“Protagonista da ação da Igreja é todo o povo de Deus”

Fazer Sínodo, segundo o padre Sérgio Leal 

 

Santa Missa conclusiva do Sínodo dos Bispos

Rui Saraiva – Foto:   DAQUI

 

“Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão” é o tema da XVI Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos que terá lugar em outubro de 2023. Mas, o mais importante é o caminho a percorrer até essa data.

Assim, na terça-feira 7 de setembro, foi apresentado o  Documento preparatório Sínodo 2023 que terá agora utilização concreta na fase diocesana do Sínodo.

Um processo sinodal que tem início oficial em Roma nos dias 9 e 10 de outubro e no dia 17 do mesmo mês a ativação em cada uma das Igrejas particulares.

O Papa revoluciona o Sínodo dos Bispos, alargando a participação a todos os católicos - Sete Margens
À margem da apresentação à imprensa do Documento Preparatório, o cardeal Mario Grech (Foto: Sete Margens) , secretário geral do Sínodo dos Bispos, sublinhou ao Vatican News a importância da consulta e apelou aos bispos para que seja dado espaço à escuta de todos:
 “O sucesso do Sínodo dependerá do sucesso da consulta. Por isso o meu apelo aos bispos para que saibam organizar bem e dando espaço para ouvir todos. E esperamos que o caminho que iniciaremos hoje não parará”– declarou o cardeal.
O purpurado salienta que a Igreja como mãe inclui todos, mesmo aqueles que deixaram a Igreja instituição.
  • “A Igreja não são só os que enchem os primeiros lugares.
  • A Igreja como mãe inclui todos, mesmo aqueles que não praticam, mesmo aqueles que deixaram a Igreja instituição.
  • Este Sínodo é um convite a todos para estarem juntos e escutar aquilo que o Espírito Santo está dizendo. O Espírito Santo não faz distinções”– afirmou.
O Documento Preparatório questiona quais os passos que o Espírito nos convida a dar para crescermos como Igreja sinodal. Para responder a esta pergunta, a Secretaria do Sínodo salienta a necessidade de
“viver um processo eclesial participativo e inclusivo”
  • que ofereça a cada um, de maneira especial àqueles que se encontram à margem,
  • a oportunidade de se expressarem e serem ouvidos.

Também é feita a proposta de análise ao modo “como a responsabilidade e o poder são vividos na Igreja”.

Caminho conjunto

A Igreja está a viver tempos de sinodalidade. Para aprofundarmos o conceito fomos à procura de respostas.
O padre português Sérgio Leal defendeu em 2018 uma tese de licenciatura na Pontifícia Universidade Lateranense, em Roma, sobre a sinodalidade como estilo pastoral.
Muito em breve com a chancela da Paulinas Editora o padre Sérgio Leal publicará um livro sobre a sinodalidade no magistério do Papa Francisco.
Nas próximas semanas vai-nos acompanhar com as suas reflexões neste momento tão especial da Igreja.
Em entrevista começa por lembrar a origem da palavra: caminho conjunto.
“Em primeiro lugar, a melhor forma de descrever a sinodalidade é indo à etimologia.
O Papa Francisco faz isto sempre que fala de sinodalidade.
Diz ele:
Sinodalidade, tudo aquilo que a caracteriza está contido na palavra synodos, caminho conjunto’.
  • Caminho de toda a Igreja: pastores, fiéis, consagrados, religiosos, religiosas, todos os batizados.
  • E, portanto, podemos dizer que sinodalidade é, em primeiro lugar, um caminho conjunto.

É verdade que hoje muitas vezes falamos de sinodalidade ligando a estruturas de corresponsabilidade e de comunhão,

eu diria que mais do que estruturas ou um somatório de estruturas a sinodalidade é um estilo, um modo de ser Igreja”– afirmou.

 

O padre português Sérgio Leal – da diocese do Porto – ajuda-nos a compreender o conceito de sinodalidade e o que isso significa no caminho proposto pelo Papa Francisco.

