Fora do diálogo não há salvação

Fora do diálogo não há salvação | Opinião | PÚBLICO

Frei Bento Domingues, O.P.  23 Janeiro 2022 – Foto: DAQUI

Mundo voltou a viver sob ameaças de guerras em cadeia. O apelo ao diálogo parece uma ingenuidade, mas a verdade é outra.

 

  1. O Papa Francisco, consciente de que muitos católicos, até os considerados praticantes, não foram iniciados na leitura e interpretação da Bíblia, instituiu o III Domingo Comum — que é hoje — dedicado a abrir o entendimento da Palavra de Deus nas suas diversas expressões humanas.

A este propósito, não se pode esquecer A Interpretação da Bíblia na Igreja, uma obra admirável da Comissão Pontifícia Bíblica, de 1993, para celebrar o Centenário da Encíclica Providentissimus Deus (Leão XIII) e do Cinquentenário da Divino afflante Spiritu (Pio XII), à luz da Dei Verbum do Concílio Vaticano II (1965).

 

 

A citada A Interpretação da Bíblia na Igreja 

  • é uma obra importantíssima de libertação e estímulo, na Igreja Católica,
  • da investigação bíblica que, desde o século XVIII, teve uma vida muito atribulada.

Não é possível, aqui, referir todo o seu conteúdo.

Para realçar o seu interesse, permito-me, apenas, enumerar uma espécie de índice:

A interpretação da Bíblia na Igreja | Rei dos Livros

I. Métodos e abordagens para a interpretação (método histórico-critico, novos métodos de análise literária, abordagens baseadas na tradição, abordagens através das ciências humanas, abordagens contextuais, leitura fundamentalista);

II. Questões de hermenêutica (hermenêuticas filosóficas, sentido da Escritura inspirada);

III. Dimensões características da interpretação católica (a interpretação na tradição bíblica, a interpretação na tradição da Igreja, a tarefa do exegeta, as relações com as outras disciplinas teológicas);

IV. Interpretação da Bíblia na vida da Igreja (actualização, inculturação, uso da Bíblia).

Esta obra foi publicada na Editora Rei dos Livros, que já não existe, mas acessível no Secretariado Geral do Episcopado.

Na história atribulada da exegese bíblica,

  • não se pode ignorar a figura de Marie-Joseph Lagrange, O.P.,
  • fundador da Escola Bíblica de Jerusalém (1890) e da Revue Biblique (1891).
  • Temos, no entanto, em português, parte das suas memórias numa obra fundamental: Recordações Pessoais. O Padre Lagrange ao serviço da Bíblia [1].

Já referi, aqui, muitas vezes, a falta de escuta do mundo de hoje e do estudo bíblico nas homilias dominicais que se perdem a repetir o texto e em exortações moralistas.

Temos, no entanto, na Igreja Católica, o Papa Francisco que é um modelo de leitura e exposição contextual nas homilias cheias de imaginação e humor, donde brotam sempre surpresas, novidades que alimentam a vida. Nunca deixa adormecer os textos da liturgia.

Desejo que tenha muitos discípulos.

 

 

2. Este Domingo também vem enquadrado na Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Para não se tomar uma rotina anual, importa que este tempo, dedicado à oração, não esqueça que

  • todas as Igrejas, que se reúnem, devem ter consciência de que todas precisam de verdadeira reforma,
  • de pedir perdão umas às outras pelo que falta para a unidade de todos os cristãos ao serviço de toda a humanidade.

É um imperativo abrirem-se aos grandes desafios da paz, no mundo de ameaças e de guerras que não pensa nas vítimas.

Como disse o Papa Francisco,

  • é preciso vencer a indiferença e rejeitar a ideia de que os migrantes são um problema de ontem.
  • O resultado desta perspectiva vê-se na própria desumanização dos migrantes concentrados em campos de recolha, onde acabam por ser presa fácil da criminalidade e dos traficantes dos seres humanos,
  • ou por se lançarem em desesperadas tentativas de fuga que às vezes. terminam com a morte [2].

