Bispos alemães insistem na sua agenda de “temas fraturantes”

Visita ‘ad limina’ dos bispos alemães ao Vaticano

Os bispos alemães na visita ‘ad limina’ a Roma, durante cinco dias. Foto © Deutsche Bischofskonferenz/Daniela Elpers. | 19 Nov 2022

Os bispos alemães na visita ‘ad limina’ a Roma, durante cinco dias. Foto © Deutsche Bischofskonferenz/Daniela Elpers.

“a Igreja vive de tensões, por isso as tensões fazem parte de uma Igreja viva e em movimento” – disse Francisco aos bispos alemães.

 

Sem eufemismo nem tibiezas, os bispos alemães expuseram à Cúria romana, durante os cinco dias da sua visita ad limina, os temas sobre os quais o caminho sinodal alemão tomou decisões que nem todos eles aceitam –

  • poder na Igreja e participação dos fiéis;
  • leitura dos sinais dos tempos;
  • reavaliação da doutrina sobre a homossexualidade;
  • e acesso da mulher aos ministérios –

temas que

  • não resultam de “um debate circular sobre as estruturas da Igreja”,
  • mas sim da procura de “formas convincentes de viver a fé na contemporaneidade”
  • e de entusiasmar outros a vivê-la.

 

As expressões são do bispo Georg Bätzing, presidente da Conferência dos Bispos Alemães (DBK, no acrónimo em língua alemã),

 

Bätzing relembrou a resposta dada por Francisco às questões colocados pelos bispos alemães durante o encontro do dia anterior

“a Igreja vive de tensões, por isso as tensões fazem parte de uma Igreja viva e em movimento”–,

para afirmar:

“Esta é uma boa sugestão para a discussão de hoje”.

Debate em que

“infelizmente, grande parte do povo sinodal – especialmente os leigos – não vai ter oportunidade” de intervir.

Do encontro do Papa com os bispos nada foi dado a conhecer, nem divulgado, como é hábito, qualquer discurso que Francisco tenha feito na ocasião, o que leva a supor que o Papa se tenha remetido a ouvir, fazendo apenas breves comentários ao exposto pelos prelados alemães.

 

Ao abordar diretamente as tensões e visões contraditórias [ver artigo “Bätzing aos jornalistas: ‘Discussões foram duras, mas civilizadas’”],

  • o presidente da DBK fez questão de clarificar que os bispos alemães
  • não formam “um ‘bloco’ com uma opinião uniforme, pois existe uma ampla gama de opiniões e opções de ação entre” eles.

Contudo, não se coibiu de colocar o dedo na ferida:

  • “o escândalo dos abusos sexuais não deve ser minimizado ou relativizado”
  • e se é preciso, em primeiro lugar, cuidar das vítimas, “proteger os menores” e “garantir que não volte a acontecer”,
  • é também necessário perceber que “hoje vivemos uma das mais graves crises da Igreja e ao mesmo tempo uma das mais graves crises do ministério sacramental dos sacerdotes e dos bispos”.

Para “recuperar a credibilidade e a autoridade perante os fiéis e a sociedade” é indispensável, frisou Bätzing,

  • “uma grande mudança na forma como exercemos o nosso ministério, envolvendo de uma forma séria e tangível, clérigos, religiosos e leigos na tomada de decisões.
  • E isto não se aplica apenas à Igreja no nosso país, mas também à Igreja Universal. Pedimos que nos ouçam neste momento de grande apuro”.

 

Recusada moratória

Os bispos alemães na visita ‘ad limina’ a Roma, durante cinco dias, numa audiência com o Papa Francisco. Foto © Deutsche Bischofskonferenz/Matthias Kopp.

Os bispos alemães na visita ‘ad limina’ a Roma, durante cinco dias, numa audiência com o Papa Francisco. Foto © Deutsche Bischofskonferenz/Matthias Kopp.

De acordo com a agência Vatican News de dia 19, o cardeal Parolin, secretário de Estado do Vaticano, referiu no seu discurso introdutório da reunião as preocupações suscitadas pelo caminho sinodal alemão, nomeadamente por ele conter o

“risco de [propor] reformas ‘da’ Igreja, mas não ‘dentro’ da Igreja”.

Na resposta, Georg Bätzing passou em revista os trabalhos e as propostas votadas durante o caminho sinodal alemão e destacou os seguintes assuntos:

  • “poder e divisão de poderes na Igreja”;
  • “participação de todos e saída em missão”;
  • “vida sacerdotal hoje”;
  • “mulheres nos ministérios e nos trabalhos da Igreja”;
  • “viver o amor na sexualidade e no relacionamento de casal”.

 

Na fase de diálogo aberto foi várias vezes sublinhada a importância e a urgência de definir e aprofundar alguns destes temas.

Por sua vez, segundo o comunicado conjunto, o cardeal Luis Francisco Ladaria, prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé, e o cardeal Marc Ouellet, Prefeito do Dicastério para os Bispos,

expressaram

“com franqueza e clareza as suas preocupações e reservas quanto à metodologia, aos conteúdos e às propostas do caminho sinodal”,

tendo proposto

“em benefício da unidade da Igreja e da sua missão evangelizadora”,

que

“as questões surgidas até agora sejam incluídas no Sínodo da Igreja universal”.

Alguns bispos alemães defenderam

  • “uma moratória no caminho sinodal alemão”,
  • isto é, uma suspensão dos efeitos das resoluções tomadas e um adiamento na concretização dessas decisões.

A proposta de uma moratória foi, porém, recusada pela maioria dos prelados presentes, nos processos de escuta em andamento.

 

Paróquia de Cantanhede junta deputado comunista e jornalista católico para debate sobre a crença | Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura

.

 

Fonte: https://setemargens.com/bispos-alemaes-insistem-na-sua-agenda-de-temas-fraturantes/

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>