Opinião: Guerra ao Terror dos EUA ainda é onipresente

Maha Hilal – 10.09.20-21

Foto: Soldados americanos no Iraque; guerra não começa nem acaba com combates no solo

Passados 20 anos do 11 de Setembro, Estados Unidos estão recalibrando sua política bélica para o Oriente Médio. No entanto são um mito as assertivas de que a era das guerras intermináveis chegou ao fim, opina Maha Hilal.

 

“Na noite passada, em Cabul, os Estados Unidos deram fim a 20 anos de guerra no Afeganistão, a guerra mais longa da história americana.”

Essas foram as palavras do presidente Joe Biden em 31 de agosto, um dia após concluída a retirada das tropas americanas daquele país asiático.

É notável, porém, que na mesma fala Biden assegurou:

“Vamos manter a luta contra o terrorismo no Afeganistão e em outros países. Só não precisamos travar uma guerra terrestre para isso. Temos o que se chamam ‘capacidades além do horizonte’, o que significa que podemos atingir terroristas e alvos sem botas americanas em solo, muito poucas, se necessário.”

Claro que essa não é a primeira vez que a guerra no Afeganistão “acaba”.

Em 2014, por exemplo, o então presidente Barack Obama anunciou que a missão de combate no país se encerrava, afirmando que

“a guerra mais longa da história americana está chegando a uma conclusão responsável”.

Mais de uma década antes, em 1º de maio de 2003, o então secretário da Defesa, Donald Rumsfeld, um dos arquitetos da guerra do Afeganistão, declarara um fim da missão de combate no país, apenas horas antes de o presidente anunciar o mesmo em relação à guerra no Iraque.

Ainda assim, até hoje as Forças Armadas dos EUA mantêm um contingente no Iraque.

Embora Biden tenha dito que a missão de combate no país estará encerrada até o fim de 2021,

  • é óbvio que isso não exclui a possibilidade de militarismo continuado lá,
  • seja na forma de ataques aéreos ou de uma presença institucional duradoura
  • – ou, mais provavelmente, ambos.

Conceito limitado de guerra

Tais declarações revelam uma definição de guerra muito estreita, que minimiza suas manifestações, considerando apenas a violência militar na forma de batalhas terrestres.

  • Tem-se forçado essa interpretação limitada a fim de excluir ataques aéreos e combate com drones, se empregados como tática isolada,
  • pois são executados sob o pretexto de contraterrorismo que, de algum modo, é organizado separadamente da guerra.

A mesma lógica se tem aplicado a todo o aparato da guerra antiterror, apesar da violência abrangente praticada em seu nome.

Innocent Until Proven Muslim: Islamophobia, the War on Terror, and the Muslim Experience Since 9/11 | Amazon.com.br

Foto: Amazon

Em meu futuro livro, Innocent until proven muslim: Islamophobia, the War on Terror, and the muslim experience since 9/11 (Inocente até provado muçulmano: Islamofobia, a Guerra ao Terror e a experiência muçulmana desde o 11/9),

eu forneço um enquadramento para se entender a Guerra ao Terror.

Eu defino cinco dimensões:

1) militarismo e combate; 

2) políticas de imigração draconianas;

3) vigilância;

4) ações judiciais federais antiterrorismo;

e 5) detenção e tortura.

Se a guerra é restrita ao combate terrestre, quatro dessas dimensões ficariam de fora da sua definição – apesar da imposição de violência em massa, justificada pelo uso da linguagem de combate.

Embora haja uma resposta técnica à questão de se a guerra acabou ou não, baseada unicamente no conflito terrestre,

  • essas limitações ignoram o fato de que a guerra configura as realidades cotidianas de gente que a vivencia das mais múltiplas formas,
  • especialmente entre as comunidades e países que os EUA têm ou tiveram na mira.

Nas guerras assimétricas, essa realidade é sentida de forma muito mais aguda pelos que ficam para trás e têm que lidar com as consequências dos conflitos.

O mito do fim das guerras

Isso é porque guerra não é apenas uma questão de violência física, mas também de constante ameaça de violência.