Por outro lado, se as Igrejas se derem conta, em diálogo franco,

  • de que nunca haverá unidade sem diversidade,
  • já podem rezar juntas, trabalhar juntas, estar ao serviço dos que mais precisam em todas as sociedades
  • e tomarem-se todas Igrejas de saída para todas as periferias.

Sem esse sentido da realidade, continuarão a esperar o fim do mundo para fazerem uma unidade mítica.

Nos últimos tempos, o Papa mostrou que

  • o diálogo e a colaboração, entre cristãos e não cristãos, não devem conhecer limites, a Oriente, a Ocidente, no mundo todo,
  • e já teve respostas muito fraternas.

 

 

3. O diálogo ecuménico das Igrejas cristãs já começou a reconhecer a importância do diálogo inter-religioso, para vencer a intolerância inter-religiosa, ainda activa em muitos países, onde não faltam os apelos ao genocídio das etnias indesejadas. 

  • As religiões não perdem nada no encontro umas com as outras, pelo contrário, manifestam, de forma mais nítida, a sua dimensão divina e humana.
  • Hoje, porém, é tempo de abrir o diálogo a todas as pessoas de boa vontade. Essa é que é a vontade de Deus.

Nesse sentido, já foram assinados documentos extraordinários, como confessa o próprio Papa Francisco na Encíclica Fratelli Tutti [3]:

“Nesta encíclica, quis reunir muitas dessas intervenções, situando-as num contexto mais amplo de reflexão.

  • Além disso, se na redacção da Laudato si’ tive uma fonte de inspiração no meu irmão Bartolomeu, o Patriarca ortodoxo que propunha com grande vigor o cuidado da criação,
  • agora senti-me especialmente estimulado pelo Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb, com quem me encontrei, em Abu Dhabi [4],
  • para lembrar que ‘Deus criou todos os seres humanos iguais nos direitos, nos deveres e na dignidade, e os chamou a conviver entre si como irmãos’.”

Demos a palavra à saborosa narrativa da Encíclica:

“Numa perspectiva mais ampla, eu e o Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb lembramos que o relacionamento entre Ocidente e Oriente é uma necessidade mútua indiscutível, que não pode ser substituída nem descuidada, para que ambos se possam enriquecer mutuamente com a civilização do outro, através da troca e do diálogo das culturas.

O Ocidente poderia encontrar na civilização do Oriente remédios para algumas das suas doenças espirituais e religiosas causadas pelo domínio do materialismo.

E o Oriente poderia encontrar na civilização do Ocidente tantos elementos que o podem ajudar a salvar-se da fragilidade, da divisão, do conflito e do declínio científico, técnico e cultural.

  • É importante prestar atenção às diferenças religiosas, culturais e históricas que são uma componente essencial na formação da personalidade, da cultura e da civilização oriental;
  • e é importante consolidar os direitos humanos gerais e comuns, para ajudar a garantir uma vida digna para todos os seres humanos no Oriente e no Ocidente, evitando o uso da política de duas medidas.” [5]

O mundo voltou a viver sob ameaças de guerras em cadeia. O apelo ao diálogo parece uma ingenuidade. A verdade é outra: fora do diálogo não há salvação.

 

in Público, 23.01.2022

 

NOTAS:

[1] Tenacitas, Biblioteca Dominicana, 2017.

[2] Discurso do Papa Francisco aos Membros do Corpo Diplomático acreditado junto à Santa Sé, 10 de Janeiro de 2022.

[3] 03.10.2020, nº 5.

[4] Cf. A Fraternidade Humana em prol da Paz mundial e da convivência comum, entre o Papa Francisco e o Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb, a 4 de Fevereiro de 2019.

[5] Fratelli Tutti,136.

 

 

 

 

Frei Bento Domingues

Fonte: https://www.publico.pt/2022/01/23/opiniao/opiniao/dialogo-nao-ha-salvacao-1992547

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>