Crer num Deus imoral?

Apalavra fé vem do latim fides, donde deriva também fiel, fidelidade, confiar, fiador, confiança, confidência.

Crer vem de credere, donde deriva também credo, crença, crente, acreditar, credor, crédito.

Até etimologicamente,

  • ter fé não significa, portanto, em primeiro lugar aceitar um conjunto de afirmações doutrinais ou dogmas.
  • A fé é, antes de tudo, a entrega confiada a Deus, Fonte originária de tudo quanto existe.
  • Entregar-se-lhe confiadamente como Sentido último de toda a realidade e da existência própria.
  • Como um homem se entrega confiada e amorosamente a uma mulher, como um amigo confia num amigo.

A pergunta é inevitável: mas Deus terá crédito, a ponto de se poder realmente acreditar n’Ele, sem ilusões?

  • Quem quiser reflectir sobre a fé religiosa
  • medite na relação amorosa humana,
  • no que ela implica de confiança, de decisão racional e de crédito.

Teria crédito um Deus em relação ao qual se pudesse dizer, como escreveu Ernst Bloch, que o Homem pode e deve ser melhor do que o seu Deus?

Com este critério, é necessário, por exemplo, recusar o Deus que exigiu a Abraão o sacrifício do próprio filho.

Segundo Kant, à pretensa voz divina que ordenava sacrificar Isaac, Abraão deveria ter respondido:

“Que eu não devo matar o meu bom filho é absolutamente certo; mas que tu, que me apareces, sejas Deus, disso não estou certo, nem posso estar, mesmo que essa voz ressoasse desde o céu (visível).”

  • Como é inadmissível um Deus que castigasse a Humanidade inteira por causa de um pecado dos primeiros pais.
  • Quem pode acreditar num tirano, num Deus mesquinho e sádico?

Frequentemente, foi um Deus indecente e intolerável que os ateus justamente recusaram.

Segundo Nietzsche,

  • o Deus que objectiva o ser humano
  • “tinha de morrer, porque via com olhos que viam tudo…
  • A sua piedade desconhecia o pudor: ele metia-se nos meus recantos mais sórdidos”.

A religião, que tem de ser, pela sua própria natureza, o espaço

  • da nobreza humana e da sua dignificação,
  • da liberdade e da libertação,
  • da fraternidade sem limites,
  • da beleza e alegria feliz,
  • do perguntar simultaneamente humilde e ousado,

foi frequentemente o lugar da mesquinhez reles, da indignidade, da exclusão, do opróbrio, do mau gosto, da superstição ridícula.

No Decâmeron, de Bocaccio, um frade enumera algumas das relíquias que encontrou:

  • uma unha de um querubim,
  • alguns raios da estrela que apareceu aos Reis Magos,
  • uma garrafa com o suor de São Miguel quando combateu com o Diabo…

E hoje?

  • Pregações infantis, infantilizantes e totalitárias,
  • sem apelo ao debate esclarecido, ao diálogo crítico e a decisões adultas,
  • contribuíram para o presente “vale tudo” do niilismo moral
  • e para que, para tomar as grandes decisões da sua vida, já quase ninguém tenha em conta as posições da Igreja.

Feuerbach e os “mestres da suspeita” viram-se na necessidade de negar Deus, porque pensaram que Ele era um vampiro que se alimentava do sangue, dos direitos e da dignidade do Homem.

Ai de nós, se não tivesse havido nem houvesse ateus, não os ateus vulgares, mas daqueles que sabem o que isso verdadeiramente quer dizer! Sem eles, muitos crentes continuariam de rastos diante da Divindade. Mas que Deus seria esse que nos obrigasse a andar de rastos diante d’Ele e nos tornasse mesquinhos e ridículos aos nossos próprios olhos?…

Deus tem de ser um Deus moral.

  • Portanto, qualquer ser humano tem de exigir que Deus seja pelo menos melhor do que nós.
  • Ora, embora não sejamos bons, nenhum ser humano sadio permitiria, se estivesse nas suas mãos,
  • que alguma vez um ser humano sofresse os horrores do inferno para sempre.

* Como foi possível acreditar num Deus proclamado como amor originário e ao mesmo tempo aceitar a condenação eterna, com tormentos sem fim, no inferno, de tal modo que muitos homens e mulheres viveram já na Terra uma existência totalmente envenenada, torturada, por causa do pânico do inferno?

* Como é que foi possível acreditar em Deus e ao mesmo tempo num pecado dos primeiros homens entendido como um pecado transmitido de geração em geração, de tal maneira que o fruto do amor que as mães levam no seu ventre seria portador da mancha do pecado, da qual só o baptismo pode libertar?

Pergunta, com razão, o filósofo da religião Andrés Torres Queiruga:

“Em que cabeça cabe que Deus pudesse “exigir” a morte violenta do seu Filho para perdoar os pecados da Humanidade? Que mãe pode acreditar de verdade que a sua criaturinha recém-nascida, perante a qual o seu coração se desfaz de ternura, “está em pecado” enquanto não for baptizada?”

A não ser que o consideremos um déspota imoral e arbitrário, Deus

  • não pode exigir aos homens aquilo que ele próprio não faz,
  • não pode obrigar os homens àquilo a que ele próprio não está obrigado.

De facto,

  • se, por exemplo, Deus fosse um Deus vingativo, um Deus opressor, seja qual for o género de opressão,
  • porque é que não haveríamos de poder nós também vingar-nos e oprimir?

Impõe-se, porém, reconhecer que tudo isto não passou de um enorme equívoco.

Na realidade, o Deus cristão não é um rival do Homem, mas um companheiro. E a própria ideia de liberdade e da dignidade inviolável de todos os homens e mulheres tem a sua raiz na Bíblia e veio ao mundo pelo cristianismo, como reconheceram também Hegel e o próprio Ernst Bloch.

Aí está a razão por que o crime da pedofilia é ainda mais odioso quando praticado pelo clero, que tem por missão levar a todos a mensagem do Deus da dignidade, da liberdade, da salvação.

.
Anselmo Borges

Padre e professor de Filosofia.Escreve de acordo com a antiga ortografia

 

1 comment to Crer num Deus imoral?

  • Antonio

    Grande texto. Desmistifica todos os horrores que foram inventados pela igreja para controlar os fiéis de forma submissa, aem que ousassem questionar as “verdades” que lhes impingiam. Felizmente hoje a visão de Deus é de um Deus de amor e não um Deus sádico e castigador.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>