de nossa reflexão, Pedro Ribeiro de Oliveira

  • evita fixar-se num pessimismo quanto ao futuro da igreja católica,
  • e aponta caminhos para uma possível transformação.

Sugere pelo menos uma pista importante para, ao menos, adiar um pouco mais uma implosão que seria indesejada. Isso me fez lembrar o livro de Ailton Krenak, Ideias para adiar o fim do mundo (2019), quando ele diz:

“Então por que estamos grilados agora com a queda?

  • Vamos aproveitar toda a nossa capacidade crítica e criativa para construir paraquedas coloridos.
  • Vamos pensar no espaço não como um lugar confinado, mas como o cosmos onde a gente pode despencar em paraquedas coloridos”. [29]

 

Pedro Oliveira lembra que

  • todo esse dissenso que fratura a igreja católica favorece ainda mais o esvaziamento da comunidade eclesial,
  • que os recentes censos têm apontado com relevância.

Sublinha que o próximo censo

“certamente mostrará o decréscimo da população católica com menos de 40 anos de idade, seguindo a tendência apontada pelo censo de 2010”.

Ele reconhece que para a população acima de 50 anos,

  • a igreja católica continua sendo um importante espaço de sociabilidade,
  • mas isto também, segundo ele, tenderá a diminuir com o tempo, caso não haja alguma mudança importante de percurso eclesial.

 

Infelizmente, o que vemos,

  • é a manutenção de caminhos tradicionais, sem maiores preocupações em buscar “novos espaços de sociabilidade”,
  • como ocorreu com as Comunidades Eclesiais de Base e as Pastorais Sociais.

O que vemos em curso, sublinha Pedro, é a manutenção de

“celebrações-espetáculo, em programas religiosos na TV, em turismo religioso e em programas radiofônicos de autoajuda.”

Mantendo-se tal tendência, diz Pedro,

  • “dentro de mais algum tempo a Igreja Católica brasileira, confinada aos santuários, templos e sacristias,
  • terá perdido a incidência na vida da população em geral”.

Preocupam-me também os arranjos que vão sendo tramados para mudanças na presidência da CNBB, numa direção que preocupa.

Pedro Oliveira demonstra preocupação com esta adesão de segmentos do clero ao ideário neofascista:

“Nesse quadro de perda de importância da Igreja na sociedade, muitos clérigos aderem ao ideário neofascista e assumem uma postura reacionária tanto nas questões da sociedade quanto da religião.

  • Embora essa adesão seja mais visível entre os padres e mais discreta entre os bispos, aí reside o risco de ruptura da comunidade católica:
  • quando um lado não reconhece o outro como legitimamente católico.
  • Não há mais como costurar o tecido religioso rasgado. Tudo que se consegue fazer hoje é colocar remendos, que cedo ou tarde esgarçarão mais ainda o tecido.”

 

Reconhece o autor que sua pintura da conjuntura é forte, mas traduz um alerta que é muito importante, sobretudo para uma igreja que foi exemplo e testemunho para o mundo inteiro.

E nos adverte para a irradiação desses padres conservadores:

  • “O apoio explícito de padres ao governo agora derrotado e o silêncio da maioria do episcopado diante das barbaridades por ele cometidas
  • só confirmam a tendência de ruptura no interior da comunidade católica.”

Pedro demonstra preocupação, mas evita em falar em risco de cisma na igreja católica brasileira:

“Isso não significa que estamos às vésperas de um cisma – com a institucionalização de duas igrejas de confissão católico-romana –,

  • mas caminhamos rapidamente para um quadro de desinteresse de um lado em participar da mesma Igreja que o outro.
  • Se o movimento tradicionalista continuar crescendo, os católicos que não o aceitam se afastarão e a Igreja Católica
  • poderá viver o pior dos cenários: sua redução a um conjunto de seitas tradicionalistas.”

Diante desse quadro, reflete Pedro Oliveira, é mais do que necessário e urgente  “elevar o teor profético da Igreja.”

 

Pedro aventa nomes que foram fundamentais para o profetismo na igreja brasileira:

“Tivemos bispos comoHelder CamaraPaulo EvaristoPedro CasaldáligaTomás Balduino e outros que ousaram quebrar a unanimidade de um episcopado silencioso diante de violações aos direitos humanos.”

 

Acrescento aqui o importante papel exercido por Dom Aloísio Lorscheider, Dom Luciano Mendes de Almeida, bem como o então secretário geral da CNBB, Dom Antônio Celso de Queiroz:

Recordo-me muito bem de uma reunião do Instituto Nacional de Pastoral que participei onde estavam presentes D. Luciano e D. Celso e relatavam as pressões sofridas pela CNBB na ocasião:

A fala emocionante de Dom Antônio Celso de Queiroz, falando do sofrimento da CNBB na defesa das causas libertadora, em particular na defesa das  CEBs em tempos duros da repressão.

E dizia:

“A Igreja nas bases encontrou exigências maiores de participação e com maior intensidade, e não é tão claro se a igreja institucional ou o episcopado está disposto, como corpo, a compreender isso e acompanhar”. [30]

Como mostra Pedro Oliveira, todos eles

“devem ser sempre lembrados,

  • para que os bispos e padres que hoje segem seu exemplo não se sintam como destoantes do conjunto,
  • mas hoje a Igreja Católica já não se entende mais apenas como um espaço de bispos e padres.

O movimento histórico de superação do patriarcado

  • entrou também no campo católico onde, desde a segunda metade do século passado, religiosas, leigas e leigos ocupam progressivamente posição de liderança nas comunidades de base,
  • tendo sua autoridade reconhecida pelos fiéis, independentemente de seu reconhecimento canônico.

