Quebrando mitos: Crepúsculo do macho e do imbrochável no Brasil

José Geraldo Couto – 24 Setembro 2022

 “O ressentimento por não fazer parte da elite local, a sensação de que a cidade não crescia por culpa da proteção aos quilombos e às matas, o fascínio pelas armas e fardas (despertado quando o exército vasculhou a região à caça de Carlos Lamarca) – está toda ali, em embrião, a atitude de Bolsonaro diante do mundo”,

 escreve José Geraldo Couto, em artigo publicado por Blog do Cinema do Instituto Moreira Salles e reproduzido por Outras Palavras, 22-09-2022.

Eis o artigo.

O documentário Quebrando mitos é um fenômeno

  • Lançado diretamente em canal próprio na internet e em seguida no YouTube
  • em menos de uma semana já teve mais de meio milhão de espectadores,
  • o que certamente fará dele um dos filmes brasileiros mais vistos em 2022.

Não é difícil entender o motivo. Realizado por Fernando Grostein Andrade, o mesmo do documentário Quebrando o tabu (2011), sobre a legalização das drogas, Quebrando mitos é um mergulho franco e corajoso na cultura da hipermasculinidade que produziu Jair Bolsonaro e seus seguidores mais furiosos.

 

O filme é narrado em primeira pessoa pelo próprio Grostein, que se autoexilou na Califórnia quando percebeu que a ascensão do bolsonarismo oferecia risco real de vida a pessoas como ele, que vinha sofrendo ameaças pesadas desde que divulgara um vídeo assumindo sua homossexualidade.

  • Mesclando material de arquivo (filmes domésticos, reportagens de telejornal, posts de internet) com sequências de animação e entrevistas com os personagens mais diversos (políticos, militares, líderes indígenas, quilombolas),
  • Grostein compõe um impressionante painel do circo de horrores em que se transformou o país nos últimos anos, nisso não diferindo muito de outros documentários recentes.

 

Irmão de Luciano Huck lançará documentário que explora a carreira política de Jair Bolsonaro

Imagem: Fernando Grostein e Bolsonaro / Portal Alta Definição

Culto da virilidade

O que singulariza Quebrando mitos e o torna particularmente contundente é a articulação de todas as questões mais agudas

com o tema central da afirmação de masculinidade.

É esse eixo central que impede o filme de cair na dispersão, na egotrip e na mera enumeração de mazelas.

 

Dois fatores propiciam essa articulação.

* O primeiro é o “lugar de fala” explicitado pelo diretor.

  • Filho de um editor da revista PlayboyFernando Grostein viu-se rodeado desde a infância por homens de sucesso e garotas sensuais.
  • Abusado sexualmente aos 14 anos, foi forçado aos 17 a perder a virgindade com uma “coelhinha” da Playboy (nada a ver com o pai, que havia morrido sete anos antes).

 

Na juventude, Fernando se emaranhou na tradição machista que ensina todo rapaz a transar com o maior número possível de garotas, mas a respeitar apenas as que só transam com o namorado ou nem transam.

A história de vida do diretor é a história da construção e desconstrução de um típico macho brasileiro.

 

Dois discutidos “machos-alfa”:  sexualidade mal resolvida? – Foto: DAQUI

 

* O outro alicerce da estrutura do filme é a formação e o desenvolvimento de Jair Bolsonaro, desde a infância e adolescência em Eldorado Paulista, no Vale do Ribeira.

Como mostra a jornalista Carol Pires, uma das roteiristas do documentário, estão ali,

naquela pequena cidade cercada de quilombos e áreas de preservação, as sementes da personalidade daquele que viria a ser cadete, tenente, capitão reformado, vereador, deputado e presidente da República.

  • O ressentimento por não fazer parte da elite local,
  • a sensação de que a cidade não crescia por culpa da proteção aos quilombos e às matas,
  • o fascínio pelas armas e fardas (despertado quando o exército vasculhou a região à caça de Carlos Lamarca) –
  • está toda ali, em embrião, a atitude de Bolsonaro diante do mundo.

 

Quebrando mitos é, em suma, o entrechoque dessas duas vidas paralelas e antagônicas, no cenário de um país fraturado. Ao se colocar de corpo e alma em seu filme,

  • Fernando Grostein dá a cara a bater
  • e transcende a mera denúncia jornalística
  • ou o mero panfleto político.

Responde a uma declaração de guerra com uma bomba de efeito (literalmente) moral.

 

.

José Geraldo Couto

Fontes: https://www.ihu.unisinos.br/622435-quebrando-mitos-crepusculo-do-macho-e-do-imbrochavel

https://outraspalavras.net/poeticas/quebrando-mitos-crepusculo-do-macho-e-do-imbrochavel/

 

 

Leia mais:

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>