Os americanos modelaram um mundo com base em sua Guerra ao Terror, onde sua violência estatal é onipresente. Isso significa, que mesmo na ausência da maioria dos aspectos bélicos visíveis, a guerra continua no ar.

  • De fato, se os EUA ensinaram algo ao mundo,
  • é que não existe a paz, como o oposto das guerras deles,
  • somente um vai-e-vem de para onde a violência é dirigida.

Para o filósofo Robin Schott, autor do ensaio Gender and “postmodern war” (Gênero e “guerra pós-moderna),

  • a guerra não deve ser vista apenas como um evento, ou uma série de eventos,
  • mas sim como uma presença.

Se compreendêssemos o conceito assim, pensaríamos na Guerra ao Terror como a presença de violência, manifesta em muitos contextos diferentes, ao longo dos últimos 20 anos.

  • Duas décadas após os ataques do 11 de Setembro e sua subsequente Guerra ao Terror,
  • os EUA seguem infligindo violência em massa, no nível doméstico e por todo o globo.

Aproveitando-se da definição limitada de guerra, baseada em eventos, e focando apenas na salvaguarda e segurança do povo americano, (pelo menos teoricamente) os EUA conseguiram criar a fachada do fim da(s) guerra(s).

Mas, para os atingidos em países desde o Afeganistão até o Iraque e a Somália, onde a guerra se manifesta profundamente, como uma presença, não como um evento, é imperativo perguntar: para quem acabou a guerra?

Dr. Maha Hilal - Book A Muslim

.

Maha Hilal

é cofundadora e codiretora do Justice for Muslims Collective. Teve a bolsa de pesquisa Michael Ratner do Instituto de Estudos de Políticas Estrangeira, em Washington, EUA. O texto reflete a opinião pessoal da autora, e não necessariamente da DW.

 Fonte: https://www.dw.com/pt-br/opiniao-guerra-ao-terror-dos-eua-ainda-e-onipresente

 

 

 

 

 

LEIA MAIS

CONTEÚDO RELACIONADO

File illustration picture shows a projection of a text on the face of a woman in Berlin, June 12, 2013. Germany's foreign intelligence agency (BND) has known about the United States' surveillance and storage of German data for years, German paper Bild reported on July 15, 2013, adding the BND had actively used it in cases of Germans kidnapped abroad. Citing U.S. government sources, Bild said the BND had asked the U.S. National Security Agency (NSA) for the email and telephone records of German citizens kidnapped in Yemen or Afghanistan, to help ascertain their whereabouts and contacts. The BND was not immediately available for comment. Picture taken June 12, 2013. REUTERS/Pawel Kopczynski/Files (GERMANY - Tags: SOCIETY POLITICS)

Gigantes da tecnologia lucram com Guerra ao Terror 10.09.2021

Empresas como Amazon, Microsoft, Google e Facebook fecharam acordos bilionários depois dos ataques de 11 de setembro nos EUA. Relatório denuncia promiscuidade entre “big tech” e agências do governo americano.

FILE - A U.S. Marine watches a statue of Saddam Hussein being toppled in Firdaus Square in downtown Baghdad on April 9, 2003 file photo. (AP Photo/Jerome Delay, File)

11 de Setembro: a “Guerra ao Terror” e as consequências para o mundo 11.09.2021

Há 20 anos, terroristas desafiaram a maior potência mundial, os EUA. A nação ferida reagiu declarando “guerra ao terror”, provocando consequências inesperadas que ainda afetam o mundo.

Taliban fighters display their flag on patrol in Kabul, Afghanistan, Thursday, Aug. 19, 2021. The Taliban celebrated Afghanistan's Independence Day on Thursday by declaring they beat the United States, but challenges to their rule ranging from running a country severely short on cash and bureaucrats to potentially facing an armed opposition began to emerge. (AP Photo/Rahmat Gul)

Análise: Ocidente fechou os olhos para a realidade no Afeganistão 20.08.2021

É estranho a comunidade internacional agora demonstrar espanto pela rápida tomada do Afeganistão. Os fatos não só eram visíveis como ocorreram com apoio da Otan e seus aliados. Emran Feroz analisa 20 anos de um fracas

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>