Escuta recíproca, escuta alargada

O sacerdote português recorda, em particular, as palavras do Papa Francisco no seu discurso assinalando os 50 anos da instituição do Sínodo dos Bispos. Foi a 17 de outubro de 2015.
O Santo Padre afirmou que
“Igreja e Sínodo são sinónimos”porque a “Igreja não é outra coisa que não seja caminhar juntos”.
“Este texto dos 50 anos do Sínodo dos Bispos … e deixo já esta nota: quem quiser perceber o que é a sinodalidade no magistério do Papa é imprescindível a leitura deste texto.
O Papa aqui apresenta uma síntese articulada e concisa e consistente daquilo que entende ser a sinodalidade. De facto, dizer Igreja significa dizer sinodalidade, caminho conjunto.
São Cipriano dizia e depois o Concílio Vaticano II colocou no número 4 da Lumen Gentium que
 ‘ a Igreja é o Povo de Deus que caminha na unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo’.
Ou seja, esta consciência de uma Igreja como povo que caminha em conjunto é essencial para entendermos a missão da Igreja.
  • Se a identidade da Igreja é ser comunhão, unidade, caminho conjunto,
  • então o seu agir deve ser moldado a partir daqui.

O Papa diz em primeiro lugar que caminhar juntos implica uma escuta recíproca.

Isto é,

  • não uma visão unidirecional de serem os fiéis leigos os destinatários da ação eclesial,
  • mas de percebermos que o protagonista da ação da Igreja é todo o povo de Deus.
  • Na diversidade de ministérios, de carismas, de funções, de serviços.

E se há diversidade de ministérios e de serviços é porque

  • numa Igreja comunhão não fazemos todos o mesmo,
  • mas na reciprocidade dos diferentes dons cada um vai realizando aquele que é o projeto de Deus para ele.

Portanto, escuta recíproca:

  • pastores que escutam os fiéis,
  • fiéis que escutam os pastores.
  • E de uma Igreja que conjuntamente escuta a voz de Deus.
  • Escutando a voz até dos não-crentes. 
O Papa diz isto.
  • Uma escuta alargada que escuta o grito do mundo para aí escutar a voz de Deus
  • e que escuta a voz de Deus para aí escutar os desafios da história.

Depois o Papa diz uma coisa muito interessante neste discurso:

  • uma Igreja que aparece como sinal de comunhão e de unidade no tempo de dispersão.

Num tempo como o nosso pós-moderno, a Igreja apresentar um caminho

  • que respeita a diversidade, que promove essa diversidade,
  • mas que ao mesmo tempo promove uma unidade nesse caminho

este é também um sinal para os tempos que vivemos”

– disse o padre Sérgio Leal.

A marca da humildade

O padre Sérgio Leal destaca que uma Igreja sinodal é também uma Igreja da humildade.
“A igreja sinodal é uma Igreja que se reconhece como instrumento nas mãos de Deus. Como lugar da ação de Deus.
  • E se nos entendemos lugar da ação daquele que é maior do que nós,
  • então reconhecemos a nossa condição humilde que em nada nos enfraquece, pelo contrário nos engrandece.

E neste sentido a Igreja sinodal é uma Igreja também da humildade.

  • A escuta pressupõe a humildade de me perceber a caminho com outros.
  • Uma Igreja da escuta, uma Igreja sinodal não me coloca acima do outro, mas a caminho com ele.

E é este novo modo de ser e de estar como diz o documento da Comissão Teológica internacional, este “modus vivendi et operandi” (modo de viver e de agir – NdR) que caracteriza a sinodalidade e por isso faz dela,

  • não apenas um método, não um conjunto de estruturas,
  • mas um estilo, um modo de ser Igreja,
  • uma dinâmica que nos conduz à conversão pastoral, que caracteriza o nosso modo de ser
  • e por isso deve estar presente no modo de agir da Igreja.

E, por isso, uma Igreja

  • que não se reconheça humildemente a caminho,
  • que não tenha esta atitude de humildade, de uma escuta que pressupõe silêncio…

Nós estamos habituados a uma Igreja

  • que tem sempre a última palavra sobre tudo,
  • que tem sempre uma palavra para tudo.

E diante dos dramas da história,

  • muitas vezes, também a atitude de silêncio,
  • de escuta, de quem está a caminho,
  • de quem não é autossuficiente e autorreferencial,

porque a Igreja nasce de Deus e para Ele caminha, isto traz uma nova marca”.   

O padre Sérgio Leal continuará connosco nas próximas semanas para aprofundar este tema que vai marcando o tempo da Igreja.
“Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”
um Sínodo que, após as fases diocesana e continental dos próximos dois anos, terá em outubro de 2023 em Roma a sua Assembleia Geral Ordinária.
Para que mais do que “produzir documentos” seja possível “fazer florescer a esperança”.
Imagem
Rui Saraiva, Vatican News
Para conhecer o padre Sérgio Leal

0

Adicione um comentário

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>