Existe aí um potencial profético que poderá em breve tornar-se a principal fonte de vitalidade pastoral na Igreja Católica brasileira.”

 

Pedro Oliveira reitera não ser necessário que os profetas sejam muitos, mas que, mesmo em menor número, saibam ser pessoas

“admiradas e respeitadas por sua fidelidade ao Evangelho, por sua prática pastoral e por sua adesão às orientações de Francisco.”

O que mais importa, como diz Gilberto Gil em sua linda canção, Ok, Ok, Ok,

  • é ter uma “alma nobre”,
  • que possa irradiar vida e alegria para os outros em tempos difíceis.

 

Em seu belo artigo, Pedro finaliza dizendo que

“serão essas, as vozes proféticas que suscitarão novas forças ao Povo de Deus que está no Brasil (…).

  • Se assim for, este momento doloroso de divisão eclesiástica
  • pode tornar-se também o momento germinal de uma Igreja atualizada
  • para assumir o projeto de Jesus na história do século XXI”.  [31]

Gosto muito de ver acontecer esse otimismo do amigo querido de Emaús, Pedro Ribeiro de Oliveira, que permanece teimosamente acreditando na utopia de igreja que todos queremos e brindamos, na linha acolhedora e profética do papa Francisco.

Com Francisco

  • permanecemos acreditando no sonho de uma igreja simples, profunda e irradiante, fundada no ágape, no amor aos outros,
  • que para Francisco revela-se “o único modo de amar a Deus”,aquele indicado com clareza por Jesus. [32]

Notas

1.- Encontro da Coordenação da Comissão Brasileira Justiça e Paz. Brasília, 2-4 de dezembro de 2022.

2.- Pedro A. Ribeiro de Oliveira. A Igreja Católica do Brasil está rachando. Instituto Humanitas Unisinos – IHU, 11 de novembro de 2022:
https://www.ihu.unisinos.br/categorias/623848-a-igreja-catolica-do-brasil-esta-rachando-artigo-de-pedro-a-ribeiro-de-oliveira (acesso em 03/12/2022).

3.- Joseph Ratzinger. Rapporto sulla fede. Cinisello Balsamo: Paoline, 1985.

4.- Ibidem, p. 36.

5.- Na Carta aos bispos sobre alguns aspectos da Igreja entendida como comunhão, da Congregação para a Doutrina da Fé, de 1992, busca-se distinguir entre Igreja e Comunidades Cristãs (dotadas de “elementos da Igreja”).

6.- Marco Politi. Francesco: la peste, la rinascita. Bari: Laterza, 2020.

7.- Marco Politi. Francesco tra i lupi: il segreto di una rivoluzione. Bari: Laterza, 2014; Id. La solitudine di Francesco: un papa profetico. Una chiesa in tempesta. Bari: Laterza, 2019.

8.- Marco Politi. La solitudine di Francesco, p. 141.

9.- Ibidem, p. 193.

10.- Ibidem, p. 210.

11.- Ibidem, p. 228.

12.- Marco Politi. Francesco…, p. 111-112.

13.- Ibidem, p. 112-113 (aqui Politi faz menção às palavras de Francisco aos capelães do cárcere de Padova, tomados do livro de Francesco PozzaIo credo, noi crediamo. Rizzoli, 2020).

14.- Marco Politi. Joseph Ratzinger: crisi di un papato. Roma/Bari: Laterza, 2011.

15.- Ibidem, p. 219.

16.- França: o magistério das vítima (acesso em 05/11/2022).

17.- Danièle Hervieu-Léger e Jean Louis Schlegel. Vers l’implosion? Entretiens sur le présent et l’avenir du catholicisme, Paris: Seuil, 2022.

18.- Em fantástica metáfora sobre o tema da raiva, indico o precioso livro do nobel de literatura, J.M. Coetzee, Contos Morais, em seu primeiro capítulo intitulado: O cachorro (São Paulo: Companhia  das Letras, 2021, p. 7-13).

19.- J.M. Coetzee, Contos Morais, p. 12.

20.- João Cezar de Castro Rocha. Guerra cultural e retórica do ódio: crônicas de um Brasil pós-político. Goiânia: Caminhos, 2021.

21.- Ibidem, p. 128.

22.- Ibidem, p. 128-129.

23.- Ibidem, p. 130.

24.- Ibidem, 137-138.

25.- Ibidem, p. 45.

26.- Ibidem, p. 127.

27.- Ibidem, p. 35-38.

28.- Eles Estão no Meio de Nós (acesso em 04/11/2022).

29.- Ailton Krenak. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

30.- Instituto Nacional de Pastoral (Org.). Pastoral da Igreja no Brasil nos anos 70. Caminhos, experiências e dimensões. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 40-45 (Dom Celso Queiroz).

31.- E quero aqui indicar com entusiasmo o livro-entrevista de José Antonio Pagola: un creyente apasionado por Jesús (entrevistas com o sobrinho de Pagola: Juan Ignacio Pagola). Boadilla del Monte: PPC, 2022. Indico o livro, por ver nesse teólogo, um dos grandes estimuladores do seguimento de Jesus, em profunda sintonia com o papa Francisco.

32.- Papa Francesco & Eugenio Scalfari. Dialogo tra credenti e non credenti. Torino: Einaudi/La Repubblica, 2013, p. 56.

 

Faustino Teixeira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

.

Faustino Teixeira

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/624521-a-ruptura-interna-no-tecido-catolico-brasileiro

 

Leia mais